destaques
conteúdo
publicidade

ALIANÇA FRANCESA | Botafogo

  • A exposição Cidade Luz - fotografias de Christina Bocayuva e André Sheik reúne conjunto de trabalhos do fotógrafos, como parte da programação do evento Nuit Blanche Niterói (a partir de 06/10/17, às 19h).

CAIXA CULTURAL - Av. Almirante Barroso

  • A mostra A Construção do Patrimônio apresenta um panorama de importantes momentos da história das políticas públicas de preservação do Brasil, com cerca de 150 obras, entre documentos raros, quadros e esculturas, além de desafios que envolvem a expansão do conceito de patrimônio. A exposição é dividida em 12 ambientes, dentre o acervo com obras de Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Lúcio Costa, Marcel Gautherot, Germano Graeser, Eric Hess, Oscar Niemeyer, Pierre Verger, Mestre Vitalino e uma réplica de Aleijadinho. O projeto tem curadoria de Luiz Fernando de Almeida. Em 26/10, às 18h, ocorre uma visita guiada com o curador; seguida de um debate com a ex-presidente do IPHAN Jurema Machado (de 25/10/17, às 19h, a 22/12/17).
  • A mostra Henri Matisse – Jazz reúne 20 pranchas originais impressas com a técnica au pochoir, feitas pelo artista especialmente para o livro “Jazz”, publicado em 1947, uma edição limitada, contendo reproduções de colagens coloridas, acompanhadas por pensamentos escritos do artista. Foram impressos 250 álbuns, dos quais apenas dois estão no Brasil e pertencem ao exemplar 196, que integra o acervo dos Museus Castro Maya. Na abertura, ocorre uma visita guiada com curadora Ana Paola Baptista (de 24/10/17, às 19h, a 22/12/17).
  • Centro: av. Almirante Barroso, 25, esquina com av. Rio Branco, próximo à estação Carioca do Metrô, tels. (21) 3980-3815. Ter. a dom., 10h/21h. www.caixacultural.com.br

CASSINO DA URCA

  • O artista Heleno Bernardi ocupa o espaço com a intervenção “Cassino”, onde aplica cerca de uma tonelada de purpurina dourada no lendário teatro da Urca. O trabalho propõe uma alusão metafórica aos dias gloriosos, à riqueza que atraía os jogadores, ao brilho dos artistas e também à efemeridade, com o brilho que cobre as paredes, palco e fosso da orquestra. O artista ainda destaca que pensou como uma intervenção urbana, apesar de ser realizado dentro de um espaço fechado, o edifício extrapola fronteiras e a relação com a própria cidade. Curadoria de Renato Rezende (de 25/11/17, das 18h às 21h, a 20/12/17).
  • Urca: av. João Luis Alves, 13, tel. (21) 3683-3786. Ter. a dom., das 14h às 20h.

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL

  • A exposição Erwin Wurm - O Corpo é a Casa traz obras interativas do artista austríaco, que exibe pela primeira vez na cidade, e faz o uso de mídias variadas – esculturas, vídeos, instalações, performances e intervenções –que desafiam e distorcem objetos tradicionais do cotidiano. São cerca de 40 obras explora tanto noções arquitetônicas, para as quais o artista olha a partir do ponto de vista escultórico, quanto a natureza transformativa da escultura. Curadoria de Marcello Dantas. Na abertura, às 17h, ocorre uma apalestra com o artista e o curador (de 11/10/17, das 09h às 21h, a 08/01/18).
  • O espaço tem várias salas de exposição, três teatros, um cinema, dois auditórios, um salão de chá, uma bomboniére e uma biblioteca com cerca de 140 mil volumes. Livro do Artista é exposição permanente com trabalhos exclusivos de artistas como Anna Maria Maiolino, Artur Barrio, Beatriz Milhazes, Carlos Zílio, Gabriela Machado, Luciano Figueiredo, Nuno Ramos e Waltercio Caldas.
  • O Banco do Brasil e Sua História conta a história do banco, que em 2008 completou 200 anos. A mostra recria, com mobiliário de época, o ambiente que abrigou a Presidência do banco no período de 1937 a 1960. Visitação: ter. a dom., 10h/18h.
  • A exposição permanente Galeria de Valores abriga a Coleção de Numismática do banco. São mais de 36 mil moedas. Curadoria de Denise Mattar.
  • Centro: r. Primeiro de Março, 66, estação Uruguaiana do Metrô, tel. (21) 3808-2020. Qua. a seg., 9h/21h. www.bb.com.br/cultura

CENTRO CULTURAL LIGHT

  • O edifício, construído em 1911 como sede e garagem de bondes da Light, abriga desde 1994 o centro cultural que oferece ao público diversos espaços e galerias, além do Teatro Lamartine Babo. Exibe um acervo fotográfico sobre o Rio Antigo e arquivo de textos relativo aos serviços prestados pela Light desde 1904.
  • Centro: av. Marechal Floriano, 168, tels. (21) 2211-4420 / 4543. Ter. a dom., 9h/21h. www.lightrio.com.br

CENTRO SEBRAE DE REFERÊNCIA DO ARTESANATO BRASILEIRO

  • A exposição Serra da Capivara – Homem e Terra reúne peças de cerâmica produzidas por 32 mestres ceramistas, além de raras obras pré-históricas, também de cerâmica, do acervo do Museu do Homem Americano, no Piauí. Inclui videoprojeções com imagens do local, espaço interativo e vídeo com Niède Guidon (1933), arqueóloga paulista que há mais de 40 anos se dedica à causa do Parque Nacional Serra da Capivara, onde está a maior concentração conhecida de sítios arqueológicos nas Américas, com datações que atestam a presença do homem pré-histórico no continente americano há pelo menos 48 mil anos. Curadoria de Renato Imbroisi (de 03/10/17, às 19h, a 20/01/18).
  • A mostra Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão traz um panorama das grandes celebrações brasileiras - religiosas, rituais ou profanas - a partir de seus objetos, adereços, máscaras, vestimentas e instrumentos musicais produzidos por artesãos de todo o país especialmente para essas ocasiões. Com curadoria de Raul Lody e Leonel Kaz, a exposição possibilita que o público mergulhe em festas como Folia de Reis, do Divino Espírito Santo, Bumba-Meu-Boi, o Carnaval, Congada, as Cavalhadas, os Reisados, o Maracatu Rural, o Boi de Mamão, em várias regiões, e festejos rituais indígenas, entre muitas outras manifestações (de 20/07/17, às 19h, a 31/03/18).

ESPAÇO FURNAS CULTURAL

  • A exposição Olhares Cruzados - 10 anos apresenta a trajetória do projeto de intercâmbio cultural através de oficinas de fotografia e entre crianças e adolescentes do Brasil, África, América Latina e Caribe. São expostas 24 fotografias dos fotógrafos Ricardo Teles, Andréa D’Amato, José Bassit, Sérgio Zacchi, o moçambicano Mauro Pinto, o boliviano Fernando Sória, o senegalês Kane Sy e o etíope Yemane Gebresalassie, que acompanharam de perto as oficinas e se inseriram no processo. A exposição ainda conta com 24 painéis com fotografias, desenhos, entrevistas e reprodução de objetos produzidos pelos jovens (a partir de 17/09/15).
  • Botafogo: r. Real Grandeza, 219, tel. (21) 2528-5166. Seg. a sex., 9h/17h. www.furnas.com.br

GALERIA DE ARTE IBEU

  • O artista Pedro Tebyriçá exibe série fotográfica na exposição “À Beira". Nascido no bairro de Ipanema, Tebyriçá viveu por 30 anos no edifício “Marambaia” – o mais antigo à beira do mar - de onde, na janela, vê as praias do Arpoador, Ipanema, Leblon, as Ilhas Cagarras e o Morro Dois Irmãos (de 07/11/17, às 18h30, a 01/12/17).
  • Jardim Botânico: r. Maria Angélica, 168. Seg. a qui, 13h/19h; sex., 13h/18h, te. (21) 3239-2863. www.ibeu.org.br

INSTITUTO MOREIRA SALLES - Gávea

  • A casa inaugurada em 1951, com projeto arquitetônico de Olavo Redig de Campos (1906-1984) e paisagístico de Roberto Burle Marx (1909-1994), foi residência da família Moreira Salles. Posteriormente foi adaptada e transformou-se em centro cultural. Atualmente abriga salas de exposição e de aula, biblioteca, auditório, cafeteria, loja de arte, ateliê e dependências para hóspedes.
  • Gávea: r. Marquês de São Vicente, 476, tel. (21) 3284-7400. Ter. a dom., 11h/20h. www.ims.com.br

OI FUTURO

  • Miguel Rio Branco exibe a instalação imersiva “Wishful Thinking”, onde Plantas, rochas e escombros são reunidos a fim de criar uma paisagem pós-apocalíptica e refletir sobre a exuberância e a soberania da natureza (de 16/11/17, das 19h às 22h, a 28/01/18).
  • O espaço funciona no prédio de 1918 do antigo Museu do Telephone, no Flamengo. Ele chamava-se Centro Cultural Telemar até novembro de 2006, quando foi adotado o nome Oi Futuro.
  • O Museu das Telecomunicações, inaugurado em janeiro de 2007 no Oi Futuro, tem 210 m² e ocupa o sexto andar do espaço cultural. Ele apresenta exposição permanente sobre a história da comunicação humana, com documentos e objetos museológicos aliados a recursos de alta tecnologia. São mais de 120 vídeos produzidos por cerca de 90 instituições nacionais e internacionais. O museu trabalha com hipertexto, permitindo aos visitantes uma infinidade de “janelas” de informações num mesmo local. Na entrada, o visitante recebe um aparelho portátil para que possa interagir com as instalações e ouvir os textos dos filmes exibidos. Um dos principais objetos em exposição é um exemplar do primeiro PC vendido no mundo - ele está imerso numa espécie de cubo gigante de gelo. Visitação: ter. a dom., 11h/17h.
  • Flamengo: r. Dois de Dezembro, 63, tel. (21) 3131-3060. Ter. a dom., 11h/20h. www.oifuturo.org.br

OI FUTURO - IPANEMA

  • A filial em Ipanema do Oi Futuro, inaugurada em setembro de 2009, instalada em um edifício art déco, ocupa 1.500 m² de uma antiga central telefônica. O espaço conta com galeria de arte, sala para exibição de peças e filmes, um café e uma filial da Oi Kabum! Escola de Arte e Tecnologia.
  • Ipanema: r. Visconde de Pirajá, 54, tel. (21) 3131-9333. Ter. a dom., 13h/21h. www.oifuturo.org.br

SOLAR GRANDJEAN DE MONTIGNY

  • A exposição “Vazio Pleno” é individual imersiva com trabalhos de Ana Biolchini. Curadoria de Luciana Solano (de 07/10/17 das 16h às 20h, a 01/12/17).
  • O solar é um exemplo da arquitetura neoclássica brasileira. Tombado pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) desde 1938, preservado e restaurado, fica na entrada do campus da PUC-Rio (é museu universitário da instituição desde 1980). Construído como residência do arquiteto francês Auguste Henri Victor Grandjean de Montigny (1776-1850), que veio ao Brasil em 1816 integrando a Missão Artística Francesa trazida por D. João VI, é considerado um dos mais importantes exemplos da adaptação da arquitetura neoclássica ao clima tropical. Realiza exposições históricas e artísticas dedicadas à cultura brasileira dos séculos 19 ao 21. Também oferece acervo com obras de artistas brasileiros e estrangeiros que participaram de exposições no local, como Burle Marx, Thereza Miranda, Carlos Scliar, entre outros, doadas pelos próprios artistas ou por suas famílias. Tem ainda arquivo e biblioteca.

THE MAZE

  • O espaço inaugurado em 1997 possui acervo permanente com cerca de 50 obras dos artistas Nadkarni, Urbinati e Darel, além de fotografias de diversos autores. A arquitetura da edificação é inspirada no estilo mediterrâneo.
  • Catete: r. Tavares Bastos, 414, tel. (21) 2558-5547.

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ - campus Praça Onze

  • O campus Praça Onze abriga a mostra permanente Exposição do Acervo da UniversidArte, com obras de Abraham Palatnik, Adriana Tabalipa, Aluisio Carvão, Daniel Senise, Fatima Magalhães, Frederico Dalton, João Carlos Goldberg, Luiz Ernesto, Nelson Felix, Rosana Ricalde e outros.

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ - campus Presidente Vargas

  • Exposição Permanente do Acervo da UniversidArte reúne obras de Abraham Palatnik, Adriana Tabalipa, Aluisio Carvão, Ana Muglia, Angela Freiberger, Angelo Venosa,Carlos Muniz, Daniel Senise, Eliane Duarte, Enrica Bernardelli, Fatima Magalhães, Frederico Dalton, João Carlos Goldberg, João Magalhães, João Uchôa, Leila Danziger, Lia do Rio, Luciano Figueiredo, Luiz Ernesto, Nelson Felix, Regina Vater, Rosana Ricalde, Suzi Coralli, Vicente de Mello e Walton Hoffmann.