destaques
conteúdo
publicidade

BIBLIOTECA BRAILLE DORINA NOWILL

  • A biblioteca pública tem acervo com 3 mil publicações, obras voltadas para o atendimento de deficientes visuais. Há tanto livros em braille quanto obras gravadas em fitas e CDs. Também promove cursos de alfabetização Braille, oficinas e jornadas literárias. Conta com voluntários que se dedicam a ler para pessoas sem a capacidade de ver.
  • Taguatinga: CNB, 12, Área Especial 1, tel. (61) 3901-3549. Seg. a sex., 8h/17h.

BIBLIOTECA CENTRAL DA UNB (UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA)

  • A biblioteca, criada em 1962, fica em um edifício de 16 mil m² e tem capacidade para dois mil usuários.
  • Campus Universitário Darcy Ribeiro: Av. L3 Norte, gleba A, Praça Maior da UnB, tels. (61) 3107-2680 / 2676. Seg. a sex., 7h/23h45; sáb. e dom., 8h/17h45.

BIBLIOTECA NACIONAL DE BRASÍLIA

  • A biblioteca realiza com frequência tributos a poeta e escritores e também exposições.
  • Setor Cultural Sul: Esplanada dos Ministérios, tels. 961) 3325-6257 / 6237. Seg. a sex., 8h/19h45; sáb. e dom., 8h/14h. www.bnb.df.gov.br

BIBLIOTECA PÚBLICA DE BRASÍLIA

  • Inaugurada em 1990, a biblioteca tem acervo de 60 mil exemplares divididos em: acervo geral; referência; infanto-juvenil; gibiteca; estante de concursos; escritor brasiliense; periódicos; e diários de notícias locais e nacionais. O Jardim de Leitura possibilita aos usuários estudarem ao ar livre.
  • EQS 312 / 313, tel. (61) 3245-5022. Seg. a sex., 8h/19h45; sáb. e dom., 12h30/18h30.

CASA DO CEARÁ | MUSEU DE ARTE E TRADIÇÃO DO NORDESTE

  • O espaço reúne acervo com rendas de bilro, figuras do bumba-meu-boi, do maracatu e do reisado, lamparinas, trajes de vaqueiros, ex-votos e telas de Chico da Silva.
  • SGAN: quadra 910, módulos F e G. Seg. a sex., 9h/11h e 13h/17h.

CATETINHO

  • Primeira residência oficial de Brasília, preserva móveis e objetos de época. Tem ainda um bosque com nascentes.
  • BR 040, Trevo do Gama.

ESPAÇO CULTURAL MARCANTÔNIO VILAÇA

  • A mostra Oscar Niemeyer – Territórios da Criação apresenta síntese de trabalhos criados pelo arquiteto que ultrapassam os horizontes de sua atuação profissional, entre com desenhos e croquis originais, pinturas, esculturas móveis, projetos gráficos, joias e as Revistas Módulo e Nosso Caminho, além de raros manuscritos. A mostra é complementada por um vasto material documental além de contar com obras de grandes artistas nacionais, que colaboraram periodicamente com Niemeyer, como Portinari, Roberto Burle Marx, Bruno Giorgi, Alfredo Ceschiatti, Athos Bulcão, Joaquim Tenreiro, Tomie Ohtake, Franz Weissmann e Carlos Scliar. Curadoria de Marcus de Lontra Costa (de 17/04/18 a 09/06/18).
  • Térreo do Edifício-Sede do Tribunal de Contas da União, Setor de Administração Federal Sul, quadra 4, lote 1, tel. (61) 3316-5074. Ter. a sáb., 9h/19h.

FUNARTE

  • Selva reúne trabalhos de e Analu Cunha, Carla Guagliardi, João Modé e Rochelle Costi com obras marcadamente experimentais, em mostra coletiva selecionada do Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes Visuais – Atos Visuais Funarte Brasília | Acre. A exposição procura criar diálogos entre obras e conceitos que se relacionem entre si, com a ideia de selva como um lugar de alta biodiversidade, confrontando os conceitos de biodiversidade à uma possível ‘urbediversidade’. A produção mais recente dos artistas se caracteriza pelo caráter investigativo, reflexivo e experimental em constante diálogo com novas tecnologias e propostas teóricas (de 26/04/18, às 19h, a 10/06/18).
  • Eixo Monumental, Setor de Divulgação Cultural, lote 2, entre a Torre de TV e o Centro de Convenções, tels. (61) 3322-2076 / 2029. Diariamente, 9h/21h. www.funarte.gov.br

MEMORIAL ASSIS CHATEAUBRIAND

  • O memorial reúne fotos e publicações.
  • SIG: quadra 2, lote 340, anexo do Correio Braziliense. Seg. a sex., 8h/12h e 14h/18h.

MEMORIAL DOS POVOS INDÍGENAS

  • Construído em 1987, o memorial foi projetado por Oscar Niemeyer (1907-2012) em forma de espiral, remetendo a uma maloca redonda dos índios Yanomami. Tem como objetivo mostrar a diversidade e riqueza da cultura indígena. O acervo tem peças representativas de várias tribos, como arte plumária, bancos de madeira, máscaras e instrumentos musicais.
  • Eixo Monumental Oeste, Praça do Buriti, tels. (61) 3342-1154 / 3344-1156. Ter. a sex., 9h/17h; sáb. e dom., 10h/17h.

MEMORIAL JK

  • Homenagem ao ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira (1902-1976), o museu tem projeto de Oscar Niemeyer (1907-2012). Inaugurado em 1981, tem no acervo as roupas de JK, a sua faixa presidencial, medalhas e também a biblioteca pessoal.
  • Praça do Cruzeiro. Ter. a dom., 9h/18h.

MEMORIAL TJDFT (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS)

  • Inaugurado em 2010, o memorial abriga livros, fotos, peças e processos históricos, além de 16 painéis interativos que narram a história da Justiça desde sua origem, na antiga capital Salvador. O espaço realiza eventos culturais como exposições e lançamentos de livros.
  • Praça Municipal, Lote 1, Bloco A, 10° andar, Fórum Desembargador Milton Sebastião Barbosa, tel. (61) 3103-5893. Seg. a sex., 12h/19h.

MIS (MUSEU DA IMAGEM E DO SOM) | MUSEU DE BRASÍLIA | INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO DISTRITO FEDERAL

  • O museu tem acervo de fotos, vídeos e publicações.
  • SEPS: 703 / 903, lotes C, D e E, Via W 4 Sul. Seg. a sex., 8h/12h e 14h/18h.

MUSEU DA CIDADE DE BRASÍLIA

  • O museu preserva trabalhos relativos à história da construção de Brasília. É o mais antigo da capital, aberto em 21 de abril de 1960, mesmo dia da inauguração da cidade.
  • Praça dos Três Poderes, tels. (61) 3325-6163 / 3321-9843. Ter. a dom., 9h/18h.

MUSEU DA IMPRENSA NACIONAL

  • O museu, inaugurado em 1982, exibe vários tipos de máquinas de impressão, instrumentos utilizados em artes gráficas, brasões, florões, mobiliário e manuscritos, um exemplar da Constituição de 1891, um exemplar do primeiro jornal impresso no Brasil, “A Gazeta do Rio de Janeiro”, e Diários Oficiais históricos. Entre os destaques estão o primeiro clichê de um desenho feito no Brasil, a planta da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, e o Prelo Machado de Assis, uma máquina de impressão inglesa fabricada em 1833.
  • SIG, Qd. 6, s/n, lt 800, tels. (61) 3441-9811 / 9875. Seg. a sex., 8h/17h; dom., 13h/17h.

MUSEU DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

  • A exposição permanente Casa dos Contos apresenta a história das instituições antecedentes à criação do TCU (visitação: seg. a sex., 9h/19h).

MUSEU NACIONAL DA REPÚBLICA

  • O museu integra o Conjunto Cultural da República. É utilizado para exposições itinerantes de artistas renomados e temas importantes para a sociedade, além de palestras, mostras de filmes, seminários e outros eventos.
  • Setor Cultural Sul, lote 2, próximo à Rodoviária do Plano Piloto - Zona 0, tels. (61) 3325-6410 / 5220 / 6234. Ter. a dom., 9h/18h30. www.sc.df.gov.br

MUSEU VIVO DA MEMÓRIA CANDANGA

  • O museu fica em uma alameda de casas de madeiras coloridas em um bosque de árvores frutíferas. O acervo é composto por objetos e fotos da época da construção da capital. A exposição “Poeira, Lona e Concreto” narra a história de Brasília por meio de fotos de Mário Moreira Fontenelle (primeiro fotógrafo oficial de Brasília), Peter Scheir e Joaquim Paiva. Peças de artesanato e arte popular integram a exposição “Renovação e Tradição – Novos Caminhos”.
  • Via EPIA Sul, SPMS, Lote D, Núcleo Bandeirante, tel. (61) 3327-4405 e 3301-3590. Seg. a sáb., 9h/17h.

PALÁCIO ITAMARATY

  • O Palácio Itamaraty é sede do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. O prédio de autoria do arquiteto carioca Oscar Niemeyer (1907-2012) é rodeado por um espelho d'água que abriga a famosa escultura “O Meteoro”, de Bruno Giorgi (1905-1993). O paisagismo é trabalho de Roberto Burle Marx (1909-1994). O acervo de arte tem obras de artistas brasileiros como Candido Portinari (1903-1962), Mary Vieira (1927-2001), Manabu Mabe (1924-1997), Franz Weissmann (1911-2005), Alfredo Ceschiatti (1918-1989) e Victor Brecheret (1894-1955), além de esculturas, tapeçarias, adornos refinados e móveis dos séculos 17 e 18. Entre as pinturas históricas está “O Grito do Ipiranga”, de Pedro Américo (1843-1905).
  • Esplanada dos Ministérios, s/n°, tel. (61) 3411-6713.

TEMPLO DA BOA VONTADE

  • Fundado em 1989, o templo conta com acervo com obras de artistas brasileiros e estrangeiros, entre eles Mestre Vitalino, Antonio Poteiro, Zanini Caldas, Mestre Didi, Aldemir Martins, Tarsila do Amaral, Siron Franco, Roberto Burle Marx, Bruno Giorgi, Athos Bulcão e Manabu Mabe, entre outros.
  • Setor de Grandes Áreas Sul 915, lotes 75 e 7, Asa Sul, tel. (61) 3114-1070. www.tbv.com.br