Mapa Das Artes http://www.mapadasartes.com.br Mapa Das Artes - O portal de arte brasileiro pt-br Mapa Das Artes http://www.mapadasartes.com.br/img/cid1.gif http://www.mapadasartes.com.br 217 33 Circuito 10 Contemporâneo ocorre em galeria de Belo Horizonte http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13168&ncid=1000&pg=0 A 3ª edição do Circuito 10 Contemporâneo ocorre em 03/03, 11h às 18h, e traz aberturas simultâneas em 10 galerias de arte em de Belo Horizonte. O objetivo da iniciativa é criar uma agenda comum que abre as portas para formar novos públicos, fortalecer o mercado da arte e ampliar o debate sobre o momento em que vivemos. Participam exposições inéditas, entre individuais e coletivas, nas galerias que compõem o grupo: AM Galeria, Beatriz Abi-Acl, Celma Albuquerque, dotART, Lemos de Sá, Manoel Macedo, Murilo Castro, Orlando Lemos, Quadrum e Studio Cícero Mafra. Segundo o galerista Murilo Castro, ao longo dos últimos anos, a arte contemporânea brasileira vem ganhando mais visibilidade no país e no mundo, não só em função do amadurecimento do mercado e da produção artística, mas também do trabalho consistente dos espaços dedicados à arte. Mesmo com abertura nesse dias, as exposições continuarão em cartaz após essa data. Serão mostras com diferentes conceitos e propostas, mas todas em torno de um objetivo comum: tornar a arte mais próxima das pessoas. | Confira a sparticipantes | AM Galeria Serra: r. do Ouro, 136. Telefone: (31) 3223-4209 Site: http://www.amgaleria.com.br/ Funcionamento: Segunda a Sexta das 10h às 19h. Sábados das 10h às 14h. Beatriz Abi-Acl Lourdes: r. Santa Catarina, 1155, Telefone: (31) 3291-2101 www.galeriabeatrizabiacl.com.br Segunda a sexta das 9h às 18h.Sábados das 9h às 13h. Celma Albuquerque Lourdes: r. Antônio de Albuquerque, 885. Telefone: 3227-6494 www.galeriaca.com Segunda a Sexta das 09h às 19h. Sábado das 9h30 às 13h. dotART Funcionários: r. Bernardo Guimarães 911, salas 8 e 18. Telefone: (31) 3261-3910 www.dotart.com.br Segunda a sexta, das 9h às 19h. Sábado, das 9h às 13h. Lemos de Sá Jardim Canada: Av. Canadá, 147. Telefone: (31) 3261-3993 www.lemosdesagaleria.com.br Segunda a Sexta das 10h às 18h. Sábado das 11h às 14h. Manoel Macedo Carlos Prates: r. Lima Duarte, 158. Telefone: (31) 3411-1012 www.manoelmacedo.com.br Segunda a Sexta das 10h às 19h. Sábado das 10h às 14h. Murilo Castro Santo Antônio: r. Benvinda de Carvalho, 60. Telefone: (31) 3287-0110 www.murilocastro.com.br Segunda a Sexta das 10h às 19h. Sábados das 10h às 14h. Orlando Lemos Jardim Canadá: r. Melita, 95. Telefone: (31) 3224-5634 | (31) 3581-2025 www.orlandolemosgaleria.com.br Segunda a Sexta das 09h às 19h. Sábado das 10h às 14h. Quadrum Cidade Jardim: Av. Prudente de Morais, 78. Telefone: (31) 3296-4866 www.quadrumgaleria.com.br Segunda a Sexta das 12h às 19h. Studio Cícero Mafra Alto Santa Lúcia: r. Xingu, 487 www.studiociceromafra.com Segunda a Sexta das 09h às 18h. | www.10contemporaneo.com.br Japan House São Paulo realiza workshops com a designer Risa Kojo http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13167&ncid=1&pg=0 A Japan House São Paulo realiza entre 24 e 25/02/18, palestras, workshops e uma exposição exclusiva com a designer gráfica japonesa Risa Kojo. Em parceria com o Consulado-Geral do Japão em São Paulo, a série de atividades tem a finalidade de ressaltar o contemporâneo mesmo com vivências no design nipônico tradicional. A exposição traz 11 peças únicas, que incluem o universo do quimono, de suas estampas e de moldes usados para seu tingimento; algumas apresentações do kiri-ê, uma espécie de recorte extremamente sofisticado feito no papel; e exemplares de Noren, um tipo de cortina muito presente na entrada dos estabelecimentos japoneses. A mostra conta ainda com painéis explicativos sobre métodos milenares de tingimento usando moldes como ferramenta, entre elas, a "katazome", uma técnica feita com o papel washi, uma das poucas que ainda se mantém viva no mundo. As senhas serão distribuídas uma hora antes de cada sessão e devem ser retiradas na recepção. 24/02, às 14h - Palestra "A singularidade do tradicional design concebida pelas quatro estações do Japão e a forma como os trabalhos manuais dos artesãos são projetadas ao futuro", com Risa Kojo 24/02, às 16h, e 25/02, às 11h e às 15h - Workshop de Kiri-ê, com Risa Kojo. I Japan House São Paulo Cerqueira Cesar: av. Paulista, 52 (1º Andar). Casa Benet Domingo recebe inscrições para residência artística http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13166&ncid=1000&pg=0 A Casa Benet Domingo recebe inscrições a partir de 25/02 para o projeto Residência Artística 2018, voltada para estudantes de artes, artistas e criadores de todas as vertentes artísticas que buscam um espaço de imersão criativa, troca de ideias e novas experiências. Os interessados devem enviar um e-mail para residencia@casabenetdomingo.com, com o assunto “Residência Artística – candidatura”. A Casa Benet Domingo recebe artistas do Brasil e do mundo, funcionando como uma incubadora criativa e oferecendo estrutura e supervisão para a elaboração de diversas ações. Os selecionados contam com encontros individuais para suporte curatorial, oportunidade para propor e ministrar workshops, evento de ateliê aberto para apresentar pesquisas/projetos ao público, projeto de elaboração coletiva entre residentes, entre outros. Desde 2015, mais de 10 artistas e estudantes da Suécia, Uruguai e Brasil já passaram pela residência artística do local. # Mais informações Urca: av. São Sebastião, 135. Rio de Janeiro - RJ. www.casabenetdomingo.com Cinthia Marcelle, Lucas Simões e outros brasileiros no exterior http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13165&ncid=1000&pg=0 Marlon de Azambuja realiza a mostra individual “Campo” na Tasman Projects, em Madri, entre 21/2 e 15/3. Curadoria de Bruno Leitão. www.tasmanprojects.com. | A coletiva “Ação e Reação” na Casa do Brasil, a partir de 23/2, recebe obras de Rafael Assef, Nino Cais, Carla Chaim, Andre Komatsu, Victor Leguy, Ding Musa, Carlos Nunes, Sara Ramo, Marlon de Azambuja, Ángel Calvo Ulloa, Arnaldo Antunes, Lia Chaia, Cao Guimarães, Cinthia Marcelle, Lais Myrrha, Rivane Neuenschwander, Nuno Ramos, Nicolás Robbio, Beto Shwafaty, Marcia Xavier e outros. www.casadobrasil.es. | Cinthia Marcelle (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Working for the Future Past”, no Seoul Museum of Art, na Coréia do Sul, entre 12/12 e 4/3/18, e da mostra “Seventh Bi-City Biennale of Urbanism\Architecture: Cities, Grow in Difference”, em Shenzhen (Nantou Old Town), na China, entre 15/12 e 15/3/18. Junto com Tiago Mata Machado, Cinthia Marcelle participa da 5ª Biennale de Lubumbashi (“Rencontres Picha”), no Musée National de Lubumbashi, no Congo, entre 7/10 e 15/4/2018. | Afonso Tostes, Ana Prata, Felipe Cohen, Henrique Oliveira, Rodrigo Andrade, Tunga, André Komatsu, Saint Clair Cemin, Caio Reisewitz, Miguel Rio Branco e outros 11 artistas brasileiros, além de 21 artistas chineses, participam da mostra coletiva “Troposphere – Chinese and Brazilian Contemporary Art Exhibition”, dedicada à arte contemporânea do Brasil e China, em cartaz no Beijing Minsheng Art Museum, em Pequim, na China, até 3/3. | O Santander Cultural de Madri realiza entre 20/2 e 10/6 a mostra “Visones de la Tierra. El Mundo Planeado”, com obras da coleção de Luís Paulo Montenegro. A mostra contará com uma seleção de 218 obras de artistas brasileiros e estrangeiros, que evidenciam o gosto do colecionador pelo modernismo brasileiro, o concretismo nacional e internacional e a arte contemporânea. Dela fazem parte nomes como Nelson Leirner, Alfredo Volpi, Hélio Oiticica, Cildo Meireles, Cinthia Marcelle, Ernesto Neto, Lygia Clark, Lygia Pape e Miguel Rio Branco, além de estrangeiros, como Wifredo Lam, Alexander Calder, Andy Warhol, Jean Meeran e Willem de Kooning. Curadoria de Rodrigo Moura. | Adriano Costa participa da mostra coletiva “wetANDsomeOLDstuffVANDALIZEDbyTHEartist” no Kölnischer Kunstverein, em Colônia, na Alemanha, entre 17/2 e 25/3. | Francisco Klinger Carvalho e Cristina Barrosos realizam individuais na Galerie Hafemann, em Wiesbaden, na Alemanha, a partir de 16/2. | Juliana Cerqueira Leite (Casa Triângulo) participa em Nova York das mostras coletivas “Another Echo” no Sculpture Center (até 2/4) e “Eye to Eye”, no Arsenal Contemporary (até 25/2). | Lucas Simões (Casa Triângulo) participa da mostra coletiva “A Thousand Roaring Beasts: Display Devices for a Critical Modernity”, no Centro Andaluz de Arte Contemporaneo, em Sevilha, na Espanha, até 4/3. | Henrique Oliveira (Galeria Millan) realiza mostra individual no Museum of Fine Arts, em Gifu, no Japão, até 11.03. Também participa da mostra coletiva “Stage of Being” no Voorlinden Museum & Gardens, em Wassenaar, na Holanda, até 3/5. | Thiago Rocha Pitta (Galeria Millan) participa da mostra coletiva “Crash Test” no La Panacée – Montpellier Contemporain, na França, até 6/5. | Felipe Cohen (Galeria Millan) tem obras na coletiva “Borderline Relation”, no Eastwards Prospectus, em Bucareste, na Romênia, até 24/3. | Artur Barrio e Lenora de Barros (ambos da Galeria Millan) têm obras na coletiva “A Tale of Two Worlds. Experimental Latin American Art in Dialogue with the MMK Collection 1940s-1980s”, no Museum of Modern Art de Frankfurt, na Alemanha, até 2/4. | O pintor italo-brasileiro Alfredo Volpi (1896-1988) vai ganhar sua primeira mostra individual no exterior. “Alfredo Volpi - La Poétique de la Couleur” acontecerá entrre 9/2 e 20/5 no Nouveau Musée National de Mônaco, com curadoria de Cristiano Raimondi, e apoio do Instituto Alfredo Volpi de Arte Moderna e da Galeria Almeida e Dale. Apresentará um conjunto cerca de 70 obras do pintor. O curador Cristiano Raimondi é o Chefe de Desenvolvimento e Projetos Internacionais no Nouveau Musée National de Mônaco. | A fotógrafa carioca Rosângela Rennó (Galeria Vermelho) participa da mostra “The Matter of Photography in the Americas”, no Cantor Center for Visual Arts, em Stanford, no EUA, entre 7/2 e 30/4/18. | O artista alagoano-pernambucano Jonathas de Andrade (Galeria Vermelho) está na mostra coletiva “We Are Here: I Am You”, no Museum of Contemporary Art Chicago, nos EUA, entre 19/8 e 1/4/2018. A mostra faz parte das comemorações pelos 50 anos do Museu e dela também participa o artista carioca Ricardo Basbaum (Luciana Brito Galeria de Arte). Jonathas também está nas coletivas “La Vie Simple - Simplement La Vie”, na Fondation Vincent van Gogh Arles, na França, entre 7/10 e 2/4/2018; “Gaia in the Anthropocene”, no Stichting Garage Rotterdam, na Holanda, entre 8/2 e 31/3/18; e na mostra “Copy, Translate, Repeat: Contemporary Art from the Colección Patricia Phelps de Cisneros”, na 205 Hudson Gallery, no Hunter College Art Galleries, em Nova York, entre 8/2 e 1/4/18. | Marcius Galan, Fernanda Gomes, Jorge Macchi, Anna Maria Maiolino e Cildo Meireles, todos artistas da Galeria Luisa Strina, participam da mostra coletiva “Visiones de la Tierra - El Mundo Planeado - Coleção Luís Paulo Montenegro”, em cartaz na Sala de Arte Santander, em Madrid, entre 19/2 e 10/6/18. | Beto Shwafaty (Galeria Luisa Strina) participa da coletiva “Ação e Reação - Arte Contemporáneo Brasileño”, em cartaz na Casa do Brasil, em Madri, entre 23/2 e 22/4/18. | O grupo carioca Chelpa Ferro (Galeria Vermelho) participa da coletiva “Spacemen/Cavemen”, no espaço Marsèlleria, em Milão, na Itália, entre 18/1 e 2/3/18. | A fotógrafa Claudia Andujar (Galeria Vermelho) está na mostra “Hybrid Topographies”, na 60 Wall Gallery, em Nova York, entre 26/1 e 14/5/18. | A dupla Detanico Lain (Galeria Vermelho) realiza mostra no Musée de L’Abbaye Sainte-Croix, em Les Sables-d’Olonne, na França, entre 27/1 e 20/5/18. | Obras de Waldemar Cordeiro (Luciana Brito Galeria) participam da mostra “The Matter of Photography in the Americas”, em cartaz no Cantor Arts Center, em Stanford, nos EUA, entre 7/2 e 30/4/18. | Clarissa Tossin (Galeria Luisa Strina) realiza no Blanton Museum of Art, da Universidade do Texas, em Austin, a mostra individual “Encontro das Águas”, com curadoria de Beverly Adams. Fica em cartaz entre 13/2 e 1/7/18. A mostra trata do desenvolvimento da Amazônia e do impacto da industrialização na cultura dos diversos grupos indígenas da Amazônia. A artista também participa da mostra “Stream Capture”, com curadoria de Ben Moren, no College of Art and Design, em Minneapolis , nos EUA, entre 16/1 e 4/3. | Marcius Galan, Fernanda Gomes, Paulo Roberto Leal, Jac Leirner e Mira Schendel participam da mostra “Afinidades Eletivas” na galeria Esther Schipper, em Berlim, entre 2/2 e 3/3/18. | A filial em Bruxelas, na Bélgica, da galeria paulistana Mendes Wood DM inaugura em 19/1 as mostras individuais de Manuel Raeder e Patricia Leite. | Lucas Simões (Casa Triângulo) participa da mostra “A Thousand Roaring Beasts: Display Devices for a Critical Modernity”, no Centro Andaluz de Arte Contemporáneo, em Sevilha, na Espanha, até 4/3/18. | A dupla Detanico Lain (Galeria Vermelho) realiza mostra no Musée de l'Abbaye Sainte-Croix, em Les Sables-d'Olonne, na França, entre 28/1 e 20/5/18. | A artista Cybèle Varela realiza a mostra individual retrospectiva “Tropicalismo Remixed” no Stiftung Brasilea, na Basiléia (Suíça), entre 18/1 e 8/3/2018. “Cybèle Varela: Tropicalismo Remixed” apresenta uma seleção das mais emblemáticas pinturas da artista, objetos e vídeos, desde a década de 1960 até os dias de hoje. Além disso, analisa a contribuição de Cybèle Varela no panorama artístico, internacional e latino-americano, desde a Pop Art e a Arte Conceitual até a Figuração Narrativa e a Videoarte. | Organizada em parceria pelo MoMA e pelo Instituto de Artes de Chicago, a mostra individual retrospectiva Tarsila do Amaral é a primeira inteiramente dedicada à artista modernista paulista nos EUA. São apresentadas 120 peças, incluindo pinturas, desenhos e documentos históricos, que traçam um rico panorama de uma das mais importantes pintoras brasileiras da história. Em cartaz no MoMA de Nova York entre 11/2 e 3/6/18. | O fotógrafo Caio Reisewitz (Luciana Brito Galeria de Arte) participa da Eidos-Guangzhou Image Trienal, no GuangDong Museum of Art, em Guangzhou, na China, entre 15/12 e 8/3/2018. | Alexandre da Cunha (Galeria Luisa Strina) participa da mostra coletiva “Everyday Poetics” no Seattle Art Museum, no EUA, entre 18/11 e 17/6/2018. | Marcius Galan e Anna Maria Maiolino (Galeria Luisa Strina) participam da mostra coletiva “Art and Space”, uma curadoria de Manuel Cirauqui para o Guggenheim Bilbao, na Espanha. Em cartaz entre 5/12 e 5/4/2018. | Assume Vivid Astro Focus (Casa Triângulo) (alter ego de Eli Sudbrack) realiza a mostra individual “Abstracto Viajero Andinos Fetichizados” no Museu Mario Testino (MATE), em Lima, no peru, entre 27/10 e 1/4/18. | A mineira Marilá Dardot (Galeria Vermelho) participa da mostra “Tensão & Conflito. Arte em Vídeo Após 2008”, em cartaz no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, entre 13/9 e 13/3/2018. Dardot participa ainda da coletiva “Everyday Poetics” no Seattle Art Museum, em Seattle (EUA), entre 18/11 e 17/6/2018. | O paulistano Lucas Simões (Casa Triângulo) participa da mostra coletiva “A Thousand Roaring Beasts: Display Devices for a Critical Modernity”, no Centro Andaluz de Arte Contemporáneo, em Sevilha, na Espanha, até 4/3/2018. | Sandra Cinto (Casa Triângulo) realiza mostra individual no CAC (Contemporary Arts Center), em Cincinnati (EUA), entre 8/10 e 24/7/2018. | Rommulo Vieira da Conceição tem obras na mostra “Axé Bahia: The Power of Art in an Afro-Brazilian Metropolis”, com curadoria de Patrick A. Polk, no Fowler Museum da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (EUA), entre 24/9 e 15/4/2018. | A artista mineira Solange Pessoa ((Mendes Wood DM) participa do projeto “KölnSkulptur #9”, na cidade alemão de Köln, até 10/7/2019. | A artista carioca Anna Bella Geiger participa da mostra "Radical Women: Latin American Art, 1960-1985", no Hammer Museum, em Los Angeles. A mostra apresenta cerca de 260 obras (fotografias, vídeos, técnicas mistas e experimentações) produzidas por mais de cem artistas de 15 países. Entre as selecionadas estão ainda Iole de Freitas, Vera Chaves Barcellos, Neide Sá, Claudia Andujar, Carmela Gross, Martha Araújo, Regina Vater, Ana Vitória Mussi, Lygia Clark, Anna Bella Geiger, Leticia Parente, Regina Silveira, Anna Maria Maiolino, Lygia Pape, Ana Mendieta, Liliana Porter, Marta Minujín, Zilia Sánchez e Feliza Bursztyn, A mostra acontece no Brooklyn Museum, em Nova York, entre 13/4 e 29/7/2018. | Waldemar Cordeiro, (Luciana Brito Galeria de Arte) tem obras selecionadas na mostra “Thinking Machines: Art and Design in the Computer Age”, no MoMA de Nova York entre 13/11/2017 e 8/4/2018. Participam ainda John Cage, Lejaren Hiller, Stan VanDerBeek e Cedric Price, entre outros. | Geraldo de Barros (Luciana Brito Galeria de Arte) tem obras na mostra “A Tale of Two Worlds”, no Museum für Moderne Kunst, em Frankfurt, na Alemanha, entre 25/11 e 2/4/2018. | Artur Barrio (Galeria Millan) participa da mostra coletiva “A Tale of Two Worlds. Experimental Latin American Art in Dialogue with the MMK Collection 1940s-1980s”, no MMK - Museum of Modern Art, em Frankfurt, na Alemanha, entre 25/11 e 2/4/2018. | O artista plástico pernambucano Paulo Bruscky (Galeria Nara Roesler) participa do projeto “L’Oeil Écoute”, no Centro Georges Pompidou, em Paris, que propõe reflexões sobre a arte moderna a partir do diálogo entre obras do acervo permanente e de artistas convidados. Nesta edição, o projeto explora as relações entre arte, música e poesia, traçando um paralelo entre as produções de artistas como Picasso e Brancusi e a música de Erik Satie e os Balés Russos. Nas áreas dedicadas a Bruscky, serão exibidos trabalhos fundamentais de poesia visual e sonora, arte correio e performance desenvolvidos ao longo de sua carreira. Obras como Poema Processo, de 1970 e Silence - Homage to John Cage, de 1993, dividem ainda o espaço com trabalhos raros de Vicente do Rego Monteiro (de 18/10 a 9/4/2018). | Carmela Gross participa da mostra “On Anam. Where are We Going?”, no Es Baluard Museu d'Art Modern i Contemporani, em Palma de Mallorca, na Espanha, entre 10/11 e 1/4/2018. Nesta última participam ainda o cubano Félix-Gonzalez Torres e o brasileiro Paulo Nazareth. | Claudia Andujar e a dupla Gisela Motta & Leandro Lima participam da mostra “Simultaneous Eidos - Guangzhou Image Triennial 2017, no Guangdong Museum of Art, na China, entre 15/12 e 8/3/18. | A obra “Poema” (1979), da artista paulistana Lenora de Barros (Galeria Millan), ilustra a capa do catálogo da mostra "Radical Women: Latin American Art, 1960-1985" e também a fachada principal do Hammer Museum, em Los Angeles. A mostra apresenta cerca de 260 obras (fotografias, vídeos, técnicas mistas e experimentações) produzidas por mais de cem artistas de 15 países. Entre as selecionadas estão ainda Iole de Freitas, Vera Chaves Barcellos, Neide Sá, Claudia Andujar, Carmela Gross, Martha Araújo, Regina Vater, Ana Vitória Mussi, Lygia Clark, Anna Bella Geiger, Leticia Parente, Regina Silveira, Anna Maria Maiolino, Lygia Pape, Ana Mendieta, Liliana Porter, Marta Minujín, Zilia Sánchez e Feliza Bursztyn, A mostra acontece no Brooklyn Museum, em Nova York, entre 13/4 e 29/7/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. | O artista carioca Ricardo Basbaum (A Gentil Carioca e Galeria Jaqueline Martins) figura na mostra coletiva “We Are Here - I Am You”, curadoria de José Esparza Chong Cuy, em cartaz no MCA - Museum of Contemporary Art Chicago, nos EUA, entre 19/8 e 1/4/2018. | A artista Regina Silveira (Galeria Luciana Brito) participa da mostra “Bienal Sur”, no Parque de la Memoria, em Buenos Aires (Argentina), Regina Silveira apresenta para a primeira edição da Bienal Sur, além de projeções do vídeo “Limiar”, versões exclusivas da obra “Touch” em três cidades argentinas. A artista participa ainda da mostra “Future Shock, Site Santa Fé”, nos EUA, entre 7/10 e 1/5/2018. Sesc Avenida Paulista inaugura em abril http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13164&ncid=1&pg=0 A unidade Sesc Avenida Paulista inaugura em 29/04/18 no número 119 da av. Paulista, e ocupa17 andares e dois subsolos, com uma área construída de 12 mil m², depois de remodelação do edifício assinada por Königsberger Vannucchi Arquitetos Associados. A nova unidade traz atividades relacionadas às artes e a tecnologia, com disposição de salas de espetáculos e oficinas culturais, espaço de exposição e para práticas físico-esportivas, clínica odontológica, espaço de brincar, biblioteca, comedoria e outros equipamentos, exceto ginásio e piscina. Também conta com um café na cobertura, além de um mirante, com vista panorâmica para a cidade. | Sesc Avenida Paulista Cerqueira Cesar: av. Paulista, 119, São Paulo - SP www.sescsp.org.br/avenidapaulista Ateliê Alê realiza oficina de Stencil Art com Rodrigo Motta http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13163&ncid=1&pg=0 O Ateliê Alê realiza em 10/03/18, das 14h às 18h, a Oficina de Stencil Art com Rodrigo Motta. O curso introduz informações sobre a arte do stencil, principais artistas, a criação e reprodução de trabalhos. Interessados podem fazer inscrição pelo telefone tel. (11) 2548-8508. Investimento de R$ 65 por aluno com material incluso. Rodrigo Motta é educador, artista visual e editor de publicações alternativas. Formado em educação artística leciona em instituições públicas e privadas. Foi finalista do prêmio Miolo(s) 2015 nas categorias HQ e Projeto Gráfico. Participa de exposições coletivas desde 2004. Seus trabalhos com Stencil já foram expostos em feiras de arte impressa, galerias e em intervenções nas ruas de São Paulo e Paris. | Ateliê Alê Santo Amaro: r. São Sebastião, 570, tel. (11) 2548-8508 www.atelieale.com 9º Salão dos Artistas Sem Galeria define prêmio http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13162&ncid=1000&pg=0 Angela Od é a artista premiada na 9ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria, promovido pelo Mapa das Artes. Angela Od recebeu 29 pontos de 30 possíveis. O prêmio foi definido pelo júri formado por Fernanda Resstom (Galeria Central), Nathalia Lavigne (curadora independente) e Renata Castro e Silva (Galeria Carbono), que deram notas de 1 a 10 para cada um dos artistas. As obras dos dez artistas selecionados pelo Prêmio estão em exposição nas galerias paulistanas Zipper (Jardins) e Sancovsky (Pinheiros) até 24/2. Entre 3 /3 e 20/4, as obras estarão expostas na Orlando Lemos Galeria, em Belo Horizonte. Angela Od receberá R$ 1.000. Nesta sua 9ª edição, o Salão recebeu 154 inscrições, provenientes de 11 Estados mais Distrito Federal. São Paulo compareceu com 87 artistas. Rio de Janeiro enviou 33 inscritos. Em seguida vieram Minas Gerais (11), Paraná (seis), Distrito Federal (cinco), Rio Grande do Sul (quatro), Goiás (duas) e Santa Catarina, Espírito Santo, Bahia, Ceará e Maranhão (uma cada). Além de Angela Od (RJ), participam das exposições Caio Pacela (SP/RJ), Renata Pelegrini (SP), Mercedes Lachmann (RJ), João GG (RS/SP), João Galera (PR/SP), David Almeida (DF/SP), Élcio Miazaki (SP), Sonia Dias (SP) e Yoko Nishio (RJ). Três mil obras de Coleção Asiática são doadas ao acervo do MON http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13159&ncid=1000&pg=0 O Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, recebeu a doação de cerca de três mil obras de arte asiática do colecionador e diplomata Fausto Godoy. Composta por peças raras, e forte conteúdo simbólico, representam o cotidiano arcaico ou contemporâneo das civilizações asiáticas, como da China, Japão, Índia, Laos, Butão, Irã, Afeganistão e Vietnã. Com esta doação, o MON conquista um importante patamar com obras asiáticas mais significativas da América do Sul. Entre as elas estão esculturas, mobiliário, cerâmica, porcelana, pinturas, objetos em metal, gravuras, caligrafias, têxteis, marionetes de seis mil anos atrás, de uma artesania milenar, ou do século 21, que oferecem um quadro informativo sobre um imaginário pouco divulgado no Brasil. A coleção constitui um apanhado da cultura de diversos territórios, no entanto de vários modos coligados, como os da Ásia Central, sudoeste asiático, subcontinente asiático, leste da Ásia, Mesopotâmia; reunindo cerca de 10 países. A coleção asiática será abrigada na Reserva Técnica da instituição, onde as obras são armazenadas de acordo com critérios museológicos internacionais. O MON organiza temporariamente exposições a partir de peças que compõem o acervo para que o público tenha acesso às obras. A primeira mostra desta coleção “Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses” abre ao pública a partir de 02/03/18, às 10h, e fica por um período de longa duração. | Museu Oscar Niemeyer Centro Cívico: r. Marechal Hermes, 999, tel. (41) 3350-4400. Ter. a dom., 10h/18h; primeira qui. do mês, visitação estendida até as 20h. Ingr.: R$ 12 e R$ 6. www. museuoscarniemeyer.org.br Atelier Paulista promove curso com Peter Pál Pelbart http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13158&ncid=1&pg=0 O Atelier Paulista promove a partir de 12/03/18 o curso “O que são seres virtuais? Trajeto pelas existências mínimas”, com o filósofo Peter Pál Pelbart. Os encontros ocorrem às segundas-feiras, das 20h30 às 22h. | Mais informações: Atelier Paulista Pinheiros: r. Amália de Noronha, 301, tel.: (11) 3082-9217 atelierpaulista@gmail.com www.atelierpaulista.com Casa da Xiclet recebe inscrições para SP-Marte 2018: Uma feira de outro planeta http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13157&ncid=1000&pg=0 A artista, curadora e galerista Adriana Duarte, a Xiclet, está esperando ansiosamente a inscrição de artistas de todo o Brasil para a mostra SP-Marte 2018: Uma feira de outro planeta!, que acontece na galeria Casa da Xiclet, em São Paulo, entre 7 e 29/4. As inscrições estão abertas até 31/3 no site www.casadaxiclet.com/2018-inscricoes-abertas/. Um espaço de 1 m x 1 m custa R$ 200,00, mas tem espaços maiores e menores... O lema da Casa da Xiclet é bem simples: Sem seleção, sem curadoria, sem jabá, sem juros, sem entrada e sem saída! Basta pagar mesmo e garantir seu espaço, pois as vagas são limitadas! | Casa da Xiclet Vila Madalena: r. Fradique Coutinho, 1.855, tel. 94611-2519. www.casadaxiclet.com Arte acovardada http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2527&pg=0&ncid=1 Fabio Cypriano comenta o período marcado por censura e intolerância que as instituições de arte têm pouco do que se orgulhar, publicada na revista Bravo. Ernesto Neto transforma estação ferroviária de Zurique em floresta tropical http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2526&pg=0&ncid=1 O artista brasileiro, em colaboração com a Fondation Beyeler, vai construir uma enorme cobertura de árvores sobre a estação ferroviária mais movimentada de Zurique. Ela também será um espaço para meditação, educação e programação pública, com música, oficinas, visitas guiadas e mesas-redondas. Matéria publicada no site do Touch Arte (www.touchofclass.com.br), em 20/02/18. Parcela do orçamento não foi repassada http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2525&pg=0&ncid=1 O orçamento do Museu Nacional ficou ainda mais apertado: vinculada à UFRJ, a instituição deveria receber R$ 515 mil anuais da universidade, mas nos últimos três anos, a fração final não foi repassada. Matéria publicada originalmente no jornal "O Globo", em 20/02/18. Só temos verba para medidas paliativas http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2524&pg=0&ncid=1 O paleontólogo Alexander Kellner assumiu a missão de arrumar o cômodo do terceiro andar do Museu Nacional que, no século XIX, foi o quarto do imperador dom Pedro II, e agorá será sua sala como diretor da instituição. Ele revela a intenção de transferir todo o aparato administrativo do museu para outro edifício, deixando o prédio histórico livre para mais exposições. Para isso, porém, precisa receber verbas e reformar o prédio; e agora até o quarto de Pedro II tem goteira. Matéria de Renato Grandelle publicada no jornal "O Globo", em 20/02/18. Curadora Kate? A duquesa organiza uma mostra na National Portrait Gallery http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2523&pg=0&ncid=1 Kate Middleton - agora duquesa Catherine - está curando uma exposição de primavera sobre fotografia vitoriana na National Portrait Gallery de Londres. O foco é em fotografia de crianças doe quatro artistas inovadores do século XIX - Julia Margaret Cameron (1815-79), Lewis Carrol (1823-1998), Lady Clementina Hawarden (1822-65) e Oscar Gustave Rejlander (1813- 75). Matéria de Henri Neuendorf publicada originalmente no site do artnet News (www.artnet.com), em 16/02/18. Graças à magia Vantablack, Olimpíadas ganha prédio mais preto do mundo http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2522&pg=0&ncid=1 O edifício criado pelo arquiteto britânico Asif Khan para o Pavilhão Hyundai no Parque Olímpico, dos Jogos de Inverno na Coréia do Sul, é um verdadeiro buraco negro de parede de cerca de nove metros de altura revestida em Vantablack, o material mais escuro já produzido. Matéria de Sarah Cascone para o The Art NewsPaper, em 09/02/18. Enteada de Picasso abrirá museu com maior coleção de obras do artista http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2521&pg=0&ncid=1 Catherine Hutin-Blay, a única filha da segunda esposa de Pablo Picasso Jacqueline Roque, abrirá um museu no sul da França para abrigar sua extensa coleção do artista espanhol. Um representante local disse que a coleção de Hutin-Blay, que ela herdou de sua mãe, contém cerca de 2.000 obras, principalmente do período entre 1952 e 1973, quando Roque estava com Picasso. Compreende mais de 1.000 pinturas, com o resto composto por desenhos, cerâmicas, esculturas, pratos pintados e fotografias. Artigo publicado no portal da revista carioca "Dasartes" em 15/02/18. Alfredo Volpi conquista o público europeu http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2520&pg=0&ncid=1 Organizada em Mônaco pela galeria paulistana Almeida e Dale, com o apoio do Instituto Volpi, a retrospectiva do pintor Alfredo Volpi apresenta um conjunto com mais de 70 obras, cobrindo quase todos os períodos, de 1940 aos anos 1970. Artigo de Antonio Gonçalves Filho para o jornal "O Estado de São Paulo" publicado em 13/02/18. "O sucesso é um dos maiores inimigos do artista", disse Thomas Cohn http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2519&pg=0&ncid=1 Falecido na segunda-feira, 5/2, aos 83 anos, o galerista alemão Thomas Cohn foi decisivo para a consolidação da chamada Geração 80. Em seminário promovido pela feira SP-Arte, ele falou sobre a experiência de revelar talentos como Leonílson, Leda Catunda e Adriana Varejão. Artigo publicado originalmente na "Página B" em 7/2/18. Artista alega roubo no novo vídeo clip de Kendrick Lamar para o Pantera Negra http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2518&pg=0&ncid=1 A britânica-liberiana Lina Iris Viktor alega que seu trabalho foi usado sem permissão pela equipe do novo clip All the Stars, trilha sonora do filme que apresenta o primeiro super-herói negro no mainstream dos comics. Matéria de Robin Pogrebin para o jornal “The New York Times”, em 11/02/18. Gravura de Picasso é roubada de marchand http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=193&ncid=1000&pg=0 Uma gravura de Pablo Picasso com valor estimado entre US$ 35.000 a US$ 50.000 foi roubada de uma empresa de corretagem e avaliação de Milwaukee. A obra intitulada, “Torero”, foi roubada entre 23h30 e 2h00 da noite de sexta-feira de DeLind Fine Art Appraisals LLC, 761 N. Jefferson St., disse o proprietário Bill DeLind. “A gravura simplesmente saiu da parede”, disse DeLind no sábado. Michael Goforth, o parceiro comercial de DeLind, entrou em contato com o Departamento de Polícia de Milwaukee depois de perceber que a obra de arte estava faltando. Galerias em todo o Centro-Oeste, bem como leiloeiros, foram notificados sobre o roubo, disse ele. Isso vai dificultar a venda. DeLind não notou ninguém estranho na empresa na sexta-feira. Nem a galeria possui câmeras de segurança que poderiam ter capturado imagens do roubo, disse ele. A empresa não possui muitas entradas mas está em um prédio com outras empresas, o que torna a empresa mais visível para o público, disse DeLind. “Torero”, que Picasso criou em 1949, estava na corretagem porque DeLind foi contratado para vender o trabalho. Ele chamou o roubo de “um infeliz desastre”. “Torero” é uma aguafilha e aquatinta impressa com tinta em papel. É assinado por Picasso, artista espanhol que morreu em 1973. “É uma peça muito boa”, disse DeLind. | Matéria publicada no site da revista Das rates, em 22/02/18. Visitantes de mostra de Modigliani exigem reembolso após obras falsas http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=192&ncid=1000&pg=0 Visitantes se reuniram para uma exposição de trabalhos de Amedeo Modigliani em Génova, Itália, no ano passado - mas agora que um especialista concluiu que a maioria das obras em exibição era falsa, algumas pessoas querem o dinheiro de volta. Um grupo de consumidores italianos planeja apresentar uma ação coletiva para garantir um reembolso total. O processo também buscará compensar as despesas de viagem de 100 mil pessoas, de acordo com o Times de Londres. Até mesmo uma linha direta foi criada para visitantes insatisfeitos, a Associated Press reports. Os ingressos para a mostra, intitulados simplesmente como "Modigliani", foram fixados em 13 € (15,67 dólares). Nem a Associação Nacional para a Proteção dos Consumidores, nem o defensor do consumidor Furio Truzzi, que está liderando o esforço do reembolso, responderam a e-mails ou mensagens telefônicas da redação. O Palazzo Ducale de Genova abriu a exposição em março, mas foi forçado a fechá-la três dias no início de julho, depois que um promotor local ordenou a apreensão de 21 obras suspeitas de serem falsas. "Quando uma pintura é uma falsificação, falta sua alma, e faltava essa elegância tridimensional de Modigliani - mesmo uma criança podia ver que essas eram falsificações grosseiras", disse o colecionador Carlo Pepi, que primeiro levantou suspeitas sobre as obras do Telegraph na época. "Eu pensei, o pobre Modigliani, atribuir-lhe essas abominações feias". Sua opinião, entregue apenas com base em reproduções no catálogo da exposição, foi confirmada por uma perita nomeada pelo tribunal, Isabella Quattrocchi, que proclamou que 20 das 21 obras confiscadas são "fakes"; de acordo com a agência de notícias italiana ANSA. As falsificações, segundo informou, agora podem enfrentam possíveis destruições. Um porta-voz do Palazzo Ducale disse à Artnet News que a opinião de especialistas da Quattrocchi "não é o julgamento final". A investigação "está em andamento", mas se o veredicto final é que as obras são falsas, o "Palazzo Ducale Fondazione per la Cultura, que considera como parte ferida nesta matéria, tomará as ações legais necessárias". O porta-voz não pode confirmar se o museu planeja fornecer os reembolsos dos visitantes após o veredicto final. Várias pessoas envolvidas na exposição também estão sob investigação por autoridades com suspeita de fraude: Rudy Chiappini, curador da exposição; o comerciante de arte húngaro Joseph Guttmann, que supostamente emprestou 11 das pinturas disputadas; e Massimo Vitta Zelman, o presidente MondoMostre Skira, a empresa que organizou a mostra. Um representante de Zelman disse à artnet News: "Zelman não quer dar nenhuma entrevista porque a investigação oficial ainda não foi concluída e o que foi publicado ... são apenas indiscrições". Guttman, enquanto isso, sustenta que as obras são o verdadeiro negócio. "Nós acreditamos firmemente que as pinturas são autênticas, como também confirmadas por suas certificações anteriores, análise científica e inclusão em exposições e publicações importantes", disse ele a Artnet News em um e-mail. "Com o melhor de nosso conhecimento, a investigação sobre as imagens ainda está em andamento, e não estamos em condições de comentar até a sua conclusão. Esperamos que esta questão seja resolvida rapidamente para que as obras possam ser devolvidas aos seus respectivos proprietários". Chiappini não pôde ser contatado, mas disse à imprensa italiana que baseou suas opiniões em atribuições e pesquisas existentes e que "será necessário voltar ... para quem fez as primeiras atribuições". Por uma série de razões, Modigliani é um dos artistas blue-chip mais forjados. Especialistas alertaram o Telegraph de que o escândalo de Gênova é "a ponta do iceberg". O artista, cada vez mais caro, atingiu um recorde com a venda de “Nu couché” (1917-18) por US $ 170 milhões, em 2015. Na época, era a segunda pintura mais cara do mundo já vendida em leilão. Atualmente, Modigliani é o tema de grandes exposições no Tate Modern em Londres e no Jewish Museum, em Nova York. Tampouco se suspeita de incluir falsificações. | Matéria de Sarah Cascone, com reportagem adicional de Naomi Rea, para o site Artnet | News (www.artnet.com), em 12/01/18. Roubo de museu: Palácio dos Doges - Veneza, Itália http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=191&ncid=1000&pg=0 Pouco depois das 10 horas da manhã, no último dia de uma exposição no Palácio do Doge, (em italiano Palazzo Ducale), no dia 03/01/18, uma vez no coração da vida política e da administração pública na era da República de Veneza, ladrões de jóias invadiram uma vitrine com peças em exibição temporária em Veneza. Promovida pela Fondazione Musei Civici di Venezia, a exposição foi curada por Amin Jaffer, curador sênior da coleção privada e Gian Carlo Calza, um notável erudito italiano de arte do Leste Asiático. A exposição intitulada "Tesouros dos Mughals e Maharaja: A Coleção Al Thani" reuniu mais de 270 peças de jóias indianas, cobrindo quatro séculos de herança indiana do Sheikh Hamad Bin Abdullah Al-Thani, CEO da Qatar Investment & Projects Development Holding Empresa (QIPCO), uma mega-holding do Catar. O sheik Al-Thani, que é o primeiro primo do Emir do Catar, começou a adquirir peças para sua agora extensa coleção de jóias, depois de visitar uma exposição de arte indiana em 2009 no Museu Victoria and Albert de Londres. Algumas das peças cravejadas em exibição no Palácio do Doge incluíam jóias incrustadas de diamantes, rubis, jade, pérolas e esmeraldas, uma vez pertencentes aos grandes maharajas, nizams e imperadores da Índia. Fundada por Babur após a conquista de grande parte do norte da Índia, as peças da dinastia Mughal datam do início do século 16 até meados do século 18, uma das eras mais opulentas da Índia na composição da jóia. Peças adicionais da coleção foram criadas durante o politicamente caótico século 18 e do período Raj britânico no século 19, e que foram produzidas para atrair viajantes ricos britânicos e casta superior da Índia. Os objetos contemporâneos mais extravagantes em exibição incluem um colar de Maharaja Digvijaysinhji de Nawanagar e feito por Jacques Cartier, encomendado em 1937, que rivaliza com o colar de rubi e diamante da imperatriz Marie-Louise, pertencnetes às jóias da Coroa da França. A coleção Al-thani reúne peças de muitos antigos tesouros indianos, alguns dos quais enfatizam as crenças do período. Na Índia, as nove pedras do Navaratna (sânscrito: नवरत्न) onde nava representa nove e ratna para jóia, são consideradas auspiciosas em textos védicos e, na astrologia indiana, acreditava-se ter o poder de proteger o quem as usasse. Estas jóias são: Safira azul (niilam) Olho de gato (vaidooryam) Diamante (vajram) Esmeralda (marathakam) Hessonite (gomeda) Pérola (muktaaphalam) Red Coral (vidrumam) Rubi (maanikyam) Safira amarela (pushparajam) Muitas vezes, as gemas foram definidas em ouro puro, usando uma forma de arte de configuração conhecida como Kundan, um método de configuração de gema, que consiste em inserir uma folha de ouro entre as pedras que não requerem solda ou montagem de garras. O ex-curador da V & A, o Dr. Amin Jaffer teria começado a aconselhar Sheik Hamad em suas aquisições, depois de se tornar o diretor internacional de arte asiática na Christie's. Em 2017, depois de dez anos com a casa de leilões, Jaffer demitiu-se antes de assumir o cargo de curador-chefe da coleção de Al Thani. Rasgado das páginas do roteiro hollywoodiano “Ocean’s 8” De acordo com a reconstrução atual do incidente usando filmagens de vigilância de câmeras, dois ladrões, um servindo como vigia e um segundo que invadiu a vitrine, localizado na Sala dello Scrutinio, rapidamente o fez levando um broche e um par de brincos. Assim que a vitrine foi violada, soou o alarme e o casal escapou habilmente da galeria do museu lotado, misturando-se entre os clientes e estava fora do museu antes que a segurança pudesse selar o perímetro do museu para apreendê-los. Imediatamente após o roubo, a Sala dello Scrutinio foi fechada para um inventário completo e revisão de imagens de vigilância. Até o momento, fotografias das peças roubadas não foram divulgadas pelas autoridades ou por Al-Thani. Em uma declaração dada pelo comissário de polícia da cidade de Veneza, Vito Gagliardi, disse que as jóias roubadas incluíam diamantes, ouro e platina, tinha um valor aduaneiro de apenas 30 mil euros ($ 36,084), mas provavelmente valem "alguns milhões de euros". Vendendo produtos quentes Enquanto os diamantes podem ser os melhores amigos das garotas, comprar pedras preciosas roubadas é um crime grave. Sem um certificado de autenticidade que comprove que um diamante adere ao KCPS, ou Kimberly Process Certification Scheme mostrando que a gema não é originária de uma "zona de sangue", manchada por abusos de direitos humanos, encontrando um comprador que queira uma jóia de origem cética pode ser difícil. Os indivíduos capturados comercializando em roubos ou "diamantes de sangue" enfrentam ramificações legais significativas e a compra de jóias não provadas representam um grande risco econômico para joalheiros, casas de penhor, comerciantes de diamantes, cortadores e qualquer outra pessoa que possa entrar em contato com um recém-roubado e possivelmente bem documentada. Mesmo se os ladrões de jóias de Veneza puderem vender com sucesso sua pilhagem recentemente roubada, provavelmente o farão com apenas um mínimo de sucesso. Enquanto os grandes ladrões de jóias profissionais podem ter conexões no mercado negro que lhes permitem vender peças substanciais por somas pesadas, a maioria dos ladrões de implos tem que se contentar com cercas intermediárias que não pagam o que podem realmente valer, financeiramente ou historicamente. | Matéria de Lynda Albertson publicada originalmente no site www.art-crime.blogspot.com.br, em 03/01/18. Auto-retrato de Chirico foi roubado de um museu na França http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=190&ncid=1000&pg=0 Um auto-retrato pintado em 1926 pelo mestre moderno italiano Giorgio de Chirico (1888 - 1978) foi roubado da coleção do Museu de Belas Artes de Béziers, no sul da França, na semana passada. A pintura em questão, “Composition with Self-Portrait”, primeiramente inventariada em 2015, foi descrita como "inestimável" pelos promotores locais. Ela fazia parte da coleção de Jean Moulin, um herói da Resistência francesa, natural de Béziers e um ávido fã da arte moderna. A pintura a óleo foi tirada de sua moldura na última quinta-feira (23/11) a tarde no Hôtel Fabrégat, que abriga uma parte da coleção do museu, incluindo peças privadas de Jean Moulin, e obras de Soutine, Raoul Dufy e Suzanne Valadon. O museu não possui câmeras de segurança. O quadro vazio foi notado por seguranças pouco tempo depois do roubo, de acordo com o conselho local. Uma queixa oficial foi apresentada na mesma noite, embora a notícia do roubo não tinha sido divulgada publicamente até ontem. O trabalho do pintor surrealista do século XX foi vendido por milhões no passado. O “Il Ritornante” (1918), notavelmente vendido na Christie's de Paris em 2009 por mais de 11 milhões de euros - um recorde para o artista – fez parte da venda da coleção de leilões da coleção de Yves Saint Laurent e Pierre Bergé. O auto-retrato roubado, "devido à sua proeminência, não é negociável no mercado da arte na França ou internacionalmente", escreveu o conselho em seu anúncio. O trabalho pretendia ser exibido no futuro no museu na cidade natal de Jean Moulin, onde o conselho disse que era um local muito mais seguro. Uma investigação sobre o roubo está sendo realizada pela polícia regional de Montpellier. O comissário de polícia Anthony de Freitas confirmou que o serviço de polícia judicial regional foi contratado pelo promotor de Béziers. | Matéria de Naomi Rea para o artnews do site artNet (artnet.com), em 23/11/17. Repatriamento pendente: as viagens ilícitas de uma cabeça de touro em mármore http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=188&ncid=1000&pg=0 Na quarta-feira (11/10), através do advogado William G. Pearlstein, os colecionadores William e Lynda Beierwaltes divulgaram uma declaração formal sobre o “Marble Head of a Bull” (cerca de 500-460 a.C.) apreendido pelo escritório do procurador do distrito de Nova York em 06 de julho de 2017, sob empréstimo do Metropolitan Museum of Art. Há suspeitas de que a antiguidade havia sido saqueada do Líbano durante a guerra civil. A escultura da cabeça do touro foi adquirida pelo casal em 27 de novembro de 1996 por US$ 1,2 milhão, por um dos negociantes mais notórios (atualmente) do mundo das antiguidades, Robin Symes. O comunicado diz que: “Depois de terem sido apresentadas provas incontestáveis de que a cabeça do touro foi roubada do Líbano, os Beierwaltes acreditavam que era do interesse de todos retirar a reivindicação à cabeça do touro e permitir sua repatriação para o Líbano". Essa decisão foi tomada depois que o pedido “Application for Turnover” do Estado de Nova York, em 68 páginas, deu detalhes minuciosos sobre como essa antiguidade saqueada se dirigia de maneira ilícita para os Estados Unidos. Em uma carta ao Honorável Daniel P. FitzGerald com o Supremo Tribunal do Condado de Nova York, o Procurador Distrital Adjunto, Matthew Bogdanos, escreve que os Beierwaltes assinaram uma estipulação que concorda com a liberação da Corte do “Bull's Head” à República Libanesa de acordo com a Lei Penal de Nova York §450.10 sobre a eliminação de bens roubados e a Lei de Processo Penal §690.55 de NY sobre mandados de busca e a disposição dos bens apreendidos. Esta confissão voluntária prepara o caminho para uma cerimônia formal de repatriamento e o eventual retorno deste objeto antigo para o país de origem do qual foi roubado. Já por um artigo no New York Times, o advogado distrital adjunto Matthew Bogdanos, e pesquisadores que apoiaram seu caso, viram outra antiguidade potencialmente saqueada também do Líbano. Este objeto, um torso de mármore de um pastor de bezerro, foi identificado em uma fotografia tirada dentro da casa de Beierwalteses para a edição especial de junho de 1998 da revista House & Garden. Pelo artigo de Colin Moynihan para "The New York Times", o advogado Bogdanos afirmou que este objeto também pode ter sido saqueado do Líbano antes de ser adquirido por William e Lynda Beierwaltes. O artigo continua a especificar que os Beierwalteses venderam esse objeto ao colecionador de Nova York, Michael H. Steinhardt, em 2015. | Matéria publicada originalmente no blog www.art-crime.blogspot.com.br, em 12/10/17. Renoir é roubado de casa de leilões no interior da França http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=187&ncid=1000&pg=0 Uma pequena pintura do impressionista francês Auguste Renoir foi roubada de um leiloeiro no subúrbio parisiense de Saint-Germain-en-Laye no sábado (30/09). Com uma estimativa de € 25mil a 30 mil, “Portrait d'une jeune fille blonde” (Retrato de uma jovem garota loira), onde estava em exibição antes da venda neste fim de semana. De acordo com a polícia, o ladrão simplesmente tirou o trabalho da parede e escapou despercebido. Destaque do leilão, a tela está listada no catálogo dos leiloeiros enquanto mede 14cm x 12,2cm, com as iniciais "A.R." no canto superior esquerdo. A polícia espera que as filmagens de vigilância de vídeo forneçam uma direção. | Matéria publcada originalmente no site do ARt Daily ( www.artdaily.com), em 02/10/17. Obras roubadas de Georg Baselitz no valor de US$ 3 milhões são recuperadas http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=185&ncid=1000&pg=0 As esculturas turbulentas e as estridentes pinturas invertidas do neo-expressionista Georg Baselitz são conhecidas em todo o mundo. Mas quando mais de US$ 3 milhões de obras de sua coleção pessoal, incluindo alguns que ele criou, desapareceram de um depósito de armazenamento alemão, causou estranhamento por demorarem meses para alguém notar. Os promotores do caso prenderam três suspeitos, todos trabalharam na indústria de navegação. Eles acreditam que um homem de 39 anos da cidade ocidental de Düsseldorf usou conhecimento de informante para roubar 19 peças de arte pertencentes ao Sr. Baselitz do depósito perto de Munique entre junho de 2015 e março de 2016. Ele passou as obras para um pai e filho, que tentaram vendê-los pelo valor de mercado “muito abaixo”. Os três homens ainda não forneceram declarações completas à polícia, disseram os promotores. As autoridades acreditam que o pai e o filho, de 51 e 26 anos, da cidade de Leverkusen, ao sul de Düsseldorf, conseguiram vender apenas uma peça de arte antes que uma companhia de seguros se tornasse suspeita e informou a polícia. Depois do que os promotores chamaram de “investigações intensivas na cena artística”, a polícia prendeu o homem de 51 anos sob suspeita de roubo em agosto quando retornou do exterior. Mas Anne Leiding, uma porta-voz dos promotores de Munique, recusou-se a dizer quando o crime foi descoberto pela primeira vez. A polícia já recuperou 15 dos 19 artefatos – no valor de cerca de US$ 3 milhões, ou 2,5 milhões de euros. Os quatro trabalhos roubados foram pensados para valer cerca de US$ 155.000. A Sra. Leiding disse que, de acordo com os desejos do Sr. Baselitz, não podia fornecer detalhes adicionais sobre as obras de arte roubadas. | Matéria originalmente no site da revista Das Artes, em 06/09/17. Obra roubada de Willem de Kooning há 30 anos retorna para casa http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=182&ncid=1000&pg=0 É um bom dia para o Museu da Universidade de Arte do Arizona. A instituição celebra o retorno da pintura “Woman-Ochre” (1954–1955) de Willem de Kooning, que foi roubada um dia após o Dia de Ação de Graças de 1985, quase 32 anos atrás. Em 11/08/17, a universidade anunciou que a pintura tinha sido achada e devolvida pelo Antiquário Manzanita Ridge em Silver City, no estado de Novo México. Testes preliminares feitos pela restauradora do museu, Nancy Odegaard, descobriram a obra como autêntica. “Sempre estive otimista que um dia nós encontrássemos a pintura, isto é muito difícil descrever a emoção dela voltar pra casa”, disse Brian Seastone, o chefe do Departamento de Polícia da Universidade do Arizona e o investigador principal do caso. “Existe essa sensação de alívio e felicidade. Existe a sensação de calma. Ela voltou, está em casa, está onde ela deveria estar. Nós sabemos que a arte vale muito dinheiro, mas a história por trás disso não tem preço”. A pintura é um das seis obras da icônica série “Woman”. A outra obra, “Woman I (1950–1952), pertence ao Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). O empresário bilionário Steven A. Cohen é dono da última obra em mãos privadas; ele possui a “Woman II (1952)” pelo valor de US$ 137.5 milhões do magnata da música David Geffen em novembro 2006. Em 2015, em um artigo do 30º ano de aniversário do roubo o jornal “UANews” especulou que a obra roubada poderia valer cerca de US$ 160 milhões. Anteriormente naquele ano, Geffen vendou outro de seus de Kooning, “Interchange” (1995), por US$ 300 milhões em um leilão privado, quebrando recorde da obra de arte mais cara do mundo. Os valores do artista em leilão são bem menores, de acordo com a Database de Preço do artnet, chegando ao máximo aos US$ 66.3 milhões em 2016. O roubo da pintura Woman-Ochre ocorreu na manhã de 29/11/1985, após um homem e uma mulher seguir um funcionário do museu. A mulher distraiu o guarda enquanto seu cúmplice, com óculos de bigode, ele tirou a tela da moldura e fugiu com a obra. O roubo durou 15 minutos. “Os ladrões de fato cometeram dois crimes aquele dia”, disse Kimberly Andrews Espy, o vice-presidente da Universsidade do Arizona, em depoimento do caso. “Primeiro eles roubaram uma importante pintura da coleção do museu da universidade. Eles roubaram também 30 anos de acesso ao público e dos estudantes do mundo inteiro, tirando a oportunidade deles de apreciá-la, de aprender com ela, e de serem inspirados por um importante artista”. Na época, a pintura valia US$ 600 mil. Sua localização durante essas três décadas após o roubo era desconhecida. Essa história volta à tona somente depois da aquisição de um imóvel sem nome pelos donos do Antiquário Manzanita, David Van Auker, Buck Burns, and Rick Johnson. “Nós não pagamos nem próximo de US$ 160 milhões por isso”, fala Buck Burns para o artnet, chamando a descoberta da pintura dentro da mansão como “feliz coincidência”. Van Auker colocou a pintura na vitrine de sua loja, onde muitos clientes comentaram que a obra parecia ser do de Kooning. Depois de pesquisar o artista, ele percebeu que sua última aquisição para o acervo da loja era na verdade uma obra perdida da Universidade de Arte. “No minuto que descobrimos, ligamos para o museu”, disse Buck. “Nós estamos felizes, felizes, felizes que a pintura está de volta em casa”. Decorrente a descoberta da pintura, Odegaard comparou a canvas com as pontas deixadas na moldura após roubo. As marcas de corte alinharam perfeitamente, provando de fato que era a mesma obra. Em depoimento, o presidente da Universidade do Arizona, Robert C. Robbins, agradeceu e tratou a equipe de Mazanita como heróis, completando que era um ótimo dia para a Universidade do Arizona e ótimas notícias para o mundo da arte e pessoas que se importam com a arte pública”. | Matéria traduzida do site artnet (www.artnet.com), em 11/08/17. Polícia espanhola recupera três obras de Francis Bacon roubadas em Madri http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=180&ncid=1000&pg=0 A polícia espanhola informou nesta quarta-feira (19) ter recuperado três das cinco obras do artista Francis Bacon roubadas em uma casa de Madri em 2015. As cinco pinturas, avaliadas em conjunto em 25 milhões de euros, foram roubadas em julho de 2015 de uma casa da capital espanhola junto com outros objetos de valor quando o proprietário estava ausente. Três pessoas foram presas em janeiro em conexão com o caso, depois que a polícia realizou buscas em casas na região de Madri e apreendeu armas, manuais para decifrar cofres e equipamentos usados para cortar metal. A polícia não forneceu mais detalhes sobre as obras recuperadas. | Matéria publicada originalmente no jornal "Folha de São paulo", em 19/07/17. Pintura de Guercino roubada e encontrada em Marrocos volta à Itália http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=178&ncid=1000&pg=0 Uma obra-prima de €6 milhões roubada da Itália em 2014 e descoberta em Marrocos foi devolvida às autoridades italianas. A pintura do século XVII de Giovanni Francesco Barbieri, conhecido pelo mundo da arte como Guercino, foi roubada da Igreja de São Vicente de Modena, no norte da Itália, em agosto de 2014. O trabalho, chamado “The Virgin, Saint John the Evangelist and Gregory the Miracle Worker” e avaliado em até € 6 milhões (USD $ 6,9 milhões), foi encontrado em um mercado no distrito El Hassini de Casablanca, em Marrocos, em fevereiro deste ano. As autoridades marroquinas que trabalham com a Interpol localizaram o trabalho de Guercino e prenderam pelo menos três pessoas que acreditavam estar trabalhando com uma rede criminosa organizada que trata do tráfico de antiguidades, disse a Direção-Geral de Segurança Nacional (DGSN) do país no momento das prisões de 15 de fevereiro. A mídia marroquina diz que as autoridades foram alertadas por um entusiasta de arte que reconheceu a pintura e contatou a polícia. Uma quarta pessoa, de nacionalidade marroquina, foi presa na Itália. Fontes em Bolonha disseram que Tahir Mustapha morava perto da igreja com sua família italiana e enviou a obra-prima em um tapete enrolado. A pintura foi danificada durante o roubo e precisa de uma grande restauração. A pintura de Guercino, em italiano traduzida como "The Squinter", porque ele aparentemente sofria de estrabismo, foi feita em 1639; ele também completou uma série de trabalhos feitos a clientes estrangeiros ricos antes de sua morte em 1666. A pintura retrata a história tradicional de São Gregório, um bispo do terceiro século que viveu onde hoje é a Turquia, e que viu os outros dois personagens em uma visão. A obra foi devolvida ao embaixador italiano em Marrocos, Roberto Natali, pela polícia em Casablanca e espera-se que volte para Modena. | Matéria publicada originalmente no portal Africa Times (www.africatimes.com), em 16/07/17. Bienal de Arte Digital - Festival de Arte Digital (FAD) | 2018 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=591&pg=0&ncid=1 Confira os selecionados. 29º Salão Internacional de Humor 2017 | Volta Redonda (MG) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=590&pg=0&ncid=1 O edital recebe inscrições até 08/11/17 nas modalidades de cartum, charge, caricatura e HQs, sob o tema “Operação Lava a Jato”. Ocupação de Bibliotecas Públicas Estadual de Minas Gerais | 2017- BH http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=589&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 22/11/17. Edital Exposições Pinacoteca da UFV - Viçosa (MG) | 2018-2019 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=588&pg=0&ncid=1 Inscrições até 22/10/17 Residência Artística Fábrica.Lab Museu Vale | Vitória - ES http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=587&pg=0&ncid=1 Inscrições prorrogadas até 20/09/17. 9° Salão dos Artistas Sem Galeria 2017/2018 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=586&pg=0&ncid=1 As exposições das obras dos artistas selecionados em duas galerias de São Paulo (entre 15/01/18 e 24/02/18), simultaneamente, e em Belo Horizonte (de 10/3 a 20/4/18). 26º Salão de Arte do CCBEU – MABEU Primeiros Passos | Belém | 2017 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=585&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 30/09/17. 1º Edital de Ocupação da Casa Porto das Artes Plásticas – Vitória (ES) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=584&pg=1&ncid=1 Inscrições abertas até 25/08/17 para proponentes residentes no município de Vitória. 4ª Edição Novas Poéticas (BA e RJ) 2017 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=583&pg=1&ncid=1 Inscrições abertas até 29/07/17. Seleção Exposições Solo Sagrado de Guarapiranga - 2017| 2018 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=582&pg=0&ncid=1 Confira a lista dos selecionados.