destaques
conteúdo
publicidade

ALIANÇA FRANCESA | Botafogo

  • A exposição Cidade Luz - fotografias de Christina Bocayuva e André Sheik reúne conjunto de trabalhos do fotógrafos, como parte da programação do evento Nuit Blanche Niterói (a partir de 06/10/17, às 19h).

ATELIÊ DA IMAGEM ESPAÇO CULTURAL

  • A mostra "A Casa é Quando a Gente Volta" reúne obras da fotógrafa e cineasta Ana Costa Ribeiro, entre em filme, fotografia e instalação, dividas em dois núcleos, onde trata da relação entre o espaço e o tempo indissociável e as poéticas do deslocamento entre eles. Na ocasião, às 20h, ocorre a Sexta Livre com premiação dos dois ensaios selecionados para a 17ª edição dôo projeto Vitrine, que teve Memória como tema (de 02/02/18, às 19h, 07/04/18).

CAIXA CULTURAL - Av. Almirante Barroso

  • Superfícies Sensíveis pele.muro.imagem, com curadoria de Icaro Ferraz Vidal Jr. e Laila Melchior, reúne trabalhos de 21 jovens artistas contemporâneos brasileiros, que abordam a temática da superfície como potência, possibilidade crítica e estética, apresentando obras que estão conectadas ao passado e ao mesmo tempo que indicam rotas para o futuro. Participam Alexandre Vogler, André Parente, Bruno Baptistelli, Iris Helena, Járed Domício, Milena Travassos, Néle Azevedo, Raphael Cardoso, Yuli Yamagata, Yuri Firmeza e outros (de 09/01/18, às 19h, a 04/03/18).
  • A mostra Francisco Brennand – Mestre dos Sonhos reúne cerâmicas, pinturas e desenhos criados pelo artista pernambucano aclamado por sua arte sincrética, ancestral e peculiar. Com curadoria e projeto expográfico de Rose Lima, a exposição conta com 31 obras do acervo original do artista, criadas em diversas fases da sua trajetória, que evidenciam temas como reprodução, mitologia, sexualidade, fauna e flora, personagens históricos e divindades da tradição popular do Nordeste (de 13/01/18, às 16h, a 11/03/18).
  • A exposição “Rugendas” traz trabalhos de um dos mais conhecidos artistas viajantes e responsável pela divulgação das primeiras imagens do Brasil, o alemão Johann Moritz Rugendas (1802-1858). São expostas 50 obras do artista, entre um panorama de sua obra com desenhos, aquarelas, litografias e pinturas, divididos em três núcleos. Em sua trajetória, retratou o país durante os anos 1820 com toda a exuberância da natureza e os costumes da população, ao lado de Debret, e entre as obras reunidas estão presentes 36 originais do famoso álbum “Viagem pitoresca através do Brasil” (Voyage Pittoresque dans le Brésil), considerado um dos mais importantes documentos iconográficos sobre o Brasil do século 19. A curadoria é de Angela Ancora da Luz (de 27/01/18 a 11/03/18).
  • A mostra “Dorminhocos” traz um conjunto 145 fotografias do antropólogo e fotógrafo francês Pierre Verger. A série exibida traz imagens que retratam o modo como as pessoas descansavam em lugares públicos, feitas entre as décadas de 1930 e 1950, em países como Argentina, Peru, Congo, China, Polinésia Francesa, Guatemala, México e no Brasil. Curadoria de Raphael Fonseca. Em 03/02, às 16h, ocorre uma visita guiada com o curador (de 20/01/18, às 16h, a 18/03/18).
  • Centro: av. Almirante Barroso, 25, esquina com av. Rio Branco, próximo à estação Carioca do Metrô, tels. (21) 3980-3815. Ter. a dom., 10h/21h. www.caixacultural.com.br

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

  • A exposição Ex Africa revela a diversidade da arte contemporânea africana através de trabalhos de dezenas de artistas nigerianos, sul africanos, angolanos e afro-brasileiros. São performances, música, instalações, fotografias, videoarte e pinturas, a maioria deles inéditos no Brasil, feitas por Kudzanai Chiurai (Zimbábue, fotografia); Leonce Raphael Ogbodjelou (Benim, fotografia), Arjan Martins (Brasil, pintura), Omar Victor Diop (Senegal, fotografia), Ibrahim Mahama (Gana, Instalação) e J.D. Okhai Ojeikere (Nigéria, fotografia). Inclui ainda a sala Clube Lagos, com videoclipes de afrobeat traçando um panorama da música popular da maior cidade africana, Lagos. Quem assina a curadoria do espaço é Ade Bantu, músico nigeriano-alemão (1971), produtor e ativista social, criador de um Festival de Música em Lagos (Nigéria), e fundador do coletivo musical afro-alemão Brothers Keepers. Curadoria de Alfons Hug (de 20/01/18 a 26/03/18).
  • A grande retrospectiva do artista nova-iorquino de ascendência afro-caribenha Jean-Michel Basquiat reúne 80 peças, entre quadros, desenhos, gravuras e pratos pintados, pertencentes à coleção da família Mugrabi, dona das maiores coleções de Basquiat do mundo. A retrospectiva traz obras feitas logo depois que ele deixou de vender cartões postais de sua autoria nas ruas até os momentos finais de sua produção. Nessa trajetória, ganham destaque os desenhos, que eram menos valorizados anteriormente. As obras são do megacolecionador israelense Jose Mugrabi. A mostra já passou pelas cidades de São Paulo, Brasília e Belo Horizonte (de 12/10/18 a 08/01/19).
  • O espaço tem várias salas de exposição, três teatros, um cinema, dois auditórios, um salão de chá, uma bomboniére e uma biblioteca com cerca de 140 mil volumes. Livro do Artista é exposição permanente com trabalhos exclusivos de artistas como Anna Maria Maiolino, Artur Barrio, Beatriz Milhazes, Carlos Zílio, Gabriela Machado, Luciano Figueiredo, Nuno Ramos e Waltercio Caldas.
  • O Banco do Brasil e Sua História conta a história do banco, que em 2008 completou 200 anos. A mostra recria, com mobiliário de época, o ambiente que abrigou a Presidência do banco no período de 1937 a 1960. Visitação: ter. a dom., 10h/18h.
  • A exposição permanente Galeria de Valores abriga a Coleção de Numismática do banco. São mais de 36 mil moedas. Curadoria de Denise Mattar.
  • Centro: r. Primeiro de Março, 66, estação Uruguaiana do Metrô, tel. (21) 3808-2020. Qua. a seg., 9h/21h. www.bb.com.br/cultura

CENTRO CULTURAL LIGHT

  • O edifício, construído em 1911 como sede e garagem de bondes da Light, abriga desde 1994 o centro cultural que oferece ao público diversos espaços e galerias, além do Teatro Lamartine Babo. Exibe um acervo fotográfico sobre o Rio Antigo e arquivo de textos relativo aos serviços prestados pela Light desde 1904.
  • Centro: av. Marechal Floriano, 168, tels. (21) 2211-4420 / 4543. Ter. a dom., 9h/21h. www.lightrio.com.br

CENTRO SEBRAE DE REFERÊNCIA DO ARTESANATO BRASILEIRO

  • A mostra Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão traz um panorama das grandes celebrações brasileiras - religiosas, rituais ou profanas - a partir de seus objetos, adereços, máscaras, vestimentas e instrumentos musicais produzidos por artesãos de todo o país especialmente para essas ocasiões. Com curadoria de Raul Lody e Leonel Kaz, a exposição possibilita que o público mergulhe em festas como Folia de Reis, do Divino Espírito Santo, Bumba-Meu-Boi, o Carnaval, Congada, as Cavalhadas, os Reisados, o Maracatu Rural, o Boi de Mamão, em várias regiões, e festejos rituais indígenas, entre muitas outras manifestações (de 20/07/17, às 19h, a 31/03/18).

ESPAÇO FURNAS CULTURAL

  • A exposição Olhares Cruzados - 10 anos apresenta a trajetória do projeto de intercâmbio cultural através de oficinas de fotografia e entre crianças e adolescentes do Brasil, África, América Latina e Caribe. São expostas 24 fotografias dos fotógrafos Ricardo Teles, Andréa D’Amato, José Bassit, Sérgio Zacchi, o moçambicano Mauro Pinto, o boliviano Fernando Sória, o senegalês Kane Sy e o etíope Yemane Gebresalassie, que acompanharam de perto as oficinas e se inseriram no processo. A exposição ainda conta com 24 painéis com fotografias, desenhos, entrevistas e reprodução de objetos produzidos pelos jovens (a partir de 17/09/15).
  • Botafogo: r. Real Grandeza, 219, tel. (21) 2528-5166. Seg. a sex., 9h/17h. www.furnas.com.br

INSTITUTO CERVANTES

  • A mostra Nosoutros – Outra Visión de Las Américas reúne obras recentes, entre pintura, desenho, vídeo, objeto, escultura, instalação e performance, dos artistas latino-americanos Camila Valdeavellano, Julie Brasil, Lucas Lugarinho, María Andrea Trujillo Mainieri, Omar Alonso García Martínez, Ricardo Larangeira e Stella Margarita. Através de suas trajetórias particulares, os artistas compartilham experiências e vivências atravessadas pelo “outro” e propõem deixar de olhar para “nós” como estrangeiros de nós mesmos. Ser latino-americano é enfrentar o que o outro não existe, na medida em que a nossa construção identitária costura as diferenças e nos torna parte de um tecido que nos une. Curadoria de Claudio Tobinaga (de 01/12/17, às 19h, a 28/02/18).
  • Botafogo: r. Visconde de Ouro Preto, 62, tel. (21) 3554-5910. Seg. a sex., 10h/19h; sáb., 10h/17h. riodejaneiro.cervantes.es

INSTITUTO MOREIRA SALLES - Gávea

  • Conflitos: Fotografia e Violência Política no Brasil 1889-1964 contradiz a imagem do Brasil como país pacífico e oferece um olhar sobre a história nacional que colabora na compreensão da atual crise política. A mostra traz um panorama de imagens de guerras civis, revoltas e outros episódios de confronto envolvendo o Estado brasileiro, e mostra o papel da fotografia nesses eventos, seu uso político e suas formas de circulação, de autores como Juan Gutierrez e Flávio de Barros, e inúmeros anônimos, amadores ou profissionais, nos mais diversos suportes. Curadoria de Heloisa Espada (de 25/11/17, às 18h, a 25/02/18).
  • A casa inaugurada em 1951, com projeto arquitetônico de Olavo Redig de Campos (1906-1984) e paisagístico de Roberto Burle Marx (1909-1994), foi residência da família Moreira Salles. Posteriormente foi adaptada e transformou-se em centro cultural. Atualmente abriga salas de exposição e de aula, biblioteca, auditório, cafeteria, loja de arte, ateliê e dependências para hóspedes.
  • Gávea: r. Marquês de São Vicente, 476, tel. (21) 3284-7400. Ter. a dom., 11h/20h. www.ims.com.br

OI FUTURO

  • A primeira edição da Bienal de Arte Digital, promovida pelo Festival de Arte Digital (FAD), reúne trabalhos de cerca de 20 artistas brasileiros e estrangeiro selecionados por convocatória. Os trabalhos têm como finalidade refletir e trazer para debate a experimentação de novas linguagens artísticas com o uso de novas ferramentas e tecnologias. Participam Aline Xavier, Ana Moravi, André Damião, Antonella Mignone e Cristiano Panepuccia (Itália), Axel Cuevas Santamaria (México), Bella, Carla Chan (China), Georgie Grace (Inglaterra), Jack Holmer, Joana Boechat e Henrique Roscoe, Leandro Aragão, Marco Donnarumma (Itália), Rodrigo Ramos, Ruy Cesar Campos, e convidados Daniel Cruz (Chile), Ivan Henriques (Brasil/Holanda), Joe Davis (Estados Unidos), Mark Klink (Estados Unidos) e Solimán Lopez (Espanha) (de 05/02/18 a 18/03/18).
  • O espaço funciona no prédio de 1918 do antigo Museu do Telephone, no Flamengo. Ele chamava-se Centro Cultural Telemar até novembro de 2006, quando foi adotado o nome Oi Futuro.
  • O Museu das Telecomunicações, inaugurado em janeiro de 2007 no Oi Futuro, tem 210 m² e ocupa o sexto andar do espaço cultural. Ele apresenta exposição permanente sobre a história da comunicação humana, com documentos e objetos museológicos aliados a recursos de alta tecnologia. São mais de 120 vídeos produzidos por cerca de 90 instituições nacionais e internacionais. O museu trabalha com hipertexto, permitindo aos visitantes uma infinidade de “janelas” de informações num mesmo local. Na entrada, o visitante recebe um aparelho portátil para que possa interagir com as instalações e ouvir os textos dos filmes exibidos. Um dos principais objetos em exposição é um exemplar do primeiro PC vendido no mundo - ele está imerso numa espécie de cubo gigante de gelo. Visitação: ter. a dom., 11h/17h.
  • Flamengo: r. Dois de Dezembro, 63, tel. (21) 3131-3060. Ter. a dom., 11h/20h. www.oifuturo.org.br

OI FUTURO - IPANEMA

  • A filial em Ipanema do Oi Futuro, inaugurada em setembro de 2009, instalada em um edifício art déco, ocupa 1.500 m² de uma antiga central telefônica. O espaço conta com galeria de arte, sala para exibição de peças e filmes, um café e uma filial da Oi Kabum! Escola de Arte e Tecnologia.
  • Ipanema: r. Visconde de Pirajá, 54, tel. (21) 3131-9333. Ter. a dom., 13h/21h. www.oifuturo.org.br

SOLAR GRANDJEAN DE MONTIGNY

  • O solar é um exemplo da arquitetura neoclássica brasileira. Tombado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) desde 1938, preservado e restaurado, fica na entrada do campus da PUC-Rio (é museu universitário da instituição desde 1980). Construído como residência do arquiteto francês Auguste Henri Victor Grandjean de Montigny (1776-1850), que veio ao Brasil em 1816 integrando a Missão Artística Francesa trazida por D. João VI, é considerado um dos mais importantes exemplos da adaptação da arquitetura neoclássica ao clima tropical. Realiza exposições históricas e artísticas dedicadas à cultura brasileira dos séculos 19 ao 21. Também oferece acervo com obras de artistas brasileiros e estrangeiros que participaram de exposições no local, como Burle Marx, Thereza Miranda, Carlos Scliar, entre outros, doadas pelos próprios artistas ou por suas famílias. Tem ainda arquivo e biblioteca.

THE MAZE

  • O espaço inaugurado em 1997 possui acervo permanente com cerca de 50 obras dos artistas Nadkarni, Urbinati e Darel, além de fotografias de diversos autores. A arquitetura da edificação é inspirada no estilo mediterrâneo.
  • Catete: r. Tavares Bastos, 414, tel. (21) 2558-5547.

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ - campus Praça Onze

  • O campus Praça Onze abriga a mostra permanente Exposição do Acervo da UniversidArte, com obras de Abraham Palatnik, Adriana Tabalipa, Aluisio Carvão, Daniel Senise, Fatima Magalhães, Frederico Dalton, João Carlos Goldberg, Luiz Ernesto, Nelson Felix, Rosana Ricalde e outros.

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ - campus Presidente Vargas

  • Exposição Permanente do Acervo da UniversidArte reúne obras de Abraham Palatnik, Adriana Tabalipa, Aluisio Carvão, Ana Muglia, Angela Freiberger, Angelo Venosa,Carlos Muniz, Daniel Senise, Eliane Duarte, Enrica Bernardelli, Fatima Magalhães, Frederico Dalton, João Carlos Goldberg, João Magalhães, João Uchôa, Leila Danziger, Lia do Rio, Luciano Figueiredo, Luiz Ernesto, Nelson Felix, Regina Vater, Rosana Ricalde, Suzi Coralli, Vicente de Mello e Walton Hoffmann.