Mapa Das Artes http://www.mapadasartes.com.br Mapa Das Artes - O portal de arte brasileiro pt-br Mapa Das Artes http://www.mapadasartes.com.br/img/cid1.gif http://www.mapadasartes.com.br 217 33 Despina recebe performance e conversa com artistas do Arte e Ativismo na América http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12940&ncid=2&pg= O projeto da Despina, realizado em parceria com a organização holandesa Prince Claus Fund, “Arte e Ativismo na América Latina” ocorre em 22/08/17, às 19h, com a performance "Lamento Kayapó" concebida pelo artista cubano Carlos Martiel; seguida de conversa com os artistas em residência selecionados para esta edição, Carlos Martiel, Cristiano Lenhardt e Mariela Scafati. | Mais informações: Despina | Largo das Artes Centro: r. Luis de Camões, 2 - Rio de Janeiro (RJ). Alê Jordão, Lia Chaia e outros brasileiros no exterior http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12935&ncid=1000&pg=0 A mostra “Radical Women: Latin American Art, 1960–1985” apresenta cerca de 260 obras (fotografias, vídeos, técnicas mistas e experimentações) produzidas por mais de cem artistas de 15 países. Entre as selecionadas estão Lygia Clark, Anna Bella Geiger, Leticia Parente, Ana Mendieta, Marta Minujín, Zilia Sánchez e Feliza Bursztyn, A mostra acontece no Hammer Museum, em Los Angeles, entre 15/9 e 31/12, e depois segue para o Brooklyn Museum, em Nova York, entre 13/4 e 29/7/2018. | A convite do Festival Silkeborg Ildfestregatta (http://www.ildregatta.dk), a artista Néle Azevedo apresenta em Silkeborg (Dinamarca) sua instalação “Monumento Mínimo” em 18/8. O artista Andrey Zignatto está em Damasco, na Síria, preparando uma série de obras novas. Na sequência, ele vai a Caracas, na tentativa de construir peças em zonas conflagradas. A galeria paulistana Luciana Brito se prepara para a inauguração de uma filial em Nova York, no bairo TriBeCa, no Sul de Manhattan. Vai apresentar uma mostra de obras de artistas do Grupo Ruptura, como Waldemar Cordeiro, Geraldo de Barros, Luiz Sacilotto e Lothar Charoux. | Alê Jordão (Choque Cultural) participa de mostra coletiva “Delusional: Jonathan LeVine’s Search for the Next Great Artist”, na Jonathan LeVine Projects, em Nova York, até 26/8. Apresenta a obra “Playlist”, uma escultura de neon policromado sobre carro de supermercado. Lia Chaia (Galeria Vermelho) participa da mostra “Prólogo Contemporáneo para uma Colección Moderna - Bienalsur”, no Museo Nacional de Artes Visuales de Montevideo, no Uruguai, entre 23/8 e 5/11. | A exposição “Another Gesture/Um Outro Gesto/Eine Weitere Geste” acontece em Nova York entre 3 e 20/8 e apresenta obras de duas artistas brasileiras e duas alemãs: Teresa Viana, Alice Quaresma, Svenja Kreh e Veronika Hilger. A mostra acontece na A.I.R. Gallery (155 Plymouth St.). https://anothergesture.com/ | O artista carioca Ricardo Basbaum (A Gentil Carioca e Galeria Jaqueline Martins) figura na mostra coletiva “We Are Here - I Am You”, curadoria de José Esparza Chong Cuy, em cartaz no MCA - Museum of Contemporary Art Chicago, nos EUA, entre 19/8 e 1/4/2018. | O grupo performático e multimídia carioca Opavivará foi selecionado para o evento KM3 Public Art Walk, que acontece em Montreal, no Canadá, entre 30/8 e 15/10. Curadoria de Stefanie Kreuzer. Participa ainda da mostra coletiva Continua Sphéres Ensemble, direção artística de José Manuel Gonçalves no 104 Cent Quatre Paris, na capital francesa, entre 16/9 e 19/11. A turnê mundial do grupo carioca prossegue ainda pela Alemanha, na mostra “Duet Wirth Artits”, curadoria de Stefanie Kreuzer no Museum Morsbroich, em Leverkusen (Alemanha; museum-morsbroich.de/), até 3/9, e, em seguida, no Belvedere Museum (Viena, Áustria, de 27/9 a 4/2/2018; belvedere.at/). | A artista carioca Maria Laet (A Gentil Carioca) participa da mostra coletiva “Video Art in Latin America”, curadoria de Glenn Phillips e Elena Shtromberg, em cartaz no LAXART, em Los Angeles (EUA), entre 17/9 e 16/12. laxart.org/. Laet está ainda na coletiva “Un Monde In-Tranquille”, curadoria de Caroline Bissière & Jean-Paul Blanchet com Eglantine Bélêtre em cartaz no Centre d’Art Contemporain Meymac, na cidade francesa de Meymac, até 15/10. cacmeymac.com/ | Laura Lima (Galeria Luisa Strina e A Gentil Carioca) está na mostra coletiva “Past/Future/Present: Contemporary Brazilian Art from the Museum of Modern Art, São Paulo”, uma curadoria de Vanessa K. Davidson e Cauê Alves no Phoenix Art Museum, nos EUA, entre 1/9 e 31/12. phxart.org. Também figura na coletiva “Illusion and Revelation”, curadora de Ernst Caramelle no Bonnefanten Museum, em Maastricht, na Holanda, até 27/11. www.bonnefanten.nl. Laura Lima comparece também, com a colaboração de Zé Carlos Garcia, com a obra “Pássaro”, na mostra “A Room and a Half”, até 1/10/17, no Ujazdowski Castle Centre for Contemporary Art, em Varsóvia (Polônia). Curadoria de Agnieszka Sosnowska. u-jazdowski.pl. | Vivian Caccuri (Galeria Leme) participa da mostra “The Future Generation Art Prize”, em cartaz no Palazzo Contarini Polignac Dorsoduro, em Veneza, entre 12/5 e 13/8/17. Curadoria de Björn Geldhof e Anna Smolak. www.futuregenerationartprize.org. A artista participa ainda da mostra “Sonic Rebellion”, uma curadoria de Jens Hoffmann, Susanne Feld Hilberry e Robin K. Williams em cartaz no MOCAD Detroit, nos EUA, até 7/1/2018. Caccuri estará ainda na mostra “Buried in The Mix”, curadoria de Bhavisha Panchia em cartaz no MEWO Kuntshalle, em Memmingen, na Alemanha, entre setembro de 2017 e janeiro de 2018. www. mewo-kunsthalle.de. | Os artistas Cabelo, Jarbas Lopes, Laura Lima, Rodrigo Torres e Vivian Caccuri participam da mostra “Art of the Treasure Hunt: the Grand Tour”, curadoria de Kasia Redzisz em cartaz na Toscana (Itália) até outubro de 2017. www.arthunt.com | O carioca Alexandre Vogler (A Gentil Carioca) participa da mostra coletiva “Bienal Sur / Duralex Sed Lex”, uma curadoria de Raphael Fonseca e Juliana Gontijo no Centro Cultural Parque de España, em Rosario, na Argentina, entre 2/9 e 22/10/17. http://www.fundacaoeugeniodealmeida.pt/ A carioca Maria Nepomuceno (A Gentil Carioca) participa da mostra coletiva “Hello, City!”, uma curadoria de Minki Kim em cartaz no Daejeon Art Museum, em Daejeon, na Coreia do Sul, até 9/10. dmma.daejeon.go.kr | Albano Afonso (Casa Triângulo) apresenta suas obras na mostra “Sobreexposición”, uma curadoria de Juan José Santos em cartaz no Espacio de Arte Contemporáneo, em Montevidéu, no Uruguai, entre 8/6 e 27/8. O artista apresenta suas obras ainda na coletiva “Money Laundering”, no Sixtyeight Art Institute, em Copenhague, na Dinamarca, entre 17/6 e 8/7, com curadoria de Rodolfo Andaur. No 21c Museum Hotel, em Louisville (EUA), Albano Afonso se apresenta na coletiva “Truth or Dare: A Reality Show”. A mostra tem curadoria de Alice Ray Stites e fica em cartaz até 24/2/2018. Albano Afonso realiza ainda a mostra individual “In a State of Suspension” no Aomori Contemporary Art Centre, no Japão, até 10/9/17. | Clarissa Tossin participa da mostra coletiva “Lives Between”, uma curadoria de Sergio Edelsztein e Joseph del Pesco no Center for Contemporary Art, em Tel Aviv, entre 31/8 e 28/10. | A Fundação Bienal inaugura mostra itinerante da 32ª Bienal de São Paulo (“Incerteza Viva”), na Fundação Serralves, na cidade do Porto, em Portugal. A mostra reúne projetos de 14 artistas e coletivos. Outros recortes da 32ª Bienal serão apresentados no Museo de Arte Moderno de Bogotá (Mambo), na Colômbia, e em 11 cidades brasileiras ao longo de 2017. A 32ª Bienal de São Paulo foi concebida por Jochen Volz, juntamente com os co-curadores Gabi Ngcobo, Júlia Rebouças, Lars Bang Larsen e Sofía Olascoaga. Em Serralves, a exposição resulta de um diálogo entre Jochen Volz, e o diretor adjunto do Museu de Serralves, João Ribas e foi reconfigurada de acordo com o contexto único do Parque e Museu. Serão apresentadas obras de Gabriel Abrantes, Jonathas de Andrade, Sonia Andrade, Cecilia Bengolea /Jeremy Deller, Alicia Barney, Lourdes Castro, Öyvind Fahlström, Priscila Fernandes, Carla Filipe, Leon Hirszman, Grada Kilomba, Lais Myrrha, Vídeo nas Aldeias, Bárbara Wagner e Benjamin de Burca. As obras apresentadas – pinturas e esculturas, vídeos e instalações – condensam os principais conceitos da exposição que se realizou no Brasil, nomeadamente uma reflexão sobre as atuais condições de vida e as estratégias presentes na arte contemporânea para acolher ou habitar a incerteza. Para a apresentação no Parque de Serralves foram encomendados cinco pavilhões a ateliês de jovens arquitetos do Porto (depA, Diogo Aguiar Studio, Fahr, fala atelier e Ottotto). Estas estruturas, distribuídas por vários locais do Parque, vão apresentar obras de Gabriel Abrantes, Jeremy Deller / Cecilia Bengolea, Priscila Fernandes, Barbara Wagner / Benjamim de Burca e Jonathas de Andrade. Ainda no Parque, Carla Filipe irá apresentar uma obra construída a partir da recolha de plantas comestíveis não-convencionais (PANCS), Alicia Barney mostrará o Vale de Alicia e estará também patente uma obra sonora de Öyvind Fahlström. No Museu, serão mostradas obras de Lais Myrrha, Lourdes Castro, Vídeo nas Aldeias, Leon Hirszman, Grada Kilomba e uma instalação de Sonia Andrade na Galeria Contemporânea. | O artista plástico paulista Felipe Seixas participa da 19ª Bienal Internacional de Cerveira, em Portugal, entre 16/7 e 16/9. | Mariana Maurício (Galeria Leme) participa da mostra coletiva “O Fundo do Poço”, na galeria Die Raum, em Berlim (Alemanha), entre 24/6 e 20/8/17. http://www.dieraum.net/ | José Carlos Martinat e Paulo Climachauska (ambos da Galeria Leme) participam da mostra “Force, Strenght, Power”, na Galeria Baginski, em Lisboa, entre 4/7 e 9/9/17. | O paulistano Mauro Piva (Galeria Leme) realiza a mostra “Forma Sobre Fundo”, nos Proyetos Monclova, na Cidade do México, entre 22/6 e 2/9/17. | A Bossa Gallery, de Liliana Beltran, em Miami, realiza a mostra “Fluctuations”, com obras de Fláva Junqueira e George Goodridge. A presença ambígua de conceitos opostos é frequente na obra dos dois artistas, como ordem e desordem, natureza e criação, restrição e excesso, mecânico e orgânico. A mostra fica em cartaz entre 10/7 e 8/9. www.bossagallery.com | A exposição de Gaspar Gasparian em Erevan, na Armênia, acontece na 1ª edição da Standart Triennial of Contemporary Art e será o primeiro encontro do público com o trabalho deste artista de origem armênia. “Distant Fragments (Fragmentos Distantes)” apresenta uma retrospectiva do trabalho de Gaspar Gasparian, com fotografias realizadas entre as décadas de 40 e 60. Curadoria Ruben Arevshatyan. Fica em cartaz entre 20/7 e 30/9/17. | A artista carioca Rosana Palazyan participa da primerira edição da mostra Standart - Triennial of Contemporary Art, na Armenia. A mostra “The Mount Analogue” tem conceito e curadoria de Adelina Cüberyan von Fürstenberg e assistência do curador Ruben Arevshatyan e acontece entre 20/7 e 31/12/17 nas cidades de Yerevan, Gyumri, Sevan e Kapan. O nome da Trienal é inspirado pela revista armênia de vanguarda Standard, publicada em 1924, a revista destaca o rico contexto cultural e histórico da Armênia e, por meio de seu caráter itinerante, envolve comunidades diversas e cria oportunidades de diálogo e relações entre artistas, escritores, curadores, cientistas, comunidades locais e visitantes. A curadora Adelina Cüberyan von Fürstenberg foi premiada com o Leão de Ouro para o Pavilhão Nacional da Armênia na 56ª Bienal de Veneza, em 2015. Inspirada no romance inacabado “The Mount Analogue”, do escritor surrealista francês René Daumal (1908-1944), “Standart” será realizada em espaços históricos e culturais, em toda a região do Monte Ararat. www.standart-armeniatriennale.net | Valeska Soares (Fortes D’Aloia & Gabriel) participa da mostra “The Half-Life of Love”, no MASS MoCA, em North Adams, também nos EUA, até 1/1/2018. | Cristiano Lenhardt (Fortes D’Aloia & Gabriel) participa da mostra coletiva “Unanimous Night”, no Contemporary Art Centre, em Vilna, na Ltuânia, até 13/08/17. Com o carioca Ernesto Neto, Valeska participa da coletiva “Infinite Garden. From Giverny to Amazonia”, no Centre Pompidou-Metz, em Metz, na França, até 28/8/17. | Barbara Wagner (Fortes D’Aloia & Gabriel) realiza a mostra individual “Aspirations”, no MOCAD de Detroit, nos EUA, até 20/8/17. A artista participa ainda das mostras coletivas “Frucht & Faulheit”, no Lothringer13 Halle, em Munique (Alemanha) até 20/8, e do mega evento Skulptur Projekte 2017, que acontece a cada 10 anos em Münster, também na Alemanha, até 1/10/17. | Beatriz Milhazes (Fortes D’Aloia & Gabriel) está entre os selecionados para a mostra “Roberto Burle Marx: Brazilian Modernist”, que acontece no Deutsche Bank KunstHalle, em Berlim, entre 7/7 e 3/10/17. | O paulistano Mauro Restiffe (Fortes D’Aloia & Gabriel) participa da coletiva “Doubles, Dobros, Pliegues, Pares, Twins, Mitades”, que acontece na The Warehouse, em Dalas, nos EUA, entre 10/7 e 29/12/17. | Janaína Tschape (Fortes D’Aloia & Gabriel) participa da mostra coletiva “Celibataire Divas”, no De Mijlpaal Contemporary Art in Herkenrode Refuge, na cidade de Hasselt, na Bélgica, até 3/9/17. A artista tem suas obras ainda na coletiva “Tidalectics”, no espaço TBA21–Augarten, em Viena (Áustriua), até 19/11/17. | A artista mineira Rivane Neuenchwander (Fortes D’Aloia & Gabriel) participa da mostra coletiva “Now” na The National Galleries of Scotland, em Edimburgo, na Escócia, até 24/9/17. Terá obras ainda na coletiva “Art and Alphabet”, no Hamburger Kunsthalle, em Hamburgo (Alemanha), de 21/7 a 29/10/17. | O Museu de Arte Contemporânea de Serralves apresenta no Terminal de Passageiros do Porto de Leixões, em Matosinhos, Portugal, a exposição coletiva “Passagens: A Coleção de Serralves noTterminal de Cruzeiros do Porto de Leixões”. A mostra fica em cartaz até 17/9 e apresenta mais de 30 obras de artistas portugueses e internacionais que fazem parte da Coleção de Serralves, entre eles Marcius Galan. | Geraldo de Barros (Luciana Brito Galeria de Artes) protagoniza a mostra “Fotoformas e Sobras” na Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, em Lisboa, entre 15/7 e 17/9/17. A mostra integra a programação do evento Passado e Presente – Lisboa, Capital Ibero-Americana de Cultura 2017. | O Centre d'Art Contemporain de Meymac, na França, recebe a coletiva “Un Monde In-tranquille, em cartaz até 15/10 e que conta com fotografias do mineiro Pedro Motta. | A Galeria Nara Roesler em Nova York apresenta mostra coletiva multimídia “GNR Presents”, com obras de Abraham Palatnik, Alexandre Arrechea, Artur Lescher, Bruno Dunley, Cristina Canale, Daniel Buren, Eduardo Navarro, Hélio Oiticica, Lygia Clark, Marco Maggi, Milton Machado, Sérgio Camargo, Tunga, Vik Muniz e Xavier Veilhan. Em cartaz até 10/9/17, a mostra será acompanhada por uma série de conversas e workshops. | Henrique Cesar apresenta obras suas na mostra “Synthesis”, no Museu Nacional d'Art de Catalunya, em Barcelona (Espanha), entre 6/7 e 24/9. | Dante Velloni apresenta suas obras na Galeria Marcantonio Vilaça - Casa do Brasil, em Bruxelas (Bélgica), entre 29/6 e 8/9/17. | O Instituto Inhotim realiza pela primeira vez uma exposição internacional, na sede do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington (EUA), entre 18/7 e 13/10. A mostra “Inhotim: at the Crossroads of Glocal Change” reúne obras da coleção de arte contemporânea do museu e experiências audiovisuais inspiradas nos jardins do Parque. Com trabalhos dos artistas Iran do Espirito Santo, Luiz Zerbini, Olafur Eliasson e Vik Muniz, a exposição propõe uma reflexão sobre os impactos das mudanças climáticas e as ações que podem ser adotadas para reduzir os seus efeitos. De Chris Burden será exibido o vídeo sobre a instalação da obra “Beam Drop Inhotim” ( 2008). www.inhotim.org.br | A mineira Marilá Dardot (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Unanimous Night”, no Contemporary Art Centre (CAC), em Vilna, na Lituânia, entre 16/6 e 30/8. | O artista plástico Eduardo Kac, representado pela galeria carioca Luciana Caravello, se prepara para uma impressionante maratona de exposições individuais e coletivas em 2017, seja no Brasil quanto no exterior. Sua mais recente produção, a série “Inner Telescope”, será apresentada no Rio de Janeiro (Luciana Caravello, de 20/7 a 19/8). As obras participam ainda de coletivas em Linz, na Áustria (Arts Electronica Festival, de 7 a 11/9) e em Seoul, na Coréia do Sul, no evento Da Vinci Creative 2017, no Seoul Art Space Geumcheon (de 1/9 a 30/12). A obra “Inner Telescope” já ganhou uma página inteira no jornal “New York Times” e destaque em veículos como “ArtPress”, “Beaux Arts”, “Le Figaro”, “Huffington Post”, “La Nación” e “Connaissance des Arts”. O filme-documentário “Inner Telescope, A Space Artwork by Eduardo Kac”, dirigido por Virgile Novarina, estreou em Paris no último dia 2/6. A trajetória das obras de Kac no exterior prossegue com a exibição de obras da série “Minitel” na mostra “Electronic Superhigheway”, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia de Lisboa (entre 1 e 30/9), na mostra online “Net Art Anthology - Rhizome”, organizada pelo New Museum de Nova York, e na mostra “Shadow & Space”, em cartaz neste verão norte-americano na Thoma Foundation, em Chicago. Para completar, os trabalhos de Kac realizados em xerox e fax, no início da década de 80, terão espaço no Pacific Standard Time Festival da Getty Foundation e serão exibidos na mostra “Copyart: Experimental Printmaking 1970-1990”, na Hoehn Family Galleries (Universidade de San Diego, entre 1/9 e 30/12). | Entre 1/6 e 22/10, a Milwaukee Avenue, em Milwaukee, cidade mais populosa do Estado do Wiscosin, nos EUA, receberá a escultura “Vortex”, do artista gaúcho Saint Clair Cemin (Galeria Bolsa de Arte de Porto Alegre). Trabalho de 2012, essa obra monumental é uma espécie de torre de aço de 12 metros por três metros de largura, que espelha as nuvens ao mesmo tempo que aparenta mover-se em direção a elas. | A dupla Dias & Riedweg (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Nuestro Deseo es Una Revolución. Imágenes de la Diversidad Sexual en el Estado Español (1977-2017)”, em cartaz no CentroCentro, em Madri, entre 22/6 e 1/10/17. | O artista Daniel Lie (Casa Triângulo) apresenta suas obras nas mostras coletivas “Welt Kompakt? (World Compact) - Out of Brazil”, com curadoria de Ursula Maria Probst, no Museumsquartier, em Viena (Áustria), entre 23/6 e 3/9. Ainda em Viena, Lie mostra suas obras na mostra “Du Oder Ich? Collective Soul. Ethik des Miteinanders (You or I? Collective Soul. Ethics of Togetherness)”, também curada por Ursula Maria Probst, no Wachauarena Melk, em Melk, entre 16/6 e 20/8. | Carla Zaccagnini (Galeria Vermelho) apresenta suas obras na mostra coletiva “Nordic Delight”, no Finnish Museum of Photography, em Helsinque, na Finlândia, até 13/8. Também participa da coletiva “A Universal History of Infamy”, no Los Angeles County Museum of Art (LACMA), em Los Angeles (EUA), entre 20/8 e 18/2/2018. | O fotógrafo paulistano Julio Bittencourt (Galeria Lume) foi um dos selecionados pelo Aesthetica Art Prize, prêmio promovido pela Aesthetica Magazine, revista inglesa de arte, cultura e design, e com isso participa de mostra coletiva na York Art Gallery, em York, na Inglaterra. A mostra fica em cartaz até 10/9. | Jaime Lauriano (Galeria Leme) participa da mostra coletiva “Welt Kompakt? (World Compact) - Out of Brazil”, com curadoria de Ursula Maria Probst, no Museumsquartier, em Viena (Áustria), entre 23/6 e 3/9. | A artista Regina Silveira (Galeria Luciana Brito) participa com a obra “Touch” da mostera “Planet 9”, no Kunsthalle Darmstat, na Alemanha. A mostra fica em cartaz entre 30/5 e 27/8/17. Participa ainda da mostra “Bienal Sur”, no Parque de la Memoria, em Buenos Aires (Argentina), Regina Silveira apresenta para a primeira edição da Bienal Sur, além de projeções do vídeo “Limiar”, versões exclusivas da obra “Touch” em três cidades argentinas. Em 31/8 será inaugurada a obra “Touch” no Centro Cultural Recoleta e no Parque de la Memoria, em Buenos Aires. Em 2/9 é a vez da inauguração em Rosario, no Museo de la Memoria, onde será também projetado o vídeo “Limiar”. A última inauguração será em 22/9, no Museo Franklin Rawson, em San Juan. | O artista alagoano-pernambucano Jonathas de Andrade (Galeria Vermelho) está na mostra coletiva “Atopia” no MAC de Lima, no Peru, entre 15/8 e 26/11. Também participa da mostra “I Am You”, no Museum of Contemporary Art Chicago, nos EUA, entre 19/8 e 1/4/2018. | A fotógrafa Claudia Andujar e a dupla de artistas multimídia Gisela Motta e Leandro Lima, ambos da Galeria Vermelho, participam da mostra “Amazonie - Le Chamane et la Pensée de la Forêt”, que acontece no Muséum of Pointe-à-Callière, em Montreal, no Canadá, entre 20/4 e 22/10/17. | A carioca Rosângela Rennó (Galeria Vermelho) participa da coletiva “Autophoto”, em cartaz na Fondation Cartier pu l'Art Contemporain, em Paris, entre 20/4 e 24/9/17. | Clara Ianni (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Utopia/Dustopia”, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, entre 21/3 e 14/8/17. Ianni participa ainda do Festival Internacional de Videoarte FUSO, no Jardim do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, entre 23 e 27/8. | A Rubell Family Collection – Contemporary Art Foundation, em Miami, apresenta a mostra “New Shamans - Novos Xamãs: Brazilian Artists” até 25/8/17. A mostra apresenta obras nas mais diversas mídias dos artistas AVAF, Lucas Arruda, Thiago Martins de Melo, Sonia Gomes, Andre Komatsu, Daniel Steegmann Mangrané, Paulo Nazareth, Maria Nepomuceno, Solange Pessoa, Paulo Nimer Pjota, Marina Rheingantz, Eli Sudbrack e Erika Verzutti. Luciana Brito inaugura filial em Nova York com mostra do Grupo Ruptura http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12932&ncid=1000&pg=0 A nova sede da Galeria Luciana Brito em Nova York, no bairro de TriBeCa, no sul de Manhattan, é inaugurada em setembro com uma exposição dedicada ao grupo Ruptura. São expostas obras do grupo concretista paulista, que foi originalmente formado pelos poloneses Anatol Wladyslaw (1913 - 2004) e Leopoldo Haar (1910 - 1954), o austríaco Lothar Charoux (1912 - 1987), o húngaro Féjer (1923 - 1989), Geraldo de Barros (1923 - 1998), Luiz Sacilotto (1924 - 2003), e o catalisador e porta-voz oficial do grupo, Waldemar Cordeiro (1925 - 1973). Mostra coletiva ocupa ruínas do antigo cassino da Urca (RJ) http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12929&ncid=1000&pg=0 Em paralelo à feira ArtRio, em setembro, a mostra coletiva “A Invenção da Praia: Cassino” ocupa o salão de baile e teatro do antigo cassino da Urca, no Rio de Janeiro. Organizada por Paula Alzugaray, a exposição terá trabalhos dos artistas Caio Reisewitz, Giselle Beiguelman, Laura Lima, Nino Cais, entre outros. Inspirada no projeto de Lina Bo Bardi para um museu erguido à beira do mar em São Vicente, no litoral paulista, o projeto será uma espécie de continuação de uma exposição realizada pela mesma curadora há três anos no antigo Paço das Artes, em São Paulo. Enquanto o desenho da arquiteta nunca se materializou, o cassino da Urca foi construído em 1933 em plena praia. Funcionou até 1946 e depois foi transformado nos estúdios da extinta TV Tupi. Abandonado desde a década de 1980, o antigo salão de jogos foi restaurado e hoje abriga a sede carioca do Istituto Europeo di Design. Mas o salão de baile, com espaço para duas orquestras e onde também funcionou o restaurante do cassino, continua em ruínas. Nos últimos anos, o espaço destruído serviu de palco para desfiles de moda e peças de teatro. A nova exposição marca o início de novas obras de restauro. Escola de Artes Visuais do Parque Lage recebe inscrições para novos cursos http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12928&ncid=2&pg= A Escola de Artes Visuais do Parque Lage recebe inscrições para novos cursos. Confira a progrmação: | 01/09 a 30/10/17 - “Arte e Mercado” com o professor Franz Manata. O curso investiga sua formação e a natureza contemporânea dos mercados de arte, suas particularidades e quais os desafios na era da economia da informação. É destinado a qualquer pessoa interessada em arte, não sendo necessário conhecimento prévio. Às segundas-feiras, das 19h às 21h, com aula aberta no dia 28/08. R$ 380/mês. Franz Manata é artista, curador e professor. Mestre em linguagens visuais pela UFRJ, com formação em sociologia e economia, atua como consultor para instituições públicas, coleções particulares e corporativas. Trabalha em duo com Saulo Laudares desde 1998. - 04/09 a 27/11 - “Da Música à Arte Sonora” com o professor Paulo Vivacqua. O curso é destinado a estudantes em artes que tenham interesse em aproximar-se da espacialidade do som através de aulas teóricas em que serão apresentados conceitos, autores e obras que exploram o território híbrido entre arte e música sob uma ótica histórica. Às segundas-feiras, das 19h às 22h, por R$ 380. Paulo Vivacqua. Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Com formação em música, elabora seu trabalho a partir de um cruzamento de linguagens sonora, visual e textual. Participou de mostras nacionais e internacionais de relevância como: Sound Field, The Field Sculpture Park, Hudson, NY 2002, Radio Polyphony, NYC, 2003, Escape, Zagreb Bank, 22º Music Biennale Zagreb, Croatia 2003, Observatório Auditivo, 8ª Bienal do Mercosul, The Legend of the Lake. Art in General, NYC, entre outros. - 02/10 a 27/11 - “Laboratório de Música Concreta e Estética Sonora Para Imagem em Movimento” com o professor Ricardo Mansur. O curso é teórico e prático, para interessados no som como forma de expressão e no desenho de som para cinema, audiovisual e videoarte. Às segundas, das 14h às 17h, por R$ 380. - Ricardo Mansur é desenhista de som, músico, compositor, diretor de áudio e diretor cinematográfico. Desde 1987, compõe e produz trilhas para teatro, televisão e cinema. Finalista do prêmio da música brasileira com o cd Terra de Índio na categoria revelação, 1995. Diretor de música e áudio da TPA – Televisão Pública de Angola, 2002. Produtor musical e arranjador dos Cds de João de Aquino “A Taba e o Tambor” (2005), “Máquina Comovente” de Marco Jabu (2003) e “Sambambas” de Davi do Pandeiro (2003). Mixador da série televisiva Brasil Visual, direção Rosa Melo. Curador da Mostra do filme livre 2015/2016. Criador do curso “O Som no Cinema – Do conceito à finalização”. | Mais informações: EAV do Parque Lage r. Jardim Botânico, 414. Maiores informações pelo telefone (21) 2334-4088 ou www.eavparquelage.rj.gov.br. Panmela Castro comenta repercussão de sua obra na Frestas Trienal de Artes http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12926&ncid=1000&pg=0 A carioca Panmela Castro participa da 2ª Frestas Trienal de Artes no Sesc Sorocaba (SP) , e antes mesmo da abertura da mostra a obra da artista já causou repercussão na cidade. O seu grafite que está no Palacete Scarpa, sede da Secretaria da Cultura e Turismo, no Centro, incomodou o vereador pastor Luis Santos (PROS), em entrevista à rádio Cruzeiro FM, e que chegou a sugerir uma regulamentação contra a permanência do trabalho no prédio histórico. O secretário de Cultura e Turismo, Werinton Kermes, que autorizou o uso do imóvel para a trienal, defendeu que a parede lateral do prédio não possui adornos e, portanto, a intervenção não configura em descaracterização da fachada. Panmela levou o ataque de forma positiva, pois sua arte está em contato direto com sua função – a obra fala sobre a sociedade e é por ela respondida. A pintura mostra siamesas ligadas por um olho central em um vácuo estrelado e ornamentado por uma flor, e esse conjunto se assemelha a uma vulva. Embora seja uma vista em destaque para quem passa na rua, a figura de áurea feminina aborda esse símbolo que é o principal tema de sua produção: o corpo da mulher, o poder de questionar a imagem da mulher não de forma erótica, mas de forma natural. A performance e instalação “Femme Maison” complementa o trabalho de Panmela na Trienal. Em parceria com a escritora gaúcha Clara Averbuck, a artista questiona o lugar da mulher na sociedade através de uma casinha decorada inteiramente com pelúcia rosa-pink, com todos os objetos da instalação rosa também, e na porta instruções para entrar e contar uma história. Panmela comenta que muitas mulheres entram e contam suas histórias, pois se sentem a vontade por ela ser ativista essas pessoas se sentem mais seguras em se abrir, e acabam relatando episódios de misoginia, preconceito, violência e perda de direitos dessas mulheres, que são frequentemente velados. Todo esse conjunto de ações questiona o feminino imposto ou do padrão do que se espera da mulher, do lugar das mulheres frente às situações encontradas por elas no Brasil, de muito tempo e nos dias atuais. O percurso artístico pelos grafites, desde os anos 2000, e suas performances da artista intimida não por trazer o ataque como porta de entrada, mas sim por uma proposta de relacionamento com o outro, de aproximação e troca na alteridade, do que realmente é ser mulher e pensar o poder da mulher. Panmela de Castro ainda fala sobre o tema da Trienal “Entre Pós-Verdades e Acontecimentos”, como da verdade e não verdade no seu trabalho - criar uma personagem desvela máscaras da aceitação, por criar essa persona fictícia para o outro e como esta ilusão da imagem, ou da roupa, maquiagem, perucas, podem provocar reações diversas nas pessoas. Até onde a verdade pode ser percebida dentro da dessa ficção? Onde uma figura dita feminina e delicada mostra uma mulher submissa? Panmela Castro é Mestre em Processos Artísticos Contemporâneos pelo Instituto de Artes da UERJ e bacharel em Pintura pela Escola de Belas Artes da UFRJ. Já realizou trabalhos e exposição em cidades, como Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Porto Alegre, Salvador, Valparaíso, Santiago, Bogotá, Nova York, Paris, Viena, Amsterdã, Berlim, entre outros. Site da artista www.panmelacastro.carbonmade.com Temporária Galeria exibe a mostra coletiva em espaço temporário http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12925&ncid=1&pg=0 A Temporária Galeria abre 14/08/17, às 19h, a mostra “(Eu)Transmeio”que apresenta um conjunto de obras de artistas contemporâneos, que se inspiram na escultura da Cabeça de Cristo do S.C.J., 1950 de Galileo Emendabili, peça em bronze localizada na entrada do espaço, a qual já se encontrava lá. Esta foi relacionada com o filme The Holy Mountain, 1973 de Alejandro Jodorowsky, o qual narra a tragetória de personalidades do poder em busca da iluminação. Participam Alencar Loch, Beatriz Chachamovits, Bianca Turner, Camilla Bologna, Cássio Leitão, Dimitri Lima, Fábia Karklin, Felipe Julian, Flávio Barollo, Francis Girard, João de Souza, Jorge Feitosa, Josué Pavel Herrera, Karen Picciotto, Lucas Bambozzi, Luccas Iatauro, Luiz Queiroz, Marco Biglia, Papa de Boer, Rubens Ianelli e outros. A Temporária Galeria é um projeto independente e itineirante idealizado e concebido pela também artista Fernanda Papa de Boer. Em cartaz até 26/08/17. | Temporária Galeria Rua Colômbia 157, Jardim America, São Paulo/SP (de 14/08/17, às 19h, a 26/08/17). Secretaria de Cultura de Minas Gerais lança edital de cultura indígena http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12923&ncid=1000&pg=0 A Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais recebe até 04/09/17 inscrições para a 3ª edição do Edital de Premiação das Festas Tradicionais das Comunidades Indígenas ou Grupos Tribais, que reafirma a importância das tradições e rituais da cultura indígena como elemento fundador da formação da identidade brasileira. Ao todo o recurso de R$ 195 mil será destinado à valorização das manifestações culturais indígenas, além de premiar 13 comunidades que realizam festas tradicionais e aldeadas em Minas Gerais. As inscrições podem ser feitas pelo site www.cultura.mg.gov.br. O resultado será divulgado em 18/09/17 no mesmo endereço. | Mais informações: www.cultura.mg.gov.br Prêmio Marcantonio Vilaça anuncia os vencedores da 6ª edição http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12922&ncid=1000&pg=0 A 6ª edição do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas (2017/2018) anunciou na noite de abertura da mostra (10/08/17) o nome de seus cinco vencedores no Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia (MuBE), em São Paulo. Os artistas premiados foram Daniel Lannes (RJ), Fernando Lindote (SC), Jaime Lauriano (SP), Pedro Motta (MG) e Rochelle Costi (SP), enquanto o curador escolhido foi Josué Mattos (Criciúma, SC). Ana Avelar, de Curitiba, e Douglas de Freitas, de São Paulo, foram os outros dois curadores finalistas. Os vencedores receberão R$ 50 mil para criação de obras que vão percorrer quatro cidades do país, a partir de dezembro. O curador receberá R$25 mil. Os premiados ainda realizarão uma obra que fará parte da mostra itinerante do prêmio pelo Brasil e que fará parte do acervo do prêmio, além de acompanhamento de projetos ao longo do ano. A fase itinerante vai passar pelas cidades do Rio de Janeiro (Paço Imperial), Fortaleza (Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura), Goiânia (Centro Cultural UFG) e Porto Alegre (Santander Cultural). O corpo de jurados desta edição foi formado por Anna Bella Geiger, Marcus Lontra, Paulo Herkenhoff, Ricardo Resende e Wagner Barja. O museu exibe a mostra dos 20 artistas finalistas ao prêmio, e fica em cartaz até 01/10/17. Participam Alice Miceli (RJ), Bruno Vilela (PE), Camila Soato (DF), Dalton Paula (GO), Daniel Lannes (RJ), Éder Oliveira (PA), Edith Derdyk (SP), Fernando Lindote (SC), Jaime Lauriano (SP), João Angelini (DF), João Loureiro (SP), Marcelo Moscheta (SP), Mariana Manhães (RJ), Pablo Lobato (MG), Pedro Motta (MG), Rochelle Costi (SP), Rodrigo Sassi (SP), Suzana Queiroga (RJ), Thiago Martins de Mello (MA) e Tony Camargo (PR). Os 20 finalistas foram escolhidos pela Comissão de Seleção, formada pelo curador do prêmio, Marcus Lontra; pelos críticos Cauê Alves (São Paulo-SP), Jailton Moreira (Porto Alegre-RS), Marcelo Campos (Rio de Janeiro-RJ), Moacir dos Anjos (Recife-PE), além dos vencedores de edições anteriores: o curador vencedor do 5º Prêmio Marcantonio Vilaça, Divino Sobral (Goiânia, GO) e a artista vencedora do 2º Prêmio Marcantonio Vilaça, Lucia Laguna. Dentro do projeto Arte e Indústria, o MuBE também vai receber a exposição “A Intenção e o Gesto”, com curadoria de Marcus Lontra, que reúne trabalhos de Sérvulo Esmeraldo e de mais 10 artistas contemporâneos que dialogam com a sua obra: Almandrade, Ana Maria Tavares, Angelo Venosa, Arthur Lescher, Delson Uchôa, Hildebrando de Castro, Guto Lacaz, Iran do Espírito Santo, Jaildo Marinho, Raul Córdula, Paulo Pereira. | MUBE - Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia Jardim Europa: av. Europa, 218, tel. (11) 2594-2601. São Paulo - SP. www.mube.art.br Encontro de Arquitetura e Design ocorre paralelo a ArtRio http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=12914&ncid=1000&pg=0 O EARQ - Encontro de Arquitetura e Design, em parceria com a ArtRio, ocorre entre 15 e 16/09/17 com ações na Marina da Glória e no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Entre as presenças confirmadas estão Arthur Casas, Thiago Bernardes, Ruy Othake, Miguel Pinto Guimarães, Sergio Conde Caldas, Carlos Motta e Zanini de Zanine. Realizado desde 2010, o EARQ reúne profissionais de arquitetura, design de interiores e de ambientes, paisagistas, decoradores, engenheiros, fornecedores do segmento e estudantes dessas áreas, para encontros de discussões sobre o tema. | Mais informações: Marina da Glória Glória: av. Infante Dom Henrique s/n, tel.: (21) 2555-2200. Rio de Janeiro - RJ. - Museu do Amanhã Centro: pça. Mauá, 1. Rio de Janeiro - RJ. www.earqoficial.com.br Semana da Arte tem êxito e terá nova edição em São Paulo http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2351&pg=0&ncid=1 Galerias vendem bem na feira que acabou ontem e se descolou da crise. Artigo de Antonio Gonçalves Filho originalmente publicado no jornal "O Estado de S.Paulo" em 21/08/17. Semana de Arte - Os dois lados da moeda http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2350&pg=0&ncid=1 Semana de Arte chama a atenção pela cuidadosa curadoria e qualidade dos trabalhos expostos, mas também pelo seu formato elitista. Artigo de Luana Luana para o portal da revista de arte "Select" (http://www.select.art.br) Ministro da Cultura e presidente da Funarte anunciam investimentos na Fundação http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2349&pg=0&ncid=1 Entre as iniciativas estão o pagamento dos editais com pagamentos atrasados, o lançamento de editais de ocupação dos espaços cênicos da Funarte em 2017 e 2018. Cindy Sherman torna pública sua conta do Instagram http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2347&pg=0&ncid=1 A artista criou discretamente uma conta pública, levantando a questão: seus posts podem ser considerados novos trabalhos? Fazenda nega isenção fiscal à feira Semana de Arte http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2346&pg=0&ncid=1 As obras que poderiam ter descontos de 40% só poderão ser vendidas pelo preço normal, motivando a saída da galeria Sprovieri, de Londres, do evento. Kobra inaugura murais gigantes na Itália e na França http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2345&pg=0&ncid=1 As obras em Carrara são inspiradas em Davi, de Michelângelo, e na França, em Monet. Ame ou odeie os tesouros de Damien Hirst http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2344&pg=0&ncid=1 Polêmicas ao redor da exposição “Treasures from the Wreck of the Unbelievable”, de Hirst, na Punta della Dogana e Palazzo Grassi, em Veneza. Sotheby’s divulga resultados e aumento da confiança na recuperação do mercado http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2343&pg=0&ncid=1 Em meio à incerteza sobre o que significa uma presidência de Trump para o mercado de arte, as compras americanas cresceram 26% em relação ao ano anterior, que incluem obras de arte vendidas em leilão, de estoque e em transações privadas. Museu de Boston terá que vender US$ 50 milhões em obras para pagar contas http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2342&pg=0&ncid=1 Entre as obras a serem desacreditadas incluem peças de Norman Rockwell, Alexander Calder, Francis Picabia e outros nomes importantes dos séculos 19 e 20, que serão leiloadas pela Sotheby’s. A arte romana erótica que escandalizou os reis da Europa http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2341&pg=0&ncid=1 “À medida que as escavadeiras cavavam mais fundo, surgiram uma torrente de relíquias cada vez mais libidinosas: afrescos e mosaicos de fornicação entre espécies, sátiros de terracota, aniquilados por seus próprios membros gigantes e – em um caso – um conjunto de carrilhões de bronze que representam um gladiador em guerra com Seu próprio falo em forma de pantera”. Obra roubada de Willem de Kooning há 30 anos retorna para casa http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=182&ncid=1000&pg=0 É um bom dia para o Museu da Universidade de Arte do Arizona. A instituição celebra o retorno da pintura “Woman-Ochre” (1954–1955) de Willem de Kooning, que foi roubada um dia após o Dia de Ação de Graças de 1985, quase 32 anos atrás. Em 11/08/17, a universidade anunciou que a pintura tinha sido achada e devolvida pelo Antiquário Manzanita Ridge em Silver City, no estado de Novo México. Testes preliminares feitos pela restauradora do museu, Nancy Odegaard, descobriram a obra como autêntica. “Sempre estive otimista que um dia nós encontrássemos a pintura, isto é muito difícil descrever a emoção dela voltar pra casa”, disse Brian Seastone, o chefe do Departamento de Polícia da Universidade do Arizona e o investigador principal do caso. “Existe essa sensação de alívio e felicidade. Existe a sensação de calma. Ela voltou, está em casa, está onde ela deveria estar. Nós sabemos que a arte vale muito dinheiro, mas a história por trás disso não tem preço”. A pintura é um das seis obras da icônica série “Woman”. A outra obra, “Woman I (1950–1952), pertence ao Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). O empresário bilionário Steven A. Cohen é dono da última obra em mãos privadas; ele possui a “Woman II (1952)” pelo valor de US$ 137.5 milhões do magnata da música David Geffen em novembro 2006. Em 2015, em um artigo do 30º ano de aniversário do roubo o jornal “UANews” especulou que a obra roubada poderia valer cerca de US$ 160 milhões. Anteriormente naquele ano, Geffen vendou outro de seus de Kooning, “Interchange” (1995), por US$ 300 milhões em um leilão privado, quebrando recorde da obra de arte mais cara do mundo. Os valores do artista em leilão são bem menores, de acordo com a Database de Preço do artnet, chegando ao máximo aos US$ 66.3 milhões em 2016. O roubo da pintura Woman-Ochre ocorreu na manhã de 29/11/1985, após um homem e uma mulher seguir um funcionário do museu. A mulher distraiu o guarda enquanto seu cúmplice, com óculos de bigode, ele tirou a tela da moldura e fugiu com a obra. O roubo durou 15 minutos. “Os ladrões de fato cometeram dois crimes aquele dia”, disse Kimberly Andrews Espy, o vice-presidente da Universsidade do Arizona, em depoimento do caso. “Primeiro eles roubaram uma importante pintura da coleção do museu da universidade. Eles roubaram também 30 anos de acesso ao público e dos estudantes do mundo inteiro, tirando a oportunidade deles de apreciá-la, de aprender com ela, e de serem inspirados por um importante artista”. Na época, a pintura valia US$ 600 mil. Sua localização durante essas três décadas após o roubo era desconhecida. Essa história volta à tona somente depois da aquisição de um imóvel sem nome pelos donos do Antiquário Manzanita, David Van Auker, Buck Burns, and Rick Johnson. “Nós não pagamos nem próximo de US$ 160 milhões por isso”, fala Buck Burns para o artnet, chamando a descoberta da pintura dentro da mansão como “feliz coincidência”. Van Auker colocou a pintura na vitrine de sua loja, onde muitos clientes comentaram que a obra parecia ser do de Kooning. Depois de pesquisar o artista, ele percebeu que sua última aquisição para o acervo da loja era na verdade uma obra perdida da Universidade de Arte. “No minuto que descobrimos, ligamos para o museu”, disse Buck. “Nós estamos felizes, felizes, felizes que a pintura está de volta em casa”. Decorrente a descoberta da pintura, Odegaard comparou a canvas com as pontas deixadas na moldura após roubo. As marcas de corte alinharam perfeitamente, provando de fato que era a mesma obra. Em depoimento, o presidente da Universidade do Arizona, Robert C. Robbins, agradeceu e tratou a equipe de Mazanita como heróis, completando que era um ótimo dia para a Universidade do Arizona e ótimas notícias para o mundo da arte e pessoas que se importam com a arte pública”. | Matéria traduzida do site artnet (www.artnet.com), em 11/08/17. Bilionário espanhol é condenado a prisão por tentar contrabandear Picasso http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=181&ncid=1000&pg=0 No caso judicial em curso contra o bilionário espanhol Jaime Botín, acusado de contrabandear um Picasso fora da Espanha, o promotor solicitou uma pena de prisão de quatro anos e uma multa de 100 milhões de euros contra o herdeiro e colecionador, membro da família do banco mais bem sucedido da Espanha. Botín é dono de uma pintura de Pablo Picasso, “Cabeça de uma jovem mulher” (1906), que foi apreendida pelas autoridades francesas no verão de 2015 a partir de um iate ancorado na Córsega e registrada em uma empresa da qual Botín é o principal acionista . A pintura avaliada em de 26 milhões de euros foi declarada um tesouro cultural pelo Tribunal Nacional espanhol em maio de 2015 e foi recusada uma licença de exportação antes da apreensão. Em agosto de 2015, a pintura apreendida foi transportada para o Museu Reina Sofía em Madri, onde permanecerá até a conclusão da investigação. No entanto, poderia permanecer no museu ainda mais: além da pena de prisão e da multa pesada. O jornal El País informa que o promotor solicita que a propriedade do trabalho seja transferida para o estado, invocando o artigo 29 da Lei do Patrimônio Espanhol. De acordo com a lei , “qualquer imóvel ou móvel pertencente ao Patrimônio Histórico Espanhol que é exportado sem a autorização requerida pertence ao Estado. É inalienável e não pode caducar”. O artigo também estabelece que “qualquer propriedade recuperada e não atribuída deve ser alocada a um centro público”. (Museu Reina Sofía é um museu público). O promotor rejeitou todas as reivindicações apresentadas pela defesa de Botín no processo judicial em curso. O último argumento dos representantes legais de Botín é que nem o banqueiro nem seus conselheiros pensaram que a navegação no Mediterrâneo nas águas da União Européia poderia violar a proibição de exportação ou poderia constituir o contrabando e que o trabalho nunca deixou seu cenário privado. O caso remete a dezembro de 2012, quando um pedido de permissão para exportar a pintura fora da Espanha foi apresentado pela Christie’s Iberica em nome da empresa Euroshipping Charter Company Ltd., ligada a Jaime Botín. O destino inicial era Londres, mas José Ignacio Wert, então ministro da educação, cultura e esportes, recusou-se a permitir que a pintura deixasse a Espanha. Botín adquiriu a pintura em 1977 e Picasso pintou a obra de arte quando tinha 24 anos. Seu valor contempla o fato de que é um dos poucos exemplos do período de Gósol de Picasso, considerado chave na sua evolução cubista subseqüente. | Matéria originalmente publicada no site ArtNet, em 26/07/17. Polícia espanhola recupera três obras de Francis Bacon roubadas em Madri http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=180&ncid=1000&pg=0 A polícia espanhola informou nesta quarta-feira (19) ter recuperado três das cinco obras do artista Francis Bacon roubadas em uma casa de Madri em 2015. As cinco pinturas, avaliadas em conjunto em 25 milhões de euros, foram roubadas em julho de 2015 de uma casa da capital espanhola junto com outros objetos de valor quando o proprietário estava ausente. Três pessoas foram presas em janeiro em conexão com o caso, depois que a polícia realizou buscas em casas na região de Madri e apreendeu armas, manuais para decifrar cofres e equipamentos usados para cortar metal. A polícia não forneceu mais detalhes sobre as obras recuperadas. | Matéria publicada originalmente no jornal "Folha de São paulo", em 19/07/17. Pintura de Guercino roubada e encontrada em Marrocos volta à Itália http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=178&ncid=1000&pg=0 Uma obra-prima de €6 milhões roubada da Itália em 2014 e descoberta em Marrocos foi devolvida às autoridades italianas. A pintura do século XVII de Giovanni Francesco Barbieri, conhecido pelo mundo da arte como Guercino, foi roubada da Igreja de São Vicente de Modena, no norte da Itália, em agosto de 2014. O trabalho, chamado “The Virgin, Saint John the Evangelist and Gregory the Miracle Worker” e avaliado em até € 6 milhões (USD $ 6,9 milhões), foi encontrado em um mercado no distrito El Hassini de Casablanca, em Marrocos, em fevereiro deste ano. As autoridades marroquinas que trabalham com a Interpol localizaram o trabalho de Guercino e prenderam pelo menos três pessoas que acreditavam estar trabalhando com uma rede criminosa organizada que trata do tráfico de antiguidades, disse a Direção-Geral de Segurança Nacional (DGSN) do país no momento das prisões de 15 de fevereiro. A mídia marroquina diz que as autoridades foram alertadas por um entusiasta de arte que reconheceu a pintura e contatou a polícia. Uma quarta pessoa, de nacionalidade marroquina, foi presa na Itália. Fontes em Bolonha disseram que Tahir Mustapha morava perto da igreja com sua família italiana e enviou a obra-prima em um tapete enrolado. A pintura foi danificada durante o roubo e precisa de uma grande restauração. A pintura de Guercino, em italiano traduzida como "The Squinter", porque ele aparentemente sofria de estrabismo, foi feita em 1639; ele também completou uma série de trabalhos feitos a clientes estrangeiros ricos antes de sua morte em 1666. A pintura retrata a história tradicional de São Gregório, um bispo do terceiro século que viveu onde hoje é a Turquia, e que viu os outros dois personagens em uma visão. A obra foi devolvida ao embaixador italiano em Marrocos, Roberto Natali, pela polícia em Casablanca e espera-se que volte para Modena. | Matéria publicada originalmente no portal Africa Times (www.africatimes.com), em 16/07/17. Lava Jato confirma autenticidade de obra aprendida com ex-diretor da Petrobrás http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=177&ncid=1000&pg=0 O artista Fernando Lucchesi não teve dúvidas ao ver a pintura que retrata um enorme vaso de flores, apreendida pela Lava Jato: "Esse quadro é meu", afirmou. Ao que o chefe da perícia da Polícia Federal em Curitiba, Fábio Salvador, respondeu: "Não acredito". A investigação queria demonstrar, com dados objetivos, que o quadro apreendido na casa do ex-diretor da Petrobras Renato Duque era, de fato, do pintor mineiro. Duque é suspeito de usar obras de arte para lavar dinheiro de propina obtida na estatal: a PF apreendeu 132 peças em sua casa. Demorou quase um ano, mas a equipe de peritos concluiu um laudo que promete ser um marco para a investigação de lavagem de dinheiro no Brasil: ele atesta a autenticidade do quadro "Para Guignard" – que, afinal, era mesmo de Lucchesi. Com o uso de cinco técnicas diferentes, o trabalho estabelece um parâmetro para avaliar com segurança a autoria e o valor de uma obra de arte, e então estimar o montante e as condições da lavagem de dinheiro. Assim, confere precisão à imputação do crime. Por exemplo: o quadro era verdadeiro ou falso? O dono sabia disso? Ele pagou mais ou menos do que a tela valia? "Essa precisão nos dá mais segurança para pedir reparação de danos e decretar o perdimento desses bens", avalia o procurador da República Diogo Castor de Mattos, integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato. "É um laudo que foge do achismo", resume Salvador, que coordenou o trabalho. A Folha teve acesso ao laudo, anexado ao inquérito policial contra Duque no mês passado. Os peritos da PF começaram a análise com a grafoscopia, que conferiu a assinatura do artista. Em seguida, com a ajuda de pesquisadores da UFPR (Universidade Federal do Paraná), fizeram um exame chamado microscopia Raman, que checou os espectros das tintas utilizadas na tela (uma espécie de "digital" da física), somado à microscopia eletrônica, que realiza uma análise química dos materiais. A perícia ainda tirou uma fotografia rasante, que avaliou o processo criativo do pintor, conferindo o tipo de pinceladas; e outra com luz ultravioleta, que eliminou a presença de adulterações na tela. A PF levou o pintor ao Museu Oscar Niemeyer, que tem a guarda da obra, para atestar sua autenticidade. Lucchesi emprestou até um pincel aos peritos, que o compararam com as tintas utilizadas no quadro. "Eu preciso de provas, de dados objetivos", comenta Salvador. "Desconfio de todo mundo. O trabalho da ciência é convencer os outros", declarou. Três universidades foram parceiras do trabalho e cederam equipamentos e expertise à perícia: a USP, a UFPR e a UFMG. REPERCUSSÃO O laudo não foi concluído a tempo de alterar as imputações contra Duque, que já é réu sob acusação de lavagem de dinheiro. Mas deve estabelecer um protocolo para laudos futuros –há cerca de 30 em andamento na Operação Lava Jato e centenas de obras apreendidas. "É uma das formas mais tradicionais de se lavar dinheiro, porque a obra de arte não desvaloriza. Pelo contrário, o valor multiplica", comenta a museóloga Patricia Moura, que atuou como laudista na apreensão dos quadros de Duque. "É uma bela poupança que pode ser guardada em qualquer lugar, e invisível aos olhos da maioria." Outras técnicas também estão sendo testadas: num quadro do artista Sergio Telles, por exemplo, que viveu no Líbano, a PF pretende analisar os fungos no fundo da tela, para avaliar se eles são típicos daquela região. A equipe ainda prepara as malas para avaliar o acervo de Márcio Lobão, filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA), que teve 1.200 obras apreendidas no Rio de Janeiro. A metodologia pode ter consequências no mercado de arte brasileiro, ao detectar falsificações em galerias, leilões e museus. "Isso denigre o mercado, os espaços de exposição", diz Moura. "É de interesse de todos. Serve para dizer: você não está comprando gato por lebre. E quem ganha, no fim, é o público." O objetivo dos peritos é lançar um "laboratório de obras de arte" na PF, para que os laudos saiam "igual pão quentinho", diz Salvador. O plano, porém, carece de investimento: apenas um dos equipamentos custa R$ 1,5 milhão. Preso há dois anos, Duque, que tenta firmar um acordo de delação, admitiu em depoimento recente que parte dos quadros foi comprada com dinheiro ilícito, mas diz que colecionava por gosto. "Obra de arte não é para ficar fazendo negócio; não é para quem não entende do assunto", afirmou. | Matéria de Estelita Hass Carazzai, de Curitiba, para o jornal “Folha de São Paulo”, em 20/06/17. Casa das Artes Galeria sofre golpe de estelionatário http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=176&ncid=1000&pg=0 A Casa das Artes galeria, em São Paulo, sofreu golpe de um casal estelionatário no dia 27/03/17. Eles compraram uma escultura de um cavalo em bronze (24 x 44 x 22cm), de autoria do artista do espanhol Luis Fernandez Morterero, no valor de R$ 7.480,00. O pagamento foi feito com cheques do banco Santander, cuja conta foi encerrada. Os cheques estão em do nome de Alessandra Metolina. Os dados são válidos, mas a assinatura é divergente. Quem tiver informações sobre o paradeiro da obra, favor entrar em contato com Marta Veloso, no telefone: (11) 3661-9595. Sobre o casal: Homem alto, branco, magro, aparentes 55/65 anos, barba à fazer, cabelos cacheados grisalhos, usava óculos. Apresentou-se como Paulo José e disse que filha ou a irmã viria buscar a obra. Mulher, baixa, pele bronzeada, magra, cabelo chanel de franja com mechas loiras, olhos escuros arredondados, aparenta ter 45/50 anos. Apresentou-se como Alessandra. | Mais informações: Casa das Artes Higienópolis: r. Bahia, 871, tel.(11) 3661-9595. www.casadasartes.com.br/ MAC recebe aula sobre Lavagem de Dinheiro e Obras de Artes http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=175&ncid=1000&pg=0 O Programa de Pós Graduação Interunidades em Estética e História da Arte (PGEHA USP) convida em 08/03/17, às 14h, para a aula inaugural “A Lavagem de Dinheiro e as Obras de Artes”, com o Desembargador Federal Fausto Martin de Sanctis, no Auditório do MAC. O desembargador é autor de vários livros sobre lavagem de dinheiro e é pioneiro nas práticas atuais de justiça de destinam recursos obtidos em delações a entidades filantrópicas, como indenização à sociedade pelos crimes cometidos, além de doações de obras de artes a entidades culturais. Nesta palestra Fausto discute o tema do seu livro “A Lavagem de Dinheiro por meio de Obras de Arte: uma perceptiva Judicial Criminal. Organização da Dra. Cristina Freire. | Mais informações: Auditório do Museu de Arte Contemporânea MAC-USP Parque do Ibirapuera: av. Pedro Álvares Cabral, 1.301, antigo prédio do Detran, tel. (11) 2648-0254. www.mac.usp.br Itália recupera 14 pinturas roubadas da coleção de Mafiosos condenados http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=174&ncid=1000&pg=0 O blog ARCA relatou que a polícia italiana recuperou quatorze pinturas de apartamentos ao sul da Itália. Após um mandado de busca, as autoridades descobriram uma pintura de Jesus curando um cego em uma casa na província de Reggio Calabria. A pintura, roubada em 2001 em Randozzo, na Sicília, foi confirmada na base de dados de bens culturais roubados do país, conduzindo a operação a outro apartamento em Messina, Sicília, onde foram recuperadas mais treze pinturas, incluindo uma de Salvador Dalí e outras cridas por nomes como Renato Guttuso, Giuliana Cappello e Mario Pinizzotto. Acredita-se que essas catorze obras tenham sido parte da coleção privada de , um empresário vinculado às organizações criminosas "Ndrangheta e Camorra". O proprietário da propriedade onde as pinturas foram descobertas é suspeito de ter sido potencialmente um ex-funcionário de Campolo e foi acusado de receber bens roubados. Campolo foi sentenciado a dezesseis anos de prisão domiciliar em 2011 por manter máquinas de caça niqueis. Seus bens, incluindo uma coleção de arte e dinheiro em vinte e sete contas bancárias, foram espalhados, segundo notícias, em propriedades em Paris, Roma, Milão e sua cidade natal de Reggio Calabria. O governo italiano já apreendeu 125 obras de arte da coleção de Campolo em 2013, embora vinte e dois eram aparentemente falsificações e apenas oitenta e cinco são originais comprovados. Eles se tornaram propriedade do governo. Estas peças, incluindo obras de Giorgio de Chirico e Lucio Fontana, estão agora permanentemente expostas no Palácio da Cultura em Reggio Calabria. | Texto publicado no site da revista ArtForum | 13/02/17 Polícia de São Paulo busca por 23 obras desaparecidas no Jardim Europa http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=173&ncid=1000&pg=0 A 15ª Delegacia de Policia do Itaim Bibi, em São Paulo, busca, desde julho de 2016, por uma série de obras desaparecidas de uma residência na Rua Groenlândia, no Jardim Europa. A vítima foi o empresário Antonio Augusto Amaral de Carvalho Filho, oTutinha, sócio do Grupo Jovem Pan e criador do programa Pânico, da Rede TV. Ele alega que a advogada e joalheira Flávia Eluf, sua ex- mulher, tenha desaparecido com as obras. Ao todo desaparecem 43 trabalhos, alguns foram encontrados como a obra “Piano”, de Leonilson. Mas ainda encontram-se desaparecidas outras 23, de artistas como Geraldo de Barros, Antonio Dias, Di Cavalcanti, OsGemeos, Frans Krajcberg, Jesus Soto, Richard Serra, Michelangelo Pistoletto, Leonilson, Julio le Parc e Sergio Camargo, entre outros. Segundo pessoas que conhecem a coleção, o patrimônio, de paradeiro desconhecido, soma mais de 5 milhões de reais. Foi uma história de amor sem final feliz. Em novembro de 2015, o empresário deixou o endereço. No local, ficaram morando a ex e as duas filhas nascidas durante o matrimônio. Com o rompimento, iniciou-se uma sucessão de brigas judiciais e acusações. O caso estava sendo mantido longe dos holofotes até ele resolver publicar as acusações no Facebook, em julho de 2016. De acordo com Tutinha, foi por precaução, depois que uma amiga o alertou de que a ex estaria tentando vender no mercado uma escultura de Sérgio Camargo de sua coleção. Assim, o post no Facebook teria o objetivo de avisar galeristas e compradores sobre a procedência do acervo. Qualquer informação sobre as mesmas deve ser comunicado pelo telefone (11) 99996-6122. A comercialização das referidas obras é considerada crime. Ladrão de pintura de Klimt em 1997 diz que obra deve reaparecer em breve http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=172&ncid=1000&pg=0 Um roubo de obra de arte sem solução, ocorrido há quase duas décadas, pode ter um final feliz à vista, relata a “BBC”. O caso envolve “The Lady”, do austríaco Gustav Klimt (1862-1918), da coleção da galeria Ricci-Oddi, em Piacenza, na Itália. A pintura foi roubada em fevereiro de 1997. A moldura dourada dela foi abandonada no telhado da instituição. À época, “The Lady” havia há pouco adquirido um novo significado dentro da obra de Klimt. A estudante de arte Claudia Maga, de apenas 18 anos, estava estudando a obra completa de Klimt quando notou que “The Lady”, representando uma jovem mulher olhando por cima do ombro esquerdo, apresentava a mesma pose de “Portrait of a Young Lady”, obra não vista desde 1912. Claudia teve a brilhante idéia de sobrepor as pinturas e descobriu que elas combinavam perfeitamente. Os raios-X confirmaram que “The Lady” estava sobreposta a “Portrait of a Young Lady”. Seria, então, o único retrato duplo pintado por Klimt. Possivelmente, o retrato era de um amor de Klint (morta), depois repintado. A galeria, que passaria por reforma, resolveu promover uma mostra em torno da sensacional descoberta, em outro espaço na cidade. Havia a suposição de que a obra havia sido embalada antes do roubo. Em abril daquele ano, a polícia de fronteira interceptou um pacote contendo o que parecia ser a pintura, mas era uma falsificação recém- concluída. O caso foi então encerrado, pouco depois. Mas agora há novidades. Um ladrão local confessou o roubo. "Roubei a pintura meses antes de perceberem o ocorrido", disse ele à “BBC”, explicando que havia trocado o original de Klimt por uma cópia sem valor. Para isso, teve ajuda de um funcionário da galeria. “Ninguém percebeu. Foi um roubo bem planejado”. Receoso de que especialistas em Klint logo percebessem que a obra “deixada” não era a original, o ladrão planejou um segundo roubo, da obra falsa. A original foi vendida por ele, rapidamente, em troca de dinheiro e cocaína. Agora, ele acredita que ela deve ser devolvida em breve, às vésperas do aniversário de 20 anos do roubo. A polícia italiana também está confiante e promove investigações sobre uma coleção particular européia. | Texto de Sarah Cascone originalmente publicado, em inglês, no site “Artnet” (artnet.com) | 09/12/16. 4ª Edição Novas Poéticas (BA e RJ) 2017 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=583&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 29/07/17. Seleção Exposições Solo Sagrado de Guarapiranga - 2017| 2018 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=582&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 30/09/17. A Nova Arte Política – Fundação Lauro Campos (FLC) | 2017 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=581&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 04/06/17 Coletiva AIREZ 2017 – Curitiba (PR) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=580&pg=0&ncid=1 Galeria Airez, em Curitiba, recebe inscrições até 18/06/17 de artistas interessados em expor seus trabalhos na coletiva Metanóia. Museu Oscar Niemeyer | propostas de exposições http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=579&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 28/04/17. Museu da Diversidade Sexual (MDS) | MAAP (SP) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=578&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 12/05/17 para a seleção de propostas e integrar a exposição fotográfica coletiva “Cotidiano Plural”. Edital de Ampliação de Portfolio| Eikones Escritório de Arte | Santos (SP) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=577&pg=0&ncid=1 O escritório de arte seleciona artistas para representação. 2º Programa de Seleção da Piccola Galleria | Casa Fiat | Belo Horizonte (MG) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=576&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas entre 03/04 e 03/05/17. Estranhando o Real - Realizando o Estranho | Casa da Xiclet - São Paulo (SP) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=575&pg=0&ncid=1 Edital seleciona obras e projetos de arquitetura radical para exposição. Programa Oi de Patrocínios Culturais - 2017 / 2018 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=574&pg=1&ncid=1 São dois editais: Nacional de Projetos Culturais, para produções artísticas de todo o Brasil; e Seleção dos Centros Culturais, para ocupação dos espaços Oi Futuro Ipanema e Flamengo, no Rio de Janeiro. Inscrições até 10/02/17.