destaques
conteúdo
publicidade

ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA

  • A mostra “A Luz das Coisas e os Cenários do Mundo”, de Yugo Mabe, traz resultado de oito oficinas de arte ministradas pelo artista, com trabalhos dos participantes do Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural (IOK), que atende crianças e jovens com deficiência intelectual e em vulnerabilidade social. Curadoria de Silvana Gualda e Camilla Kury. Na abertura,ocorre o lançamento do livro homônimo com textos de Jacob Klintowitz (de 08/05/18, às 19h, a 30/05/18).
  • A Sala Modernista exibe mostra permanente com mais de 60 obras, datadas entre o período de 1930 a 2009, de Alex Flemming, Aldemir Martins, Aldo Bonadei, Anita Malfatti, Caciporé Torres, Claudio Tozzi, Di Cavalcanti, Maria Bonomi, Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi, José Pancetti, Lasar Segall, Flávio de Carvalho, José Antonio da Silva, Cândido Portinari e outros.
  • Bela Vista: av. Brigadeiro Luiz Antonio, 278, 8º andar, tel. (11) 3188-4304. Seg. a sex., 9h/19h. www.apm.org.br

CAIXA CULTURAL

  • A mostra “O Último Império” do fotojornalista russo Serguei Maksimishin retrata a Rússia contemporânea em 65 fotografias, entre cenas do cotidiano do país, que reflete um virtuosismo na relação entre luminosidade e enquadramento, assim como na construção das imagens, mostrando a complexidade do universo artístico de um fotógrafo seu olhar sensível e corajoso. Curadoria de Luiz Gustavo Carvalho. Na abertura ocorre uma visita guiada com o artista e o curador (de 29/05/18, às 19h, a 29/07/18).
  • A artista Alice Quaresma exibe obras recentes. Curadoria da Fernanda Lopes (de 04/08/18 a 30/09/18).

CASA DA BOIA CULTURAL

  • A mostra inaugural Entre Papéis, Fotografias e Objetos: o Acervo de Rizkallah Jorge Tahan utiliza a trajetória do empresário Rizkallah Jorge Tahan, que fundou a Casa da Boia em 1898, para falar da influência dos imigrantes sírios e libaneses no desenvolvimento de São Paulo. A exposição reflete o momento da expansão da cidade, entre o final do século XIX e início do século XX, com o crescimento da construção civil. A exposição integra as comemorações dos 120 anos da Casa da Boia, que será celebrado em 18/05 (de 14/05/18 a a 29/06/18).

CENTRO BRASILEIRO BRITÂNICO

  • O 22º Cultura Inglesa Festival promove universo da cultura britânica e ser uma experiência multicultural totalmente gratuita para vivenciar a cultura e a língua inglesa, na cidade. Destaque para o cantor e compositor da nova geração do pop britânico George Ezra, que se apresenta 10/06 no Memorial da América Latina. O Festival apresenta também os jovens acrobatas do Barely Methodical Troupe, em 08, 09 e 10/06 no Teatro Sérgio Cardoso. No Centro Cultural ocorrem exposições de artes visuais, teatro, atividades infantis, dança e curtas-metragens criados e desenvolvidos por artistas e produtores nacionais, que se inspiram em aspectos da cultura do Reino Unido e que foram selecionados via edital público do Festival (de 26/05/18 a 17/06/18).
  • Mariana Vaz e Mirella Marino apresentam uma paisagem sonora, onde sussurros de histórias e lembranças das transformações recentes do Largo da Batata, compõem a instalação. Os depoimentos coletados serão costurados a um material proveniente de arquivos históricos, erigindo a peça sonora inspirada na obra “Learning Language from a Wall”, de Paul Elliman (de 26/05/18 a 10/06/18).
  • Em “At Home | Em Casa”, a artista brasileira Flavia Mielnik e a britânica Lucy Joyce apresentam série de trabalhos feitos a partir do diálogo e da exploração entre suas cidades de origem: São Paulo e Londres. As práticas de ambas compartilham um terreno comum de ação e site-specific, onde tratam diretamente da paisagem, com interferências temporais e de recursos específicos para enquadrar, interromper, ou destacar. Curadoria de Holly Willats (de 26/05/18 a 10/06/18).
  • A instalação de Jimson Vilela tem como referência a prosa tardia do autor irlandês Samuel Beckett, especificamente o conto “The Lost Ones”. A obra apresentará uma jaula com um sistema de luz onde 200 livros em branco de diversos formatos estarão depositados (de 26/05/18 a 10/06/18).
  • O CBB, inaugurado em 2000, foi idealizado pela Cultura Inglesa com o objetivo de reunir atividades relacionadas a cultura, educação, lazer e comércio entre Brasil e Reino Unido. O complexo foi projetado por Botti Rubin e conta com galerias de arte, biblioteca, restaurante, sala de espetáculos e salas de reuniões de algumas instituições, entre elas o Consulado Geral Britânico e a BBC.
  • Pinheiros: r. Ferreira de Araújo, 741, tel. (11) 3035-0500. Seg. a sex., 10h/19h; sáb. e dom., 10h/16h. www.cbb.org.br

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

  • Ex Africa revela a diversidade /contemporânea africana através de trabalhos de 18 artistas nigerianos, sul africanos, angolanos e afro-brasileiros, como Dalton Paula e Arjan Martins. São performances, música, instalações, fotografias, videoarte e pinturas, a maioria deles inéditos no Brasil, de o ganês Ibrahim Mahama , o retratista senegalês Omar Victor Diop, do fotógrafo e ativista zimbabueano Kudzanai Chiurai e de outros 15 artistas de oito países africanos, como os sulistas Michael Subotsky e Patrick Waterhouse. Inclui ainda a sala Clube Lagos, com videoclipes de afrobeat traçando um panorama da música popular da maior cidade africana, Lagos (Nigéria). Quem assina a curadoria do espaço é Ade Bantu, músico nigeriano-alemão (1971), produtor e ativista social, criador de um Festival de Música em Lagos, e fundador do coletivo musical afro-alemão Brothers Keepers. Curadoria de Alfons Hug. Na abertura, às 11h, o premiado artista nigeriano Jelili Atiku apresenta a performance “Alaagba”, que suscita inquietações comuns entre os grandes aglomerados urbanos subdesenvolvidos, como violência, pobreza, corrupção e radicalismo religioso, pelas ruas ao redor. No domingo, em 29/04, às 15h, Jelili realiza, ao lado do artista ganês Ibrahim Mahama e do brasileiro Arjan Martins, um debate sobre o momento artístico da África e as suas relações com a realidade brasileira. Os ingressos serão distribuídos a partir de uma hora de antecedência, na bilheteria do prédio (de 28/04/18 a 16/07/18).
  • Centro: r. Álvares Penteado, 112, tel. (11) 3113-3651. Qua. a seg., 9h/21h. Visitação com hora agendada pelo site www.ingressorapido.com.br, pelo aplicativo da Ingresso Rápido (IOS ou Android) ou na bilheteria. www.bb.com.br/cultura

CENTRO CULTURAL CORREIOS

  • A exposição "Descartes", da artista Myriam Glatt, reúne um conjunto de trabalhos produzidos a partir de materiais recolhidos em entulhos, que são apropriados pela artista e reutilizados como suporte das obras. As instalações site specific partem da pintura e da colagem e tratam sobre temas como ecologia, consumo, arquitetura e apropriação na arte contemporânea (de 22/03/18 a 30/05/18).

CENTRO CULTURAL DO SOLO SAGRADO DE GUARAPIRANGA

  • A artista mineira Ropre apresenta 12 obras inéditas na mostra“Sobrevoo”, selecioando via edital (até 13/05/18).
  • Em junho, o pintor e gravurista Ulysses Bôscolo realiza mostra individual.
  • Jardim Casa Grande, Parelheiros: av. Profº Hermann Von Ihering, 6.567 (antiga Estrada do Jaceguai), tel. (11) 5970-1000. Qua. a sex., 8h/15h. www.solosagrado.org.br

CENTRO CULTURAL FIESP

  • A mostra 100 Anos de Arte Belga apresenta um panorama da pintura belga moderna, através de 69 obras do acervo da Coleção Simon, desde o impressionismo de Emile Claus à abstração gestual de Louis Van Lint. A mostra reúne obras dos trinta e sete artistas, divididos em seções temáticas onde trabalhos de diferentes movimentos, enfatizam características compartilhadas, e revela a essência e a originalidade da arte belga. Participam trabalhos de Louis Van Lint (1909-1986), René Magritte (1898-1967), Paul Delvaux (1897-1994), James Ensor (1860-1949), Emile Claus (1849-1924), Pol Bury (1922-2005), Pierre Alechinsky (1927). Curadoria de Laura Neve (de 03/04/18 a 10/06/18).
  • Mostra Mens Rea: A Cartografia do Mistério apresenta fotografias e instalação do artista americano Mac Adams, que permitem ao espectador criar narrativas e interrogar a veracidade dos elementos, que transitam entre a realidade e a ficção. A exposição apresenta pela primeira vez no Brasil a obra do artista, um dos fundadores da Arte Narrativa (Narrative Art), movimento artístico criado em Nova York nos anos 1970. A mostra apresenta 17 dípticos da série fotográfica “Mistérios”, além de uma instalação inédita, criada a partir de imagens do artista e do arquivo de fotografia do Museu Nicéphore Niépce (Chalon sur Saône), um dos museus mais importantes de fotografia na Europa. Curadoria de Luiz Gustavo Carvalho e Anne-Céline Borey (de 17/4, às 19h30, a 8/7/18).
  • Cerqueira César: Av. Paulista, 1.313, estação Trianon-Masp do Metrô, tel. 3146-7439 (Também para agendamento de escolas e grupos). Ter. a sáb., 10h22h; dom., das 10h/20h. www.centroculturalfiesp.com.br

ESPACIO URUGUAY | BANCO DE LA REPUBLICA ORIENTAL DEL URUGUAY

  • Em “Pourquoi Pas”, a artista plástica, escritora e palestrante e ex-consulesa da França em São Paulo Alexandra Loras põe foco em questões de raça, gênero e diversidade em sua produção artística recente. Em 23/5, a partir das 14h, a artista realiza a palestra “Diálogos sobre Diversidade e Democracia Racial” (de 5/5 a 6/6/18).
  • Primeiro Espacio Uruguay construído no exterior, na sede do Banco de la República Oriental del Uruguay, foi inaugurado em 2011, pelo ex-presidente uruguaio José Mujica. O espaço mantém um calendário anual com manifestações artísticas da cultura de países com os quais o Uruguai mantém relações.
  • Cerqueira Cesar: av. Paulista, 1.776, 9º andar, elev. 3 e 4, próximo às estações Consolação e Trianon-Masp do Metrô, tel. (11) 3373-6648. Seg. a sex., 14h/18h. www.facebook.com/espaciouruguaysaopaulo

ESPAÇO CULTURAL HUMANAR

  • A mostra Arte Cusquenha: a Pintura Colonial Andina reúne cerca de 50 pinturas, a maior parte delas dos séculos 18 e 19, pertencentes a coleções particulares. A pintura colonial cusquenha, certamente a mais importante escola da América colonial espanhola, se caracteriza pela originalidade e grande valor artístico. Na abertura ocorre concerto de música medieval, com o grupo Les Folies; em 19/05, às 16h30, ocorre a palestra "Arte colonial na América Latina", ministrada pelo professor Percival Tirapeli (de 12/05/18, às 16h, a 16/06/18).
  • Barra Funda: r. Brigadeiro Galvão, 996, tel.: (11) 3047-3047. Qua., qui e sex., 13h/19h. Sáb. e fer., 11h/18h. www.humanar.art.br

ESPAÇO CULTURAL PORTO SEGURO | alameda Barão de Piracicaba

  • A exposição inédita “Campos Elíseos” reúne um conjunto de 40 imagens do fotógrafo Juan Esteves, que fazem parte de um projeto de registro da arquitetura do bairro paulistano histórico. A mostra é recorte o livro “Campos Elíseos - história e imagens”, com cerca de 100 imagens que mostram casarões e palacetes que serviram de residência aos fazendeiros da oligarquia cafeeira, no final do século 19, e construções de diferentes vertentes da arquitetura modernista e, em seguida, as metamorfoses heterogêneas do século 20. Curadoria de Antonio Carlos Suster Abdalla. Na abertura ocorre o lançamento do livro (de 17/03/18, às 11h, a 03/06/18).
  • A exposição “Instrumentos” traz uma seleção de nove videoinstalações do artista visual franco-tunisiano Ismaïl Bahri. As obras voltam-se para movimentos e elementos singelos: a veia pulsa, a linha separa, a mão amassa, o vento sopra, o fogo queima. Água, papel e tinta transformam-se de objetos a sujeitos protagonistas, onde instrumentos atuam como meio de intersecção entre o mundo físico e o mundo das ideias, liberando sutilmente uma série de hipóteses, cujos vereditos parecem ser indefinidamente adiados. Curadoria de Marie Bertran, e da diretora do Jeu de Paume, de Paris, Marta Gili (de 22/05/18, às 19h, a 22/07/18).
  • Com área total de 961m², o novo espaço integra o Complexo Cultural Porto Seguro, que abriga, em um mesmo quarteirão, o Teatro Porto Seguro, o restaurante e o café Gemma, além de obras de arte instaladas no entorno da sede da empresa. O Espaço é uma plataforma das mais diversas manifestações artísticas e culturais com ênfase no pensamento contemporâneo. O lugar atua como vitrine, observatório e usina de arte, promovendo o diálogo com a sociedade por meio de exposições, cursos, oficinas, palestras, laboratório de fabricação digital PortoFabLab e outros.
  • Campos Elíseos: alameda Barão de Piracicaba, 610, tel. (11) 3226-7361. Ter. a sáb., 10h/19h; dom., 10h/17h. Estacionamento pago no local. Vans gratuitas fazem o transporte de ida e volta da Estação da Luz (na saída Praça da Luz; Rua José Paulino) às dependências do espaço cultural. www.espacoculturalportoseguro.com.br

ESPAÇO CULTURAL VÉRTICE

  • O Espaço Cultural Vértice é uma iniciativa do Colégio Vértice para o incentivo à cultura. Fundado em 2010, oferece uma programação variada de cursos, palestras, oficinas e exposições.

FAROL SANTANDER

  • A exposição Vazios Povoados ocupará dois andares do edi´ficio com instalações do artista inglês Haroon Mirza e a dupla brasileira Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti. As obras buscam sensibilizar e provocar reflexões sobre novas formas de interagir com o mundo, por meio do experimentalismo da arte contemporânea, aliado as experiências multissensoriais. Na abertura, às 11h, ocorre uma visita guiada (de 29/05/18 a 09/09/18).
  • Centro: R. João Brícola, 24, estação São Bento do Metrô, tels. (11) 3249-7180 / 7466. Ter. a dom., 09h/19h. Ingrs.: de R$ 7,50 a R$ 20 pelo Ingresso Rápido. www.farolsantander.com.br

GALERIA SENAC LAPA SCIPIÃO

  • Lia Chaia exibe em sua individual um conjunto de trabalhos, entre inéditos vídeos, áudios, desenhos e fotografias, onde a artista relaciona o corpo humano e a cidade. Em 05/06, às 19h, ocorre a palestra “Estacionamente: Da Concepção À Realização”; e workshop sobre processos criativos na arte nos dias 14, 21 e 28/06 (inscrição no site do Senac) (de 22/05/18, às 20h30, a 27/07/18).

GALPÃO VB

  • A exposição MitoMotim busca refletir a representação da identidade nacional e a capacidade da arte de se contrapor às ordens instituídas. A mostra ainda recorre às ideias de mito e motim articuladas como um palíndromo para debater os modos e as possibilidades de insurgência diante de cenários de instabilidade social, e refletir sobre o presente momento no Brasil. Participam obras de Waly Salomão , Rivane Neuenschwander, Cristiano Lenhardt, Frente 3 de Fevereiro, Rosângela Rennó, Artur Barrio, Sara Ramo, Edson Jorge Elito, Goffredo Telles Neto, Uzyna Uzona, TV Viva, Luiz Roque, Graziela Kunsch, Randolpho Lamonier, Sandra Kogut, Traplev, Marilá Dardot e A Revolução não Será Televisionada (de 12/04/18, às 19h, a 28/07/18).
  • Vila Leopoldina: av. Imperatriz Leopoldina, 1.150, tel. (11) 3645-0516. Ter. a sex., 12h/18h; sáb., 11h/17h. www.videobrasil.org.br

GARE CULTURAL | ABRA (ACADEMIA BRASILEIRA DE ARTE) | Vila Mariana

  • Na exposição “Pulso!”, o ilustrador e quadrinista Marcel Bartholo apresenta trabalhos realizados nos últimos anos, especialmente com a técnica de pastel oleoso (de 12/5 a 16/6/18).
  • Vila Mariana: r. Cubatão, 959, tels. (11) 3564-2695 / 2696. Seg. a qui., 8h30/21h30; sex., 8h30/20h; sáb., 8h30/14h. www.abra.com.br/vilamariana

IAC (INSTITUTO DE ARTE CONTEMPORÂNEA)

  • A exposição Iole de Freias – Decupagem reúne um conjunto de obras e documentos que giram em torno da produção da artista mineira, entre o período dos anos 1970 até a atualidade, que acompanha o desdobramento de questões que lidam sobre corpos e espaços. São expostas fotografias, vídeos, desenhos e esculturas relacionadas a uma ampla documentação, tendo como elemento de ligação o desenho como conceito e prática. Curadoria de João Bandeira (de 07/04/18, das 11h às 15h, a 16/06/18).
  • Vila Mariana: r. Dr. Álvaro Alvim, 90, 1º andar, tel. (11) 3255-2009. Seg. a sex., 10h/18h; sáb., 10h/16h. www.iacbrasil.org.br

INSTITUTO MOREIRA SALLES | PAULISTA

  • Mostra individual apresenta em 136 fotografias um recorte da extensa produção do fotógrafo africano, Seydou Keïta, produzidas entre 1948 e 1962. Considerado um dos precursores dos retratos de estúdio na África, Seydou Keïta (1921-2001) deixou um registro precioso das expressões e dos costumes de Mali, onde nasceu. A mostra inclui 48 tiragens vintage, em formato de 18 x 13 cm, ampliadas e comercializadas pelo próprio Keïta em Bamako, nenhuma delas jamais mostrada no Brasil. As demais 88 obras são fotografias ampliadas na França, sob a supervisão de Keïta, ao longo da década de 1990, quando sua obra é redescoberta no país e também nos EUA. Curadoria de Jacques Leenhardt, diretor da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris, e Samuel Titan Jr., coordenador executivo cultural do IMS (de 17/4/18, às 18h, a 29/07/18).
  • São Paulo, Três Ensaios Visuais, com curadoria de Guilherme Wisnik, resgata os personagens da cidade, com fotografias feitas a partir de 1862, de Militão Augusto de Azevedo, Alice Brill e Mauro Restiffe, entre outros (até 29/07/18).
  • Conflitos: Fotografia e Violência Política no Brasil 1889-1964 apresenta um panorama da fotografia de guerras civis e outros conflitos armados envolvendo o Estado brasileiro, entre a Proclamação da República e o golpe de 1964, e reúne 338 imagens pertencentes a 30 coleções particulares e públicas de todo Brasil, além de fotografias do acervo do IMS (de 08/05/18, às 18h, a 29/07/18).
  • A individual “São Paulo, Fora de Alcance” de Mauro Restiffe oferece um retrato em reúne 18 imagens da capital paulista, seu o cotidiano e as mudanças enfrentadas pela metrópole. A mostra é o desdobramento de um convite feito ao fotógrafo pela revista ZUM, em 2012. Ele registrou o bairro da Luz, região que abriga a famosa Cracolândia e que passava por controversa intervenção municipal e estadual. No ano seguinte, foi convidado a estender o trabalho e fotografar a transformação da cidade no período que antecedeu a realização da Copa do Mundo. Curadoria de Thyago Nogueira (de 14/04/18, às 11h, a 26/08/18).
  • “Îles Flottantes (If Monet Met Cézanne, in Montfavet)”, do escocês Douglas Gordon, apresenta um díptico que consiste na projeção de um plano-seqüência pelo os duas videos instalações que aludem à obra do pintor francês Paul Cézzane (1839-1906), que passou grande parte de sua vida na Provença, e em seus últimos anos, pintou uma série de naturezas-mortas compostas apenas por conjuntos de crânios dispostos sobre uma mesa. A obra também estabelece um contraponto entre a produção de Cézzane e a do pintor Claude Monet (1840-1926) (de 14/04/18, às 11h, a 26/08/18).
  • Exposição permanente: “Câmera Aberta” é um projeto do alemão Michael Wesely iniciado em 2014 a convite do Instituto Moreira Salles, que capturaram continuamente imagens das quatro faces do novo centro cultural sendo construído. As quatro imagens do projeto e uma das câmeras utilizadas estão expostas no Estúdio, espaço que ocupa o último andar do instituto.
  • Bela Vista: av. Paulista, 2.424. Tel.: (11) 2842-9120. Ter. a dom. e feriados, 10h/20h; qui., 10h/22h. www.ims.com.br

INSTITUTO TOMIE OHTAKE

  • A artista inglesa Cecily Brown apresenta em “Se o Paraíso Fosse Assim Tão Bom” um conjunto de trabalhos da última década de sua carreira, entre pinturas e desenhos que representam a frequente reflexão de Brown sobre o paraíso. As obras também lidam com uma tensa relação entre figuração e abstração, entre corpos, animas e plantas emaranhados, mas também é possível deixar de enxergá-los e perceber apenas manchas e campos de cor dinamicamente posicionados. Curadoria de Paulo Miyada (de 22/03/18, às 20h, a 27/05/18).
  • A segunda edição do Arte Atual Festival 2018 traz o caráter experimental de sua proposta curatorial com trabalhos de jovens artistas que refletem excessos e contradições. Participam Alexandre Copês, Arthur Chaves, Carina Levitan, Carolina Caliento, Guilherme Peters, Paul Setubal e Pedro Hórak. Curadoria de Paulo Miyada e sua equipe do Núcleo de Pesquisa e Curadoria da instituição (de 18/05/18, das 19h às 22h, a 03/06/18).
  • Alucinações Parciais: Exposição-Escola com Obras Primas Modernas do Brasil e do Centre Pompidou propõe uma exposição-escola que se mostra no próprio desenho do espaço expositivo, em que uma arena-auditório central receberá uma intensa programação durante todo o período. Estão programados debates, aulas, palestras, workshops, ateliês e visitas orientadas, a fim de estabelecer trocas com o público para aprofundar, investigar e resignificar narrativas relativas ao período Moderno. A mostra é concebida em parceria entre os curadores Fréderic Paul, do Centre Pompidou, e Paulo Miyada, do Instituto Tomie Ohtake, e traz o modernismo europeu e brasileiro com 10 obras-primas pertencentes ao Centre Pompidou, que raramente saíram de seu acervo. Participam Fernand Léger, Georges Braque, Henri Matisse, Joan Miró, Man Ray, Picasso, Paul Klee, Robert Delaunay, Dalí, com a obra ‘Alucinação Parcial’, além da seleção de brasileiros estão as pinturas de Anita Malfati, Cândido Portinari, Cícero Dias, Maria Martins, Vicente do Rego Monteiro, Flávio de Carvalho, Alberto da Veiga Guignard, Lasar Segall, Tarsila do Amaral e Ismael Nery (de 05/04/18, às 20h, a 10/06/18).

ITAÚ CULTURAL

  • Ser Estar, Sergio Rodrigues repassa a produção do designer carioca (1927-2014) criador da premiada e icônica poltrona Mole, de 1961. O arquiteto projetou mais de 1.200 modelos de móveis e fez com que as peças fossem consideradas objetos de arte no Brasil. Curadoria de Fernando Mendes e Mari Stockler (de 09/06/18 a 05/08/18).
  • A 40ª edição do projeto Ocupação homenageia um do crítico literário e sociólogo Antonio Candido, uma das maiores referências no estudo da literatura no Brasil. A mostra é centrada no artigo “Direito à Literatura” e exibe materiais inéditos selecionados do acervo pessoal do escritor. São notas para ensaios, cadernos de estudo, projetos de pesquisa, um conjunto pelo qual transparece o processo criativo de obras essenciais como a citada “Formação...” e “Os Parceiros do Rio Bonito”. Entre 23 e 25/05/18, ocorre um colóquio internacional com a presença de pessoas próximas de Candido e do seu trabalho, como o advogado Celso Lafer, os escritores Antonio Prata e Luiz Ruffato, os professores Šárka Grauová e Pablo Rocca e os pesquisadores José Miguel Wisnik, Marisa Lajolo e Walnice Nogueira Galvão (de 23/05/18 a 12/08/18).
  • O espaço, que sempre realiza exposições de arte, conta também com uma midiateca voltada à arte e cultura brasileiras e composta por biblioteca (fechada para reformas), videoteca, hemeroteca e cedeteca, reunindo um acervo de 40 mil títulos. Visitação: ter. a sex., 12h/20h; sáb., 10h/19h. Já a Itaú Numismática reúne mais de 2 mil objetos expostos, entre moedas portuguesas e brasileiras, medalhas e condecorações. Visitação: ter. a qui., 10h/17h; qua., 11h/21h; sex. e sáb., 10h/19h.
  • Cinco séculos de arte brasileira estão reunidos em dois andares da instituição, o Espaço Olavo Setubal – Coleção Brasiliana Itaú exibe permanente parte das coleções Brasiliana Itaú e Itaú Numismática do banqueiro e ex-prefeito de São Paulo. São obras fundamentais que percorrem desde o descobrimento até o final do século XX. 1300 itens, entre pinturas, gravuras, documentos históricos, livros, incluindo trabalhos de inestimável valor histórico. O espaço abriga também a coleção de numismática da instituição, que traça um amplo panorama das moedas cunhadas e que tiveram circulação pelo país, entre outras curiosidades (a partir de 13/12/14, às 11h).
  • Cerqueira César: av. Paulista, 149, estação Brigadeiro do Metrô, tels. (11) 2168-1700 / 1777. Ter. a sex., 9h/20h; sáb. e dom., 11h/20h. www.itaucultural.org.br

JAPAN HOUSE

  • O artista Oscar Oiwa exibe um conjunto de pinturas e intervenções na mostra “Oscar Oiwa no Paraíso - Desenhando o Efêmero”. A intervenção inédita feita em uma espécie de balão reflete sua visão sobre o que é o paraíso, e integra o calendário oficial de celebração dos 110 anos da imigração japonesa ao Brasil (de 03/04/18 a 03/06/18).
  • O novo centro cultural da cidade promove, em seus três andares, exposições, seminários, workshops e atividades com os mais relevantes criadores e empreendedores japoneses da atualidade nas artes, no design, na moda, na gastronomia, na ciência e na tecnologia. O espaço abriga ainda um restaurante, loja de produtos de alta qualidade, uma biblioteca e um café. O novo espaço é um dos três que o governo japonês abrirá no mundo em 2017, além de Londres e Los Angeles, e que pretendem mostrar o melhor do Japão no século 21.

MAB (MUSEU DE ARTE BRASILEIRA) | FAAP | CENTRO

  • O espaço fica no Edifício Lutetia, de propriedade da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado). É um projeto de Ramos de Azevedo (1851-1928) inaugurado na década de 1920. A construção faz parte de um conjunto de três prédios independentes com uma fachada única, tendo oito pavimentos, mais o térreo e o subsolo, em um terreno de 256 m². Além disso, o edifício possui oito lofts que hospedam artistas brasileiros e estrangeiros, estudantes de artes plásticas, em projetos de intercâmbio cultural.
  • Centro: Praça do Patriarca, 78, Edifício Lutetia, tel. (11) 3101-1776. Seg. e qua a sex., 10h/18h com permanência até às 19h. Sáb., dom., e feriados, 10h/17h, com permanência até às 18h. Fechado às terças-feiras. www.faap.br/museu

MAB-FAAP (MUSEU DE ARTE BRASILEIRA DA FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO)

  • Abrindo Arquivos: O Arquiteto Auguste Perret e o Projeto para o Museu da FAAP exibe fontes documentais em diversas publicações, pesquisas e experiências técnicas para apresentar a história do edifício sede da Fundação Armando Alvares Penteado, seu projeto arquitetônico e os profissionais e personalidades vinculados a ela (de 18/04/18, às 19h, a 27/05/18).
  • Exposição individual com cerca de 30 obras de Carlos Araújo (de 6 a 17/6/18).
  • Toyota – O Ritmo do Espaço apresenta o percurso do artista japonês, e naturalizado brasileiro, com cerca de 80 obras, reunindo trabalhos dos anos 1960, uma recriação da instalação imersiva Quarto Escuro, da X Bienal, obras premiadas no Panorama do Museu de Arte Moderna de São Paulo, na década de 1970. A mostra traz ainda obras pertencentes a acervos de instituições como MAC Niterói, MAM-RJ, Palácio Itamaraty, Coleção Roberto Marinho, além de importantes coleções particulares. Dentro do núcleo histórico tem destaque um ensaio fotográfico realizado por Alair Gomes sobre a obra de Toyota. Curadoria de Denise Mattar (de 16/06/18 a 02/09/18).
  • O espaço abriga exposições de longa duração que rendem tributo à cor como componente fundamental na composição da linguagem visual: P/B - Acervo MAB, um recorte de obras exclusivamente dominadas pelos pigmentos preto, branco e as gamas intermediárias de tons cinza que existem entre eles (de 17/01/18 a 16/12/18).
  • "A Cor Não Tem Fim: Pinturas e Tapeçarias de Jacques Douchez", com pinturas, desenhos e tapeçarias do francês Jacques Douchez. Radicado no Brasil em 1949, o artista foi um dos mais notáveis tapeceiros da segunda metade do século 20, uma vez que suas ideias e realizações passaram a distinguir artisticamente a tapeçaria produzida no país. Em 21/05, às 14h, ocorre uma conversa aberta com a galerista Graça Bueno e o curador Antonio Carlos Suster Abdalla (de 17/01/18 a 16/12/18).
  • O MAB-Faap, inaugurado em 1960, mantém em acervo obras de artistas modernistas como Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Brecheret, Portinari, Di Cavalcanti, Segall, Guignard e Volpi; e de artistas de períodos posteriores como Tomie Ohtake e Evandro Carlos Jardim. No saguão do espaço, o público pode conferir 19 moldagens em gesso de esculturas de Aleijadinho, portais de igrejas e residências mineiras e baianas relacionadas ao barroco brasileiro. Também no saguão há dois painéis de vitrais realizados pela Casa Conrado, sendo que um deles, o do teto, é da artista Cláudia Andujar. Na área externa do prédio, o Jardim de Esculturas reúne obras em grandes formatos de Amílcar de Castro, Arcângelo Ianelli, Bruno Giorgi, Caciporé Torres, Franz Weissmann, Maria Guilhermina, Vlavianos, Sergio Camargo e Yutaka Toyota.
  • Higienópolis: r. Alagoas, 903, tel. (11) 3662-7198. Seg., qua., qui. e sex., 10h/19h (entrada até 18h); sáb. e dom., 10h/18h (entrada até 17h). www.faap.br/museu

METRÔ | ESTAÇÃO ADOLFO PINHEIRO

  • Exposição de longa duração O Bonde em Santo Amaro.
  • Santo Amaro: av. Adolfo Pinheiro, 300.

METRÔ | ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA

  • Exposição de longa duração O Metrô e Seus Bairros - Ipiranga: o Bairro do Grito.

METRÔ | ESTAÇÃO CORINTHIANS-ITAQUERA

  • Produzido por Cinemagia, a estação abriga a mostra do Projeto Encontros – Memorial do Corinthians (mostra de longa duração).

METRÔ | ESTAÇÃO LARGO TREZE

  • Exposição de longa duração O Metrô e Seus Bairros – Santo Amaro.

METRÔ | ESTAÇÃO LIBERDADE

  • Vitrine de Ikebana (mostra de longa duração).

METRÔ | ESTAÇÃO TIRADENTES

  • A estação recebe obras do acervo do Museu de Arte Sacra e passa a ter uma sala fixa de exposições, a Sala Metrô Tiradentes, com uma área de 150m² no mezanino destinada exclusivamente para mostras de arte sacra. A estreia do novo espaço é com a mostra Em Busca do Presépio Universal, de longa duração, com cerca de 30 conjuntos de diversas nacionalidades e integrantes da Coleção de Presépios do MAS, com curadoria de Maria Inês Lopes Coutinho. Destaque para o Presépio Napolitano, confeccionado entre os séculos 18 e 20 com barro cozido e policromado, madeira, tecido, liga metálica e gesso. Dentre os conjuntos também está “La Nascita de la Esperanza”, obra de Ulderico Pinfildi, uma das maiores autoridades do mundo em presépios. A sala fica na área paga da estação (A partir de 01/12/15. Mostra de longa duração. Qua. a sex., 9h/17h; sáb. e dom., 10h/18h).

PIVÔ

  • A mostra Imannam das artistas Ana Linnemann, Anna Maria Maiolino e Laura Lima traz uma articulação entre as três artistas para propor obras em torno da busca pelo outro e de operações de reversão do espaço e dos objetos. Com curadoria de Tania Rivera, a mostra ainda traça a subversão da ideia da arquitetura como o local comum e outras lógicas de relação através da proposição de situações. Complementa uma peça gráfica de Bernardo Ortiz ocupará a coluna central da recepção (de 08/04/18, das 16h às 19h, a 09/06/18).
  • Fundada em 2012, a associação cultural atua como plataforma de intercâmbio e experimentação artística. O foco das atividades é o processo de construção e difusão de ideias a partir de concepção e desenvolvimento das propostas dos artistas. A programação contempla desde exposições, projetos específicos, intervenções, até edições e ateliês temporários.
  • Centro: Edifício Copan, av. Ipiranga, 200, bloco A, loja 54, tel. (11) 3255-8703. Ter. a sex., 13h/20h; sáb., 13h/19h. www.pivo.org.br

SANTOS AUGUSTA

  • A mostra da obra permanente “Constelação Perseu e Andrômeda”, criada pela dupla Angela Detanico e Rafael Lain, fica exposta ao público na área externa do prédio. Inspirada no encontro das duas constelações que levam o nome de uma princesa e seu herói, a escultura vai propor ao público que reflita sobre o céu e o brilho das estrelas. Na abertura, às 20h, ocorre uma performance dos artistas “Fragmentos (Voice Over)” e entrega do prêmio Dado – Fomento à Colaboração e ao Exercício da Arte –, idealizado por Andrea Tchalian Conde e Vivian Gandelsman (a partir de 10/04/18, às 20h).
  • Cerqueira Cesar: al. Santos, 2.159.

SESC 24 DE MAIO

  • Mostra Jamaica, Jamaica! exibe seleção de fotografias, capas de álbuns, instrumentos musicais, folhetos, documentos, áudios e imagens do acervo da Cité de La Musique, da França, que trata da riqueza cultural jamaicana. Há referências ao reggae de Bob Marley, Peter Tosh, Marcus Garvey e outros artistas. O recorte brasileiro apresenta influências jamaicanas no Recôncavo Baiano, em Salvador e São Paulo com os bailes dancehall e reggae da periferia (de 14/03/18 a 26/08/18).
  • Centro: R. Dom José de Barros, 178, esquina com a R. 24 de Maio, tel. (11) 3111-7000. Seg. a sex., 12h/17h30. www.sescsp.org.br/24demaio

SESC AVENIDA PAULISTA

  • "Bill Viola –Visões do Tempo" apresenta, por meio de doze obras, um recorte de videoinstalações de Bill Viola (1951) produzidas entre 2000 e 2018, com quatro programas mensais de exibição de vídeos que percorrem a produção do artista norte-americano. A retrospectiva de trabalhos seminais e consagrados no campo da videoarte e da expressão audiovisual exibe vídeos dos últimos 20 anos da trajetória artista do norte-americano, como “Quinteto f Silent”, de 2000 (de 29/04/18 a 09/09/18).
  • A nova unidade Avenida Paulista ocupa prédio comercial dos anos 1970 requalificado pela dupla de arquitetos Königsberger e Vannucchi após uma década de reformas. Dos 17 andares quatro foram transformados em duas duplas de pés direitos maiores para exposições. Voltado para arte e tecnologia o local conta ainda com biblioteca de arte, espaços multiusos e mirante no topo.
  • A Coleção Sesc de Artes exibe obras adquiridas para a unidade e do acervo de Rosangela Rennó, Dora Longo Bahia, Waldemar Cordeiro, Elida Tessler, Arthur Lescher, Lenora de Barros e outros (longa duração).
  • Cerqueira César: av. Paulista, 119, estação Brigadeiro do Metrô, tel. (11) 3179-3700. Ter. a sex., 11h/21h; sáb. e dom., 11h/20h. www.sescsp.org.br

SESC BELENZINHO

  • A mostra Yoyo – Tudo que Vai, Volta é coletiva de nove artistas contemporâneos, que criaram ou identificaram em sua produção obras que valorizam o diálogo amplo e direto com as crianças. Na interlocução, foram selecionados trabalhos e instalações que podem ser experimentadas das mais variadas formas dos artistas Dudi Maia Rosa, Franklin Cassaro, Gisela Motta, Guto Lacaz, Leandro Lima, Lia Chaia, Raul Mourão, Regina Silveira e Sandra Cinto. Curadoria de Ricardo Ribenboim. Em 26 e 27/05, das 11h às 17h, ocorre ainda a Feira Yoyo, com arte impressa e publicações independentes totalmente dedicado ao público infantil (de 05/05/18, às 11h, a 22/07/18).
  • Belenzinho: r. Padre Adelino, 1.000, próximo à estação Belém do Metrô, tel. (11) 2076-9700. Ter. a sáb., 10h/21h; dom., 10h/19h. www.sescsp.org.br

SESC BOM RETIRO

  • Acervo Permanente de Obras Contemporâneas. O Sesc Bom Retiro, inaugurado em 2011, é a unidade do Sesc no Estado de São Paulo com o maior conjunto de obras de arte. Os três andares abrigam cerca de 40 trabalhos assinados por artistas brasileiros contemporâneos como Daniel Costa, Anna Maria Maiolino, Daniel Costa, Descartes Gadelha, Cleber Machado, Anna Teixeira, Iran do Espírito Santo, J.Borges, Karen Kabbani, Marcelo Ivanhez, Maria Lira, Rubens Gerchman, Arthur Barrio, Bernadete Amorim, Claudio Tozzi e Marcelo Ivanhez.
  • Bom Retiro: al. Nothmann, 185, tel. (11) 3332-3600. Ter. a sex., 9h/20h30; sáb. e dom., 10h/17h30. www.sescsp.org.br

SESC INTERLAGOS

  • A mostra #Ocupasacy apresentar um inventário com 77 espécies de sacys, um dos personagens mais icônicos do folclore brasileiro e mundial, de diferentes gêneros permitindo que o público complete as histórias e dê sua interpretação a cada uma delas. As imagens ilustrativas são de Marcelo Bicallho (de 14/04/18 a 02/09/18).
  • A mostra Acervo Sesc de Arte Brasileira traz obras de Denise Millan, Nicolas Vlavianos, João Câmara, Tide Hellmeister, Silvio Dworecki e outros. “Sonhos Gregos” conta com pinturas de John Graz (1891-1980). O projeto artístico e cenográfico “Canto das Artes” foca as atenções para a pintura “Nu”, de Carlos Leão. Eduardo Ver exibe xilogravura (mostras de longa duração).
  • Interlagos: av. Manuel Alves Soares, 1.100, tels. (11) 5662-9500 / 9521. Qua. a dom., 9h/17h. www.sescsp.org.br

SESC IPIRANGA

  • A exposição Papéis Efêmeros: Memórias Gráficas do Cotidiano cerca de 500 peças gráficas que revelam hábitos e costumes dos brasileiros entre o ano de 1890 e o fim da década de 1990. A pesquisa foi feita durante um ciclo de oficinas em parceria, as equipes do Sesc Ipiranga e do Museu do Ipiranga, que descobriram a presença de documentos que não são esperados em um museu de história, com possíveis recortes do acervo para projetos futuros. Curadoria do designer Chico Homem de Melo e da diretora do museu Solange Ferraz de Lima (de 09/05/18, às 20h, a 26/08/18).
  • Ipiranga: r. Bom Pastor, 822, tel. (11) 3340-2000. Ter. a sex., 7h30/21h30; sáb., 10h/21h30; dom., 10h/17h30. www.sescsp.org.br

SESC PARQUE DOM PEDRO II

  • A exposição “Lá e Cá” do fotógrafo Paulo Fridman apresenta retratos sobre os trabalhadores brasileiros, onde o personagem é destacado dando relevância a cada um deles de forma a homenagear pessoas anônimas e seus trabalhos. São imagens do reciclador na metrópole, o funileiro do bairro, a vendedora de pamonha e o roceiro de pele envelhecida, entre muitos outros trabalhadores. Curadoria de Diógenes Moura (de 17/03/18 a 01/07/18).
  • Brás: pça. São Vito, s/nº. Qua. a dom. e feriado, 10h/18h.

SESC PINHEIROS

  • Entre Construção e Apropriação - Antonio Dias, Geraldo de Barros e Rubens Gerchman nos anos 60, com curadoria de João Bandeira, apresenta a produção dos artistas, nos turbulentos anos 1960, com obras que articulam o legado da arte construtiva no país e elementos apropriados da indústria cultural e da cultura popular urbana (de 05/04/18, às 20h, a 03/06/18).
  • Pinheiros: r. Paes Leme, 195, tels. (11) 3095-9400 e 0800-118220. Ter. a sex., 13h/22h; sáb., 10h/21h; dom.,10h/18h30. www.sescsp.org.br

SESC POMPEIA

  • A mostra Vkhutemas 1918-2018: O Futuro em Construção traz uma ocupação das oficinas do Sesc Pompéia com uma reconstrução dos acervos produzidos por mestres e alunos da escola soviética “Vkhutemas” em seus cursos superiores de arquitetura, cerâmica, metal, madeira, têxtil e poligráfica. Curadoria de Celso Lima e Neide Jallageas (a partir de 26/06/18).
  • A mostra Lugares do Delírio traz 160 obras de cerca de 40 artistas que propõem reflexões da política e ética sobre a arte e a loucura, mesclando artistas diagnosticados com transtornos psiquiátricos e trabalhos que falam sobre a psique. São expostas instalações, pinturas, objetos, fotografias, mapas e performance. participam Cildo Meireles, Laura Lima, Anna Maria Maiolino, Arthur Bispo do Rosário, Fernand Deligny, Lygia Clark, Raphael Domingues, Gustavo Speridião, Fernando Diniz, Cláudio Paiva, Geraldo Lúcio Aragão e outros. Curadoria da psicanalista e professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) Tania Rivera. Projeto original de Paulo Herkenhoff (de 10/04/18, às 20h, a 01/07/18).
  • A artista multimídia, escultora e fotógrafa Lucia Koch apresenta a instalação “A Longa Noite”, que explora a percepção da luz –cores, nuances, sombras, refração e projeção – e a interação do espectador com o ambiente. A artista revisita neste site specif sua experiência com o uso de filtros de cor, dando ao espaço um tom de violeta contínuo, que também faz parte da 3ª edição do projeto Plano Expandido (de 07/04/18, às 11h, a 08/07/18).
  • Pompeia: r. Clélia, 93, tels. (11) 3871-7700 e 0800-118220. Ter. a sáb., 9h/22h; dom., 9h/20h. www.sescsp.org.br

SESC SANTO AMARO

  • A exposição “Trapézio” do artista cearense Luiz Hermano traz conjunto de obras inéditas sobre um novo estudo do escultor com o trapézio. Na elaboração escultórica, o raciocínio e invenção acontecem a partir da forma e seus encontros entre um, dois, três, quatro ou seis trapézios, estruturas tridimensionais maiores e diferentes formas. Curadoria de Cauê Alves. Na abertura ocorre um bate-papo com o artista e o curador (de 21/04/18, às 11h, a 29/07/18).
  • A mostra permanente Acervo SESC de Arte Brasileira ocorre em todas as unidades SESC da capital e do interior. No SESC Santo Amaro podem ser vistas obras de Luis Hermano, José Patrício, Efrain Almeida, Amélia Toledo, João Câmara e Alex Cerveny, entre outros.
  • Santo Amaro: r. Amador Bueno, 505 - Santo Amaro, tel: (11) 5541-4000. Ter. a sex., 10h/21h; sáb. e dom., 11h/18h. www.sescsp.org.br

SESC VILA MARIANA

  • A exposição Do Toque ao Clique – A História da Música Automática conta cronologicamente as principais etapas que constituem esta revolução, através de um acervo de peças centenárias, provenientes da Europa e Estados Unidos, composto por caixas de música, autômatos, realejos, fonógrafos, gramofones, vitrolas, jukebox e muitos outros itens que datam de 1820 até os tempos atuais. Uma cenografia e uma ambientação especial também foram criadas para receber a mostra, além de uma paisagem sonora com sons ambientes (de 12/04/18, às 19h30, a 29/07/18).
  • Vila Mariana: r. Pelotas, 141, tels. (11) 5080-3000 e 0800-11-8220. Ter. a sex., 7h/21h30; sáb., 9h/21h; dom., 9h/18h30. www.sescsp.org.br

UNIBES CULTURAL

  • Claudia Amorim exibe na mostra “Diane a Cores” um conjunto de aquarelas inspiradas na obra da fotógrafa e escritora Diane Arbus (1923-1971). Curadoria de Marly Porto. Na abertura ocorre o lançamento do livro homônimo, em edição limitada de 50 exemplares (de 19/05/18, das 11h às 15h).
  • Sumaré: r. Oscar Freire, 2.500, estação Sumaré do Metrô, tel. (11) 3065-4333. Seg. a sáb., 10h/19h. unibescultural.org.br