destaques
conteúdo
publicidade
pega ladrão

Repatriamento pendente: as viagens ilícitas de uma cabeça de touro em mármore +

Na quarta-feira (11/10), através do advogado William G. Pearlstein, os colecionadores William e Lynda Beierwaltes divulgaram uma declaração formal sobre o “Marble Head of a Bull” (cerca de 500-460 a.C.) apreendido pelo escritório do procurador do distrito de Nova York em 06 de julho de 2017, sob empréstimo do Metropolitan Museum of Art. Há suspeitas de que a antiguidade havia sido saqueada do Líbano durante a guerra civil.

A escultura da cabeça do touro foi adquirida pelo casal em 27 de novembro de 1996 por US$ 1,2 milhão, por um dos negociantes mais notórios (atualmente) do mundo das antiguidades, Robin Symes.

O comunicado diz que:

“Depois de terem sido apresentadas provas incontestáveis de que a cabeça do touro foi roubada do Líbano, os Beierwaltes acreditavam que era do interesse de todos retirar a reivindicação à cabeça do touro e permitir sua repatriação para o Líbano".

Essa decisão foi tomada depois que o pedido “Application for Turnover” do Estado de Nova York, em 68 páginas, deu detalhes minuciosos sobre como essa antiguidade saqueada se dirigia de maneira ilícita para os Estados Unidos. Em uma carta ao Honorável Daniel P. FitzGerald com o Supremo Tribunal do Condado de Nova York, o Procurador Distrital Adjunto, Matthew Bogdanos, escreve que os Beierwaltes assinaram uma estipulação que concorda com a liberação da Corte do “Bull's Head” à República Libanesa de acordo com a Lei Penal de Nova York §450.10 sobre a eliminação de bens roubados e a Lei de Processo Penal §690.55 de NY sobre mandados de busca e a disposição dos bens apreendidos.

Esta confissão voluntária prepara o caminho para uma cerimônia formal de repatriamento e o eventual retorno deste objeto antigo para o país de origem do qual foi roubado.

Já por um artigo no New York Times, o advogado distrital adjunto Matthew Bogdanos, e pesquisadores que apoiaram seu caso, viram outra antiguidade potencialmente saqueada também do Líbano. Este objeto, um torso de mármore de um pastor de bezerro, foi identificado em uma fotografia tirada dentro da casa de Beierwalteses para a edição especial de junho de 1998 da revista House & Garden.

Pelo artigo de Colin Moynihan para "The New York Times", o advogado Bogdanos afirmou que este objeto também pode ter sido saqueado do Líbano antes de ser adquirido por William e Lynda Beierwaltes. O artigo continua a especificar que os Beierwalteses venderam esse objeto ao colecionador de Nova York, Michael H. Steinhardt, em 2015.
|
Matéria publicada originalmente no blog www.art-crime.blogspot.com.br, em 12/10/17.

Renoir é roubado de casa de leilões no interior da França +

Uma pequena pintura do impressionista francês Auguste Renoir foi roubada de um leiloeiro no subúrbio parisiense de Saint-Germain-en-Laye no sábado (30/09). Com uma estimativa de € 25mil a 30 mil, “Portrait d'une jeune fille blonde” (Retrato de uma jovem garota loira), onde estava em exibição antes da venda neste fim de semana. De acordo com a polícia, o ladrão simplesmente tirou o trabalho da parede e escapou despercebido.

Destaque do leilão, a tela está listada no catálogo dos leiloeiros enquanto mede 14cm x 12,2cm, com as iniciais "A.R." no canto superior esquerdo.

A polícia espera que as filmagens de vigilância de vídeo forneçam uma direção.
|
Matéria publcada originalmente no site do ARt Daily ( www.artdaily.com), em 02/10/17.

Obras roubadas de Georg Baselitz no valor de US$ 3 milhões são recuperadas +

As esculturas turbulentas e as estridentes pinturas invertidas do neo-expressionista Georg Baselitz são conhecidas em todo o mundo. Mas quando mais de US$ 3 milhões de obras de sua coleção pessoal, incluindo alguns que ele criou, desapareceram de um depósito de armazenamento alemão, causou estranhamento por demorarem meses para alguém notar.

Os promotores do caso prenderam três suspeitos, todos trabalharam na indústria de navegação. Eles acreditam que um homem de 39 anos da cidade ocidental de Düsseldorf usou conhecimento de informante para roubar 19 peças de arte pertencentes ao Sr. Baselitz do depósito perto de Munique entre junho de 2015 e março de 2016. Ele passou as obras para um pai e filho, que tentaram vendê-los pelo valor de mercado “muito abaixo”. Os três homens ainda não forneceram declarações completas à polícia, disseram os promotores.

As autoridades acreditam que o pai e o filho, de 51 e 26 anos, da cidade de Leverkusen, ao sul de Düsseldorf, conseguiram vender apenas uma peça de arte antes que uma companhia de seguros se tornasse suspeita e informou a polícia.

Depois do que os promotores chamaram de “investigações intensivas na cena artística”, a polícia prendeu o homem de 51 anos sob suspeita de roubo em agosto quando retornou do exterior. Mas Anne Leiding, uma porta-voz dos promotores de Munique, recusou-se a dizer quando o crime foi descoberto pela primeira vez.

A polícia já recuperou 15 dos 19 artefatos – no valor de cerca de US$ 3 milhões, ou 2,5 milhões de euros. Os quatro trabalhos roubados foram pensados para valer cerca de US$ 155.000. A Sra. Leiding disse que, de acordo com os desejos do Sr. Baselitz, não podia fornecer detalhes adicionais sobre as obras de arte roubadas.
|
Matéria originalmente no site da revista Das Artes, em 06/09/17.

Obra roubada de Willem de Kooning há 30 anos retorna para casa +

É um bom dia para o Museu da Universidade de Arte do Arizona. A instituição celebra o retorno da pintura “Woman-Ochre” (1954–1955) de Willem de Kooning, que foi roubada um dia após o Dia de Ação de Graças de 1985, quase 32 anos atrás.

Em 11/08/17, a universidade anunciou que a pintura tinha sido achada e devolvida pelo Antiquário Manzanita Ridge em Silver City, no estado de Novo México. Testes preliminares feitos pela restauradora do museu, Nancy Odegaard, descobriram a obra como autêntica.

“Sempre estive otimista que um dia nós encontrássemos a pintura, isto é muito difícil descrever a emoção dela voltar pra casa”, disse Brian Seastone, o chefe do Departamento de Polícia da Universidade do Arizona e o investigador principal do caso. “Existe essa sensação de alívio e felicidade. Existe a sensação de calma. Ela voltou, está em casa, está onde ela deveria estar. Nós sabemos que a arte vale muito dinheiro, mas a história por trás disso não tem preço”.

A pintura é um das seis obras da icônica série “Woman”. A outra obra, “Woman I (1950–1952), pertence ao Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). O empresário bilionário Steven A. Cohen é dono da última obra em mãos privadas; ele possui a “Woman II (1952)” pelo valor de US$ 137.5 milhões do magnata da música David Geffen em novembro 2006.

Em 2015, em um artigo do 30º ano de aniversário do roubo o jornal “UANews” especulou que a obra roubada poderia valer cerca de US$ 160 milhões. Anteriormente naquele ano, Geffen vendou outro de seus de Kooning, “Interchange” (1995), por US$ 300 milhões em um leilão privado, quebrando recorde da obra de arte mais cara do mundo. Os valores do artista em leilão são bem menores, de acordo com a Database de Preço do artnet, chegando ao máximo aos US$ 66.3 milhões em 2016.

O roubo da pintura Woman-Ochre ocorreu na manhã de 29/11/1985, após um homem e uma mulher seguir um funcionário do museu. A mulher distraiu o guarda enquanto seu cúmplice, com óculos de bigode, ele tirou a tela da moldura e fugiu com a obra. O roubo durou 15 minutos.

“Os ladrões de fato cometeram dois crimes aquele dia”, disse Kimberly Andrews Espy, o vice-presidente da Universsidade do Arizona, em depoimento do caso. “Primeiro eles roubaram uma importante pintura da coleção do museu da universidade. Eles roubaram também 30 anos de acesso ao público e dos estudantes do mundo inteiro, tirando a oportunidade deles de apreciá-la, de aprender com ela, e de serem inspirados por um importante artista”.

Na época, a pintura valia US$ 600 mil. Sua localização durante essas três décadas após o roubo era desconhecida. Essa história volta à tona somente depois da aquisição de um imóvel sem nome pelos donos do Antiquário Manzanita, David Van Auker, Buck Burns, and Rick Johnson.


“Nós não pagamos nem próximo de US$ 160 milhões por isso”, fala Buck Burns para o artnet, chamando a descoberta da pintura dentro da mansão como “feliz coincidência”.

Van Auker colocou a pintura na vitrine de sua loja, onde muitos clientes comentaram que a obra parecia ser do de Kooning. Depois de pesquisar o artista, ele percebeu que sua última aquisição para o acervo da loja era na verdade uma obra perdida da Universidade de Arte.
“No minuto que descobrimos, ligamos para o museu”, disse Buck. “Nós estamos felizes, felizes, felizes que a pintura está de volta em casa”.

Decorrente a descoberta da pintura, Odegaard comparou a canvas com as pontas deixadas na moldura após roubo. As marcas de corte alinharam perfeitamente, provando de fato que era a mesma obra.

Em depoimento, o presidente da Universidade do Arizona, Robert C. Robbins, agradeceu e tratou a equipe de Mazanita como heróis, completando que era um ótimo dia para a Universidade do Arizona e ótimas notícias para o mundo da arte e pessoas que se importam com a arte pública”.
|
Matéria traduzida do site artnet (www.artnet.com), em 11/08/17.

Polícia espanhola recupera três obras de Francis Bacon roubadas em Madri +

A polícia espanhola informou nesta quarta-feira (19) ter recuperado três das cinco obras do artista Francis Bacon roubadas em uma casa de Madri em 2015.

As cinco pinturas, avaliadas em conjunto em 25 milhões de euros, foram roubadas em julho de 2015 de uma casa da capital espanhola junto com outros objetos de valor quando o proprietário estava ausente.

Três pessoas foram presas em janeiro em conexão com o caso, depois que a polícia realizou buscas em casas na região de Madri e apreendeu armas, manuais para decifrar cofres e equipamentos usados para cortar metal.

A polícia não forneceu mais detalhes sobre as obras recuperadas.
|
Matéria publicada originalmente no jornal "Folha de São paulo", em 19/07/17.

Pintura de Guercino roubada e encontrada em Marrocos volta à Itália +

Uma obra-prima de €6 milhões roubada da Itália em 2014 e descoberta em Marrocos foi devolvida às autoridades italianas.

A pintura do século XVII de Giovanni Francesco Barbieri, conhecido pelo mundo da arte como Guercino, foi roubada da Igreja de São Vicente de Modena, no norte da Itália, em agosto de 2014. O trabalho, chamado “The Virgin, Saint John the Evangelist and Gregory the Miracle Worker” e avaliado em até € 6 milhões (USD $ 6,9 milhões), foi encontrado em um mercado no distrito El Hassini de Casablanca, em Marrocos, em fevereiro deste ano.

As autoridades marroquinas que trabalham com a Interpol localizaram o trabalho de Guercino e prenderam pelo menos três pessoas que acreditavam estar trabalhando com uma rede criminosa organizada que trata do tráfico de antiguidades, disse a Direção-Geral de Segurança Nacional (DGSN) do país no momento das prisões de 15 de fevereiro.

A mídia marroquina diz que as autoridades foram alertadas por um entusiasta de arte que reconheceu a pintura e contatou a polícia. Uma quarta pessoa, de nacionalidade marroquina, foi presa na Itália.

Fontes em Bolonha disseram que Tahir Mustapha morava perto da igreja com sua família italiana e enviou a obra-prima em um tapete enrolado. A pintura foi danificada durante o roubo e precisa de uma grande restauração.
A pintura de Guercino, em italiano traduzida como "The Squinter", porque ele aparentemente sofria de estrabismo, foi feita em 1639; ele também completou uma série de trabalhos feitos a clientes estrangeiros ricos antes de sua morte em 1666. A pintura retrata a história tradicional de São Gregório, um bispo do terceiro século que viveu onde hoje é a Turquia, e que viu os outros dois personagens em uma visão.
A obra foi devolvida ao embaixador italiano em Marrocos, Roberto Natali, pela polícia em Casablanca e espera-se que volte para Modena.
|
Matéria publicada originalmente no portal Africa Times (www.africatimes.com), em 16/07/17.

Lava Jato confirma autenticidade de obra aprendida com ex-diretor da Petrobrás +

O artista Fernando Lucchesi não teve dúvidas ao ver a pintura que retrata um enorme vaso de flores, apreendida pela Lava Jato: "Esse quadro é meu", afirmou.
Ao que o chefe da perícia da Polícia Federal em Curitiba, Fábio Salvador, respondeu: "Não acredito".

A investigação queria demonstrar, com dados objetivos, que o quadro apreendido na casa do ex-diretor da Petrobras Renato Duque era, de fato, do pintor mineiro.
Duque é suspeito de usar obras de arte para lavar dinheiro de propina obtida na estatal: a PF apreendeu 132 peças em sua casa.

Demorou quase um ano, mas a equipe de peritos concluiu um laudo que promete ser um marco para a investigação de lavagem de dinheiro no Brasil: ele atesta a autenticidade do quadro "Para Guignard" – que, afinal, era mesmo de Lucchesi.

Com o uso de cinco técnicas diferentes, o trabalho estabelece um parâmetro para avaliar com segurança a autoria e o valor de uma obra de arte, e então estimar o montante e as condições da lavagem de dinheiro.

Assim, confere precisão à imputação do crime.

Por exemplo: o quadro era verdadeiro ou falso? O dono sabia disso? Ele pagou mais ou menos do que a tela valia?

"Essa precisão nos dá mais segurança para pedir reparação de danos e decretar o perdimento desses bens", avalia o procurador da República Diogo Castor de Mattos, integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato.

"É um laudo que foge do achismo", resume Salvador, que coordenou o trabalho.

A Folha teve acesso ao laudo, anexado ao inquérito policial contra Duque no mês passado.

Os peritos da PF começaram a análise com a grafoscopia, que conferiu a assinatura do artista.

Em seguida, com a ajuda de pesquisadores da UFPR (Universidade Federal do Paraná), fizeram um exame chamado microscopia Raman, que checou os espectros das tintas utilizadas na tela (uma espécie de "digital" da física), somado à microscopia eletrônica, que realiza uma análise química dos materiais.

A perícia ainda tirou uma fotografia rasante, que avaliou o processo criativo do pintor, conferindo o tipo de pinceladas; e outra com luz ultravioleta, que eliminou a presença de adulterações na tela.
A PF levou o pintor ao Museu Oscar Niemeyer, que tem a guarda da obra, para atestar sua autenticidade. Lucchesi emprestou até um pincel aos peritos, que o compararam com as tintas utilizadas no quadro.
"Eu preciso de provas, de dados objetivos", comenta Salvador. "Desconfio de todo mundo. O trabalho da ciência é convencer os outros", declarou.

Três universidades foram parceiras do trabalho e cederam equipamentos e expertise à perícia: a USP, a UFPR e a UFMG.

REPERCUSSÃO

O laudo não foi concluído a tempo de alterar as imputações contra Duque, que já é réu sob acusação de lavagem de dinheiro.

Mas deve estabelecer um protocolo para laudos futuros –há cerca de 30 em andamento na Operação Lava Jato e centenas de obras apreendidas.
"É uma das formas mais tradicionais de se lavar dinheiro, porque a obra de arte não desvaloriza. Pelo contrário, o valor multiplica", comenta a museóloga Patricia Moura, que atuou como laudista na apreensão dos quadros de Duque.

"É uma bela poupança que pode ser guardada em qualquer lugar, e invisível aos olhos da maioria."
Outras técnicas também estão sendo testadas: num quadro do artista Sergio Telles, por exemplo, que viveu no Líbano, a PF pretende analisar os fungos no fundo da tela, para avaliar se eles são típicos daquela região.

A equipe ainda prepara as malas para avaliar o acervo de Márcio Lobão, filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA), que teve 1.200 obras apreendidas no Rio de Janeiro. A metodologia pode ter consequências no mercado de arte brasileiro, ao detectar falsificações em galerias, leilões e museus.

"Isso denigre o mercado, os espaços de exposição", diz Moura. "É de interesse de todos. Serve para dizer: você não está comprando gato por lebre. E quem ganha, no fim, é o público."
O objetivo dos peritos é lançar um "laboratório de obras de arte" na PF, para que os laudos saiam "igual pão quentinho", diz Salvador.
O plano, porém, carece de investimento: apenas um dos equipamentos custa R$ 1,5 milhão.

Preso há dois anos, Duque, que tenta firmar um acordo de delação, admitiu em depoimento recente que parte dos quadros foi comprada com dinheiro ilícito, mas diz que colecionava por gosto.
"Obra de arte não é para ficar fazendo negócio; não é para quem não entende do assunto", afirmou.
|
Matéria de Estelita Hass Carazzai, de Curitiba, para o jornal “Folha de São Paulo”, em 20/06/17.

Polícia prende em SP homens suspeitos de furto de livros raros em bibliotecas +

A Polícia Civil de São Paulo prendeu dois homens por suspeita de furto e receptação de livros raros em 31/10/16. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, eles portavam obras das bibliotecas da Faculdade de Direito e da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo).
Os suspeitos, de acordo com a pasta, identificavam-se como professor e aluno da instituição para terem acesso às obras raras das bibliotecas. Imagens de câmeras de segurança mostram os dois agindo na biblioteca da FAU.
Ambos já haviam sido presos por esse mesmo crime, segundo a pasta da Segurança. Um deles é biblioteconomista por formação. Outro, já era procurado pela Justiça.
Com os suspeitos, além das obras da Universidade de São Paulo, os policiais também apreenderam cinco livros franceses escritos em 1734 e livros da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O material apresentava páginas rasgadas.
|
Texto originalmente publicado no jornal “Folha de S. Paulo” | 31/10/16.

Nova etapa da Boca Livre investiga fraudes de R$ 25 milhões da Lei Rouanet +

O Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria Geral da União (CGU) participa da Operação Boca Livre S/A, nesta quinta-feira (27/10/16), com o objetivo de apurar desvios de recursos públicos por empresas patrocinadoras de projetos culturais beneficiadas pela Lei Rouanet (Lei 8.313/1991). A ação é realizada em parceria com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal na capital São Paulo e em mais seis municípios paulistas. A operação investiga desvios de R$ 25 milhões na Lei Rouanet.
A Lei Rouanet foi criada no governo Fernando Collor (PTC/AL), em 1991. A legislação permite a captação de recursos para projetos culturais por meio de incentivos fiscais para empresas e pessoas físicas. Na prática, a Lei Rouanet permite que uma empresa privada direcione parte do dinheiro que iria gastar com impostos para financiar propostas aprovadas pelo Ministério da Cultura para receber recursos.
Segundo nota divulgada pelo Ministério, o trabalho é desdobramento da Operação Boca Livre, deflagrada em junho deste ano, e resultado do aprofundamento da investigação, que apurou o envolvimento de novas empresas no esquema, que atuavam como “incentivadoras”. Foi identificada a ocorrência de fraudes como superfaturamento, serviços fictícios, projetos duplicados, utilização de terceiros para proposição de projetos e prestação de contrapartida ilícita às instituições.
As empresas investigadas financiavam os supostos projetos culturais, que eram subsidiados com os incentivos fiscais e condicionavam o patrocínio à obtenção de vantagens indevidas, como shows, exposições, espetáculos teatrais e publicação de livros. Os projetos com indicativos de reprovação de contas alcançam o montante de R$ 28,7 milhões, podendo chegar a mais de R$ 58 milhões, considerando as prestações de contas ainda em análise.
Mais de 100 pessoas, entre policiais e auditores da CGU participam da operação. Estão sendo cumprindo 28 mandados de busca e apreensão na sede de empresas nos municípios de São Paulo, São Bernardo do Campo, Santo André, Campinas, Jundiaí, Barueri Cerquilho e Várzea Paulista.
Em 28 de junho de 2016, o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Federal deflagraram a Operação Boca Livre, para apurar desvios de recursos públicos relacionados a projetos culturais aprovados pelo Ministério da Cultura (MinC) com benefícios advindos da Lei Rouanet. De acordo com as investigações, grupo criminoso atuou por cerca de 20 anos no órgão na aprovação de projetos que somam R$ 170 milhões.
|
Texto de Fausto Macedo e Julia Affonso originalmente publicado no site do "Estadão" (estadao.com.br) | 27/10/16.

Se achadas, obras sumidas poderiam formar maior museu de arte do Brasil +

Sejam bem-vindos ao maior museu do Brasil! Uma coleção que reúne obras de mestres das artes plásticas, Dalí, Picasso, Monet, Aleijadinho, não só do Brasil, mas de todo o mundo. Infelizmente ninguém pode ver essa coleção, porque todas essas obras estão desaparecidas.

No dia 26 de fevereiro, o maior roubo de obras de arte do Brasil completou 10 anos. O assalto ao Museu Chácara do Céu, no Rio, aconteceu durante o carnaval de 2006. Na ocasião, bandidos aproveitaram um bloco de carnaval que desfilava ali, entraram no museu armados e levaram quadros de Dalí (Os Dois Balcões), Matisse (Jardim de Luxemburgo - foto), Monet (Marinha) e Picasso (A Dança), avaliados, na época, em US$ 50 milhões.

De acordo com especialistas em segurança, a fragilidade do patrimônio artístico e histórico nacional é enorme. Prova disso são os roubos de arte sacra, um problema muito mais grave que os roubos a museus. A lista oficial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Iphan, registra 1.644 peças sacras sumidas no Brasil. O destino dessas obras quase sempre é desconhecido; muitas vão parar em antiquários.

O Fantástico descobriu o paradeiro de obras retiradas de igrejas, todas hoje em mãos de colecionadores. Em trabalho independente, a equipe que cuida do patrimônio histórico no Ministério Público de Minas Gerais já recuperou quase 700 obras. As peças foram redistribuídas a museus de Minas Gerais. A maioria estava no Rio ou em São Paulo.
|
Fonte: site G1 – Fantástico, em 13/03/2016.

O assalto ao Museu Castro Maya. Um crime sem solução +

O assalto ao Museu Castro Maya, no Rio de Janeiro (RJ), é um dos dez maiores roubos de arte do mundo. Oito anos depois, ninguém foi preso, e a polícia parou de investigar.

Capítulo 1
Picassos e Matisses no meio de um bloco de carnaval
Sexta-feira, véspera do Carnaval de 2006. Dia em que o tradicional Bloco das Carmelitas reúne foliões vestidos de freira no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, e causa grande transtorno na vizinhança. No mesmo bairro, o Museu Castro Maya, fundado em 1963 com a casa e a coleção do industrial de mesmo nome, dispensa sua equipe mais cedo. Foi esse o palco do maior roubo de obras de arte da história do Brasil, considerado pelo FBI um dos dez maiores do mundo. Quatro homens com menos de 30 anos, um deles menor de idade, vestindo bonés e camisetas, entraram no museu como visitantes, renderam vigias que não estavam armados, arrancaram quatro quadros das paredes e fugiram, misturados na bagunça dos carmelitas. Aproveitaram a oportunidade para levar a bolsa de duas turistas estrangeiras que visitavam o museu. Até hoje, não foram encontrados os culpados – e a história da investigação diz muito sobre o baixo índice de solução de crimes no Brasil.
Os bandidos foram orientados por alguém a pegar o que havia de mais valioso em exposição. Subiram ao 1° andar, onde ficava a sala de jantar e a biblioteca. Retiraram da parede da biblioteca uma pintura grande de Pablo Picasso e um quadro do francês Henri Matisse. Dias depois, ele foi oferecido por US$ 13 milhões num site de leilões russo. Da parede oposta, arrancaram a obra “Os Dois Balcões”, da fase mais criativa de Salvador Dalí. Da sala de jantar, retiraram uma paisagem marinha do impressionista Claude Monet. Cortaram o fio de náilon que a sustentava usando uma faca de prata que estava sobre a mesa.
A fuga foi marcada por atropelos. Coube ao menor dos bandidos carregar o quadro “A Dança”, de Picasso, com 1 metro de altura e moldura pesadíssima. Atrapalhado com o peso e o tamanho da obra, ele caiu de costas na trilha pelo meio da mata, usada na fuga. Com a queda, a pintura de US$ 15 milhões sofreu um rasgo lateral.
Quando o perito da Polícia Federal chegou ao museu, policiais militares, civis, funcionários e até jornalistas circulavam pela cena do crime. O agente coletou impressões digitais numa travessa de louça e num vidro da estante, retirado pelos ladrões para roubar um volume de gravuras de Picasso.

Capítulo 2
Os telefones foram grampeados, mas ninguém gravou as escutas
A investigação caiu nas mãos de Isabelle Vasconcellos Kishida, uma delegada atraente que tinha 27 anos, responsável pela Delegacia de Combate a Crimes contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal. Surpreendida no meio do Carnaval, Isabelle interrogou vigilantes, mandou fazer retrato falado dos bandidos e descobriu no Morro dos Prazeres, não muito longe do museu, indícios de que os ladrões haviam queimado a moldura de três quadros para facilitar o transporte das obras.
Uma denúncia anônima a levou até Paulo Gessé, motorista que ajudara na fuga dos bandidos, numa Kombi. Ele morava a 500 metros dali. Confessou sua participação e disse que foi coagido. Imediatamente, Isabelle pediu que o telefone de Gessé fosse grampeado. Era Carnaval, e não havia ninguém na central de escuta da Polícia Federal. Os agentes de plantão haviam sido deslocados para ajudar numa apreensão de 500 quilos de maconha. Isabelle improvisou. Pediu que a operadora de telefonia desviasse o grampo para seu celular pessoal. Durante os cinco dias em que o telefone de Gessé foi grampeado, só ela conseguiu ouvir as conversas. Nenhuma ligação foi gravada. Segundo Isabelle, no dia seguinte ao crime, Gessé recebeu a chamada de alguém informando que havia “dado tudo certo” e que sua Kombi retornava da “entrega”. Não foi possível localizar posteriormente o número do telefone de onde partiu a ligação. Dias depois, noutra conversa que Isabelle acompanhou, o advogado de Gessé disse que manteve contato com “o chefe”. A declaração de Isabelle foi suficiente para que o juiz decretasse a prisão preventiva de Gessé. Quando ele foi julgado, não havia provas concretas. O próprio Ministério Público Federal pediu a absolvição, alegando que “as palavras da douta Delegada Federal restam vazias” diante da ausência das gravações.

Capítulo 3
A caça aos suspeitos
As investigações prosseguiram. Um crime sofisticado como esse certamente deveria ter um mandante, possivelmente estrangeiro. Não ficou esclarecido se a oferta da pintura de Matisse no site russo era real nem se fora feita pelo próprio bandido. Quadros roubados que entram na lista da Interpol, como nesse caso, não são oferecidos em venda pública. O mandante poderia guardar em casa, para seu próprio deleite, ou vender no mercado negro a colecionadores com a mesma disposição. A polícia chegou a alguns nomes por meio de denúncias anônimas. Um deles era Patrice Charles Rouge, francês naturalizado brasileiro, interessado em arte, que costumava trabalhar no mercado de pedras preciosas. Ele morava em Santa Teresa, perto do museu e do Morro dos Prazeres. Isabelle reuniu seus homens e partiu para uma busca em sua casa. Era um dia de semana, no meio da tarde. Os agentes vestidos de preto, fortemente armados, cercaram a entrada. Um deles tocou o interfone e disse à empregada que tinha uma encomenda para entregar. Quando a moça saiu, eles a renderam e invadiram o lugar.
Dentro da casa, um homem trocava de roupa no quarto. Quando os agentes entraram, encontraram o ator Osmar Prado. O susto foi das duas partes. Osmar comprara a casa havia dois anos. Achou que os policiais fossem bandidos. Desfeito o equívoco, ele repreendeu duramente os agentes, aos berros. “Eles me acalmaram, pediram desculpas pelo erro e disseram que entraram assim, com receio de que o bandido jogasse as obras no mato. Na época, me pediram para não contar o ocorrido para ninguém, e realmente não contei”, diz Osmar.
O outro suspeito – talvez em dupla com Patrice – era o também francês Michel Cohen. Ele atuara durante 20 anos no mercado de arte americano e praticara fraudes envolvendo quadros de artistas como Picasso, Matisse e Dalí. Cohen pegava pinturas em consignação nas grandes galerias ou casas de leilão nos Estados Unidos, como a Sotheby’s, as vendia a colecionadores no mundo todo e não repassava o dinheiro recebido. Ele mudou-se para o Brasil após ser indiciado por mais de 20 casos de fraude nos Estados Unidos. Em 2003, foi preso pela Interpol no centro do Rio. O governo americano pediu sua extradição. Enquanto aguardava o julgamento, ele foi mandado para o presídio Ary Franco, onde dividia com outros presos uma cela úmida no subsolo. Alegando problemas de saúde, foi transferido para um hospital penitenciário. Um dia simulou um ataque. Precisava de transferência urgente para outro hospital. A ambulância estava quebrada, e o agente penitenciário Edmar Barbosa de Andrade o levou em seu carro. Não algemou Cohen, nem travou as portas do carro. Quando o veículo parou no sinal vermelho, Cohen abriu a porta e sumiu. Edmar foi autuado por facilitação da fuga. A extradição de Cohen foi negada pelo Supremo Tribunal Federal, porque o governo americano não enviara os documentos em português – e porque Cohen já estava desaparecido mesmo. O roubo ao museu aconteceu três anos depois de sua fuga. A delegada Isabelle tentou localizá-lo, sem sucesso.
Em 2011, cinco anos após o roubo, a delegada Simone Soares Leite substituiu Isabelle. Ela tomou uma iniciativa aparentemente óbvia, que até então ninguém tomara: pediu a quebra do sigilo telefônico dos suspeitos para verificar o histórico das ligações seis meses antes e seis meses depois do crime. A quebra se referia ao período entre setembro de 2005 e setembro de 2006. As operadoras responderam que tal informação era impossível, pois a lei determina o prazo máximo de cinco anos para guardar o histórico das chamadas.
Em outubro de 2013, o procurador do Ministério Público Fernando José Aguiar enviou um despacho à Polícia Federal questionando por que, até aquele momento, sete anos depois do roubo, o resultado dos exames das impressões digitais colhidas no museu não saíra. Dois meses depois, o perito Márcio Corrêa Martins, que colhera as impressões digitais, informou que o local do crime não fora preservado e que nenhum dos vestígios coletados tinha qualidade técnica suficiente para identificar qualquer suspeito. Depois de novos trâmites burocráticos, em setembro deste ano, o delegado Éder Francis Oliveira enviou um relatório ao juiz responsável e pediu o fim das investigações.
“Época” encontrou pistas dos dois suspeitos que apareceram na investigação. Patrice tem em seu nome uma empresa chamada Brazilian Showroom, com endereço na Upper Richmond Road, em Londres. Também consta um endereço residencial na cidade de Albi, na França. Ele tem uma filha advogada, dona de um escritório no centro do Rio. Ela nega a participação do pai no assalto. O francês Cohen continua com paradeiro desconhecido. Sua mulher, Ulricke Zenkell, mora na França, com os três filhos do casal. Ela trabalha com joias numa empresa chamada Société d’Affinage et Apprêts de Métaux Précieux, com sedes nas cidades de Limonest e Lyon. Gregória, como é conhecida no Brasil, tem conta no Facebook e vários amigos brasileiros. Os filhos de Cohen visitam o Brasil todos os anos.
|
Texto de Marcelo Bortoloti originalmente publicado na revista Época | 12/12/14.

Escultura é roubada no Centro de São Paulo +

Os roubos de esculturas e peças de bronze atingiram um nível insuportável nos últimos dias. Como se já não bastasse o roubo de peças cemiteriais e partes de estátuas espalhadas pela cidade de São Paulo, agora estão partindo para o roubo de obras de arte inteiras, como o que aconteceu recentemente na rua 7 de abril, na região central da cidade.
Instalada na entrada do prédio do Banco das Nações desde que o imóvel foi inaugurado, na década de 1960, a escultura representando um semeador foi roubada por dois homens que a arrancaram e a levaram em uma carroça. Apesar de o edifício ter câmeras de segurança, ainda não foi possível identificar os criminosos. Veja o vídeo em www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=sJdMpLvfsvA
Na base da escultura, de granito, está o lema do banco, que diz “poupar, semear, prosperar”. O Banco das Nações foi bastante atuante em São Paulo, especialmente nas década de 1950 e 1960, quando mantinha dois edifícios na capital, este na rua 7 de abril, e outro na região da rua 25 de março.
|
Texto de Douglas Nascimento originalmente publicado no site www.saopauloantiga.com.br | 12/03/15.