destaques
conteúdo
publicidade
supernova
  • Viva Nelson Leirner 1. Notoriamente avesso ao circuito comercial de arte, tendo já realizado diversas obras que o contestam e até o desmascaram, o genial paulistano, radicado no Rio de Janeiro, Nelson Leirner parece que está sendo digerido pelo mercado de arte. Na última edição da SP-Arte, um exemplar de sua paradigmática obra “Homenagem a Fontana” (1967) foi oferecido ao mercado por R$ 900 mil! E não era pela gaúcha Bolsa de Arte ou pela carioca Silvia Cintra + Box 4, as galerias que o representam no país. Leirner não tem galeria oficial em São Paulo.
  • Viva Nelson Leirner 2. Em maio, o artista é homenageado com duas mostras em São Paulo. A Pinacoteca do Estado apresenta a instalação “O Anjo Exterminador” no Octógono. Na Biblioteca Mário de Andrade, o novo diretor Charles Cosac deu seu aval para a realização da mostra coletiva “Acordo de Confiança”, que se propõe a discutir a montagem de exposições de maneira metalinguística. Leirner será a grande estrela, com obras, convites, fotografias, artigos de jornais, publicações e outros.
  • Viva Nelson Leirner 3. Idolatrado pelos decanos da curadoria brasileira, como Tadeu Chiarelli, Agnaldo Farias, Moacir dos Anjos e Ivo Mesquita, o mestre Leirner será curado por José Augusto Ribeiro na Pinacoteca do Estado e por Jacopo Crivelli Visconti na Biblioteca Municipal.
  • A sede da Galeria Nara Roesler em Nova York desce as escadas e se muda para um dos bairros mais hypados da big apple. Antes localizada no 2o andar de um prédio próximo à Broadway, a galeria passa attender no 22 East 69th Street, 3R, a apenas uma quadra da quinta avenida e do Central Park, dividindo um edifício com a loja da Dolce & Gabbana. Quem abre as portas do novo espaço é o artista carioca Marcos Chaves, com mostra individual em cartaz até 8/4.
  • O artista mineiro Jefferson Lourenço é o vencedor da 8ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria, evento promovido anualmente pelo portal Mapa das Artes. Jefferson Lourenço recebeu 25 pontos entre os 30 pontos possíveis e receberá R$ 1.000,00. O prêmio foi definido pelos três membros do júri desta edição, formado por Adriana Duarte (galerista capixaba da paulistana Casa da Xiclet), Paula Alzugaray (jornalista e editora da revista “Select”) e Rodrigo Editore (galerista e sócio da também paulistana galeria Casa Triângulo).
  • A 8ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria recebeu 194 inscrições (aumento de 13% em relação à 7ª edição) de 12 Estados mais o Distrito Federal. São Paulo compareceu com 101 artistas, sendo 75 da capital, 15 do interior, 8 da Grande São Paulo e três do litoral. Rio de Janeiro teve 28 inscritos (21 da capital, cinco do litoral e dois do interior). Em seguida, vieram Minas Gerais (22 inscrições, sendo 16 de Belo Horizonte e seis do interior de MG), Paraná (13, sendo nove de Curitiba), Rio Grande do Sul (11, sendo oito de Porto Alegre), Distrito Federal (cinco), Pernambuco (dois de Recife), Espírito Santo, Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul (um de cada).
  • A 8ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria mostra ainda que os locais de nascimento dos artistas são ainda mais variados: 14 Estados, Distrito Federal e seis outros países (2 da Argentina, Japão, Itália, Cuba, Moçambique e França). A maioria é natural do Estado de São Paulo (88, sendo 60 da capital). Depois vem Minas Gerais (17 de Belo Horizonte e nove do interior), Rio de Janeiro (17 da capital, três do interior e dois do litoral), Rio Grande do Sul (apenas dois de Porto Alegre e dez do interior), Paraná (11 de Curitiba e quatro do interior), Espírito Santo, Goiás e Santa Catarina (três cada), Bahia, Paraíba, Ceará e Piauí (dois cada) e Rondônia e Mato Grosso do Sul (um cada).
  • Nesta 8ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria, o curador Cauê Alves conquistou pela primeira vez o posto de curador preferido pelos postulantes ao Salão, ao ser mencionado por 15 dos artistas inscritos (votação opcional). Agnaldo Farias e Paulo Miyada vieram em seguida, com 13 indicações. Eder Chiodetto foi citado sete vezes. Obtiveram seis menções os curadores Douglas de Freitas, Marcelo Campos, Rafael Fonseca e Mario Gioia. Paulo Herkenhoff, Adriano Pedrosa e Moacir dos Anjos obtiveram cinco menções cada. Outros 98 nomes foram mencionados nas fichas de inscrição. A indicação de até três curadores na ficha de inscrição foi opcional.
  • A galeria paulistana Zipper repetiu o feito dos três anos anteriores e continua sendo a preferida dos 194 artistas inscritos agora na 8ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria. A Zipper recebeu 55 votos opcionais e espontâneos. A Casa Triângulo recolheu os frutos de sua mudança para os Jardins e obteve 28 menções. Em seguida vieram Millan e Vermelho, com 21 menções cada. Fortes D’Aloia & Gabriel (ex-Fortes Vilaça) e Nara Roesler tiveram 14 menções. A Mendes Wood DM teve 12. Outras 45 galerias foram citadas na enquete opcional.
  • A Casa Daros, no Rio de Janeiro, anunciou que vai enviar a biblioteca de 4,5 mil volumes para a sua matriz em Zurique, na Suíça... Pois já vai tarde... O Rio de Janeiro possui bibliotecas infinitamente melhores... Em dois anos e meio de funcionamento, a Casa Daros não produziu nada de relevante para a vida cultural da Cidade Maravilhosa... Tomara que vá embora o quanto antes e que, da cidade, não leve sequer o pó...