destaques
conteúdo
publicidade
curtas

SP-Arte Festival Internacional de Arte de São Paulo chega à sua 14ª edição +

A 14ª edição da SP-Arte – Festival Internacional de Arte de São Paulo ocorre entre 11 e 15/04/18, com a participação de galerias expoentes no mercado das artes provenientes de 15 países.

Se em 2017 a SP-Arte se consolidou como um Festival, esse ano a feira intensifica a sua programação com performances de longa duração e uma seção dedicada a designers independentes, além das novas galerias que participam do evento feira pela primeira vez. As visitas guiadas também estão confirmadas para a 14ª edição, não só com as temáticas, mas também com lançamentos de livros e com o Talks - ciclo de debates com especialistas, artistas e colecionadores. O Festival ainda organiza mais uma edição do Gallery Night, circuito entre galerias que antecede a abertura da SP-Arte, nos dias 09 e 10/04, que busca estender o horário das galerias e proporcionar um circuito de visitas ao público

Expositores

Entre os nomes de destaque que retornam à Feira, estão David Zwirner e Marian Goodman (Nova York), White Cube (Londres), neugerriemschneider (Berlim) e kurimanzutto (Cidade do México). Já as galerias Fragment (Moscou) e Cayón (Madri) são destaques entre as novatas internacionais do evento.

No âmbito nacional, participam não só galerias tradicionais como Dan, Bergamin & Gomide, Vermelho, A Gentil Carioca, Casa Triângulo, Fortes D’Aloia & Gabriel, Luisa Strina e Millan, mas chegam também 12 novatas, entre elas Adelina, Verve, Base e Mapa (as duas últimas no setor Repertório apostando no resgate da obra de artistas históricos), todas paulistanas, e a carioca Gaby Indio da Costa.

Repertório

O setor ganha uma nova edição, mais uma vez sob a curadoria do italiano Jacopo Crivelli Visconti, com foco em trabalhos produzidos até a década de 1980. A mostra estabelece diálogos entre artistas brasileiros e estrangeiros com expressivos trabalhos, mas ainda com pouco destaque no mercado nacional. Entre os nomes estão o francês Christian Boltanski, representado pela galeria Marian Goodman e reconhecido por obras que tratam da fragilidade da condição humana; e o chinês Chen Zhen, artista conceitual com suas esculturas de grandes proporções.

Já no campo nacional, os brasileiros Ione Saldanha (Galeria Almeida e Dale) e Victor Gerhard (Galeria Jaqueline Martins) então entre os artistas cujos trabalhos serão reverenciados pelo setor.

Solo

Em sua quinta edição, o setor curado pela terceira vez por Luiza Teixeira de Freitas volta para as individuais de artistas, proporcionando ao público uma imersão na produção e trajetória artísticas destes nomes. A chilena Lotty Rosenfeld (Isabel Aninat), conhecida por seu estilo politizado e feminista, é um dos destaques. A Matthew Zucker reúne obras do suíço Dieter Roth, pioneiro nas artes gráficas, que ficou reconhecido pelos seus trabalhos de edição em livros de arte. A brasileira Marina Weffort, que trabalha com desenhos sobre tecido, foi o nome escolhido pela Cavalo. Duas recém-abertas galerias de Lisboa, Balcony e Uma Lulik, trazem dois novos jovens artistas portugueses: Horacio Frutuoso e Henrique Pavão.

Performance

Neste ano as performances ganham ainda mais importância ao longo do Festival. O setor dedicado à linguagem artística passa a ser curado por Paula Garcia, artista, curadora independente e colaboradora artística do Marina Abramovic Institute. Para a SP-Arte/2018, a curadora elegerá cinco trabalhos de longa duração, que se estenderão por todo o período do Festival, em um ambiente especialmente concebido para isso. Os performers já confirmados são Gabriel Vidolin, Karlla Girotto, Paul Setubal e a dupla Protovolia, formada por Jessica Goes e Rafael Abdalla.

Design

Desde sua primeira edição, em 2016, o setor tem destacado os pontos-chave da história do design, através do mobiliário, iluminação e antiquário, que reúne os principais designers do país, como Etel, Jacqueline Terpins, Hugo França, Ovo e Apartamento 61.

Neste ano, o setor ganha um espaço reservado para promoção de trabalhos independentes, ainda não produzidos em escala. A intenção é estimular a inserção de novos designers no mercado e fomentar uma produção inovadora.
|
Mais informações:
SP-Arte/2018
Pavilhão da Bienal
Vila Mariana: Parque Ibirapuera, Portão 3 - São Paulo – SP.
Preview: 11/04
Datas ao público 12 a 15/04, das 13h às 21h, e domingo, de 11h às 19h.
www.sp-arte.com

Cybèle Varela, Marcius Galan e outros brasileiros no exterior +

A galeria paulistana Jaqueline Martins leva uma mostra individual de Lydia Okumura para o evento Condo London 2018, que acontece entre 13/1 e 10/2. Trata-se de um evento colaborativo internacional que reúne 46 galerias internacionais em 17 espaços londrinos. Okumura será abrigada pela König Galerie. Ainda este ano, Jaqueline Martins, em parceria com a galerista brasileira Vanessa Carlos (que mantém em Londres a galeria Carlos/Ishikawa e organiza o evento em Londres), trará uma versão do Condo para o Brasil.
|
Clarissa Tossin (Galeria Luisa Strina) realiza no Blanton Museum of Art, da Universidade do Texas, em Austin, a mostra individual “Encontro das Águas”, com curadoria de Beverly Adams. Fica em cartaz entre 13/2 e 1/7/18. A mostra trata do desenvolvimento da Amazônia e do impacto da industrialização na cultura dos diversos grupos indígenas da Amazônia. A artista também participa da coletiva mostra “Mundos Alternos Art and Science Fiction in the Americas”, coletiva com curadoria de Tyler Stallings, Joanna Szupinska-Myers e Robb Hernández no California Museum of Photography (Riverside, EUA), entre 16/9 e 4/2/18. Nesta última participam ainda ADÁL , AZTLAN Dance Company , Guillermo Bert , Erica Bohm , Tania Candiani , Beatriz Cortez , Claudio Dicochea, Faivovich & Goldberg, Sofía Gallisá Muriente , Guillermo Gómez-Peña / La Pocha Nostra , La Gravedad de los Asuntos, Hector Hernandez, Gyula Kosice, LA VATOCOSMICO c-s, Robert “Cyclona” Legorreta, Chico MacMurtrie / Amorphic Robot Works, Marion Martinez, MASA—MeChicano Alliance of Space Artists, Jillian Mayer, Mundo Meza, Irvin Morazán, Glexis Novoa, Rubén Ortiz Torres, Rigo 23, Alex Rivera, Carmelita Tropicana, Luis Valderas, Ricardo Valverde, José Luis Vargas e Simón Vega. Tossin foi selecionada ainda para a mostra “Stream Capture”, com curadoria de Ben Moren, no College of Art and Design, em Minneapolis , nos EUA, engtre 16/1 e 4/3.
|
A filial em Nova York da paulistana Galeria Nara Roesler realiza entre 16/1 e 24/2 a exposição individual “The Mirror” (O Espelho), do artista paulistano Bruno Dunley.
|
Marcius Galan, Fernanda Gomes, Paulo Roberto Leal, Jac Leirner e Mira Schendel participam da mostra “Afinidades Eletivas” na galeria Esther Schipper, em Berlim, entre 2/2 e 3/3/18.
|
A filial em Bruxelas, na Bélgica, da galeria paulistana Mendes Wood DM inaugura em 19/1 as mostras individuais de Manuel Raeder e Patricia Leite.
|
Lucas Simões (Casa Triângulo) participa da mostra “A Thousand Roaring Beasts: Display Devices for a Critical Modernity”, no Centro Andaluz de Arte Contemporáneo, em Sevilha, na Espanha, até 4/3/18.
|
A dupla Detanico Lain (Galeria Vermelho) realiza mostra no Musée de l'Abbaye Sainte-Croix, em Les Sables-d'Olonne, na França, entre 28/1 e 20/5/18.
|
A artista Cybèle Varela realiza a mostra individual retrospectiva “Tropicalismo Remixed” no Stiftung Brasilea, na Basiléia (Suíça), entre 18/1 e 8/3/2018. “Cybèle Varela: Tropicalismo Remixed” apresenta uma seleção das mais emblemáticas pinturas da artista, objetos e vídeos, desde a década de 1960 até os dias de hoje. Além disso, analisa a contribuição de Cybèle Varela no panorama artístico, internacional e latino-americano, desde a Pop Art e a Arte Conceitual até a Figuração Narrativa e a Videoarte.
|
Os artistas brasileiros Jonathas de Andrade, Lucas Arruda e Rubens Mano participam da 2ª Bienal de Coimbra. Anozero’17 – Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra, em sua segunda edição e com curadoria de Delfim Sardo, dedica-se ao tema “Curar e Reparar”. Os artistas convidados dão expressão a múltiplos entendimentos sociais, pessoais, ambientais ou arquitetônicos desta preocupação da nossa relação com o mundo e com o outro. Ocupando vários espaços da cidade, o Anozero repensa o tecido urbano e propõe outros percursos. A bienal é produzida pelo CAPC (Círculo de Artes Plásticas de Coimbra) e organizada em conjunto com a Câmara Municipal e a Universidade de Coimbra. Participam ainda os artistas Alexandre Estrela, Ângela Ferreira, Buhlebezwe Siwani, Céline Condorelli, Danh Võ, Dominique Gonzalez-Foerster, Ernesto de Sousa, Fernanda Fragateiro, Francis Alÿs, Franklin Vilas Boas, Gabriela Albergaria, Gustavo Sumpta, Henrique Pavão, James Lee Byars, Jill Magid, Jimmie Durham, João Fiadeiro, João Onofre, Jonathan Uliel Saldanha, José Maçãs de Carvalho, Juan Araujo, Julião Sarmento, Kader Attia, Louise Bourgeois, Manon Harrois, Marwa Arsanios, Matt Mullican, Paloma Bosquê, Pedro Barateiro, Salomé Lamas, Sara Bichão e William Kentridge. A mostra fica em cartaz até 30/12/17.
http://anozero-bienaldecoimbra.pt.
|
O grupo performático carioca Opavivará! (A Gentil Carioca) se apresentará na Áustriaa e nos EUA em 2018. Entre 10 e 21/1/2018 participará do evento “Transnômades”, no Redcat - Carlart´s Downtown Center for Comtemporany Art, em Los Angeles (EUA). Até 4/2/2018 está na mostra coletiva “Duet Wirth Artists”, uma curadoria de Stefanie Kreuzer em cartaz no Belvedere Museum, em Viena (Áustria).
|
Vivian Caccuri (Galeria Leme e A Gentil Carioca) participa de mostras coletivas Na Espanha e na Alemanha. No Centro Cibeles de Cultura y Ciudadania Plaza Cibeles, em Madri, participa da mostra “Charivaria”, curadoria de José Luis Espejo e Andrea Zarza, em cartaz até 28/1/2018. Em Memmingen, na Alemanha, está na mostra “Buried in The Mix”, curadoria de Bhavisha Panchia em cartaz no MEWO Kuntshalle até 14/2/2018.
|
Gian Luca Baldacconi, Flavio Rossi, Vermelho, Sanches, Vini Parisi, Pedro Pezte e Carlos Alves apresentam seus trabalhos na galeria pop up que o marchand Luis Maluf inaugurou em dezembro em Miami, A galeria fica no bairro de Wynwood e a mostra fica em cartaz até fevereiro.
|
Organizada em parceria pelo MoMA e pelo Instituto de Artes de Chicago, a mostra individual retrospectiva Tarsila do Amaral é a primeira inteiramente dedicada à artista modernista paulista nos EUA. São apresentadas 120 peças, incluindo pinturas, desenhos e documentos históricos, que traçam um rico panorama de uma das mais importantes pintoras brasileiras da história. Em cartaz no MoMA de Nova York entre 11/2 e 3/6/18.
|
Fabio Morais (Galeria Vermelho) participa da mostra “Livres et Revues d’Artistes: Une Perspective Brésilienne” na Maison des Sciences de l’Homme en Bretagne, na cidade de Rennes, na França, entre 1/12 e 8/2/2018.
|
O fotógrafo Caio Reisewitz (Luciana Brito Galeria de Arte) participa da Eidos-Guangzhou Image Trienal, no GuangDong Museum of Art, em Guangzhou, na China, entre 15/12 e 8/3/2018.
|
A dupla Dias & Riedweg (Galeria Vermelho) apresenta a obra “Funk Staden Suite” na Fondazione Musica per Roma, na Itália, entre 8/12 e 28/1/2018. A dupla realiza ainda em Roma a individual “Dias & Riedweg. Other time than here. Other place than now”, no Museo d’Arte Contemporanea (Macro), entre 14/12 e 28/01/18.
|
Alexandre da Cunha (Galeria Luisa Strina) participa da mostra coletiva “Everyday Poetics” no Seattle Art Museum, no EUA, entre 18/11 e 17/6/2018.
|
Marcius Galan e Anna Maria Maiolino (Galeria Luisa Strina) participam da mostra coletiva “Art and Space”, uma curadoria de Manuel Cirauqui para o Guggenheim Bilbao, na Espanha. Em cartaz entre 5/12 e 5/4/2018.
|
Assume Vivid Astro Focus (Casa Triângulo) (alter ego de Eli Sudbrack) realiza a mostra individual “Abstracto Viajero Andinos Fetichizados” no Museu Mario Testino (MATE), em Lima, no peru, entre 27/10 e 1/4/18.
|
A mineira Marilá Dardot (Galeria Vermelho) participa da mostra “Tensão & Conflito. Arte em Vídeo Após 2008”, em cartaz no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, entre 13/9 e 13/3/2018. Dardot participa ainda da coletiva “Everyday Poetics” no Seattle Art Museum, em Seattle (EUA), entre 18/11 e 17/6/2018.
|
O paulistano Lucas Simões (Casa Triângulo) participa da mostra coletiva “A Thousand Roaring Beasts: Display Devices for a Critical Modernity”, no Centro Andaluz de Arte Contemporáneo, em Sevilha, na Espanha, até 4/3/2018.
|
Sandra Cinto (Casa Triângulo) realiza mostra individual no CAC (Contemporary Arts Center), em Cincinnati (EUA), entre 8/10 e 24/7/2018.
|
Rommulo Vieira da Conceição (Casa Triângulo) tem obras na mostra “Axé Bahia: The Power of Art in an Afro-Brazilian Metropolis”, com curadoria de Patrick A. Polk, no
Fowler Museum da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (EUA), entre 24/9 e 15/4/2018.
|
O artista mineiro Paulo Nazareth (Mendes Wood DM) está com obras no exterior na mostra coletiva “Field Guide”, no Remai Modern, em Saskatoon, no Canadá até 25/2/18. Ao lado de Runo Lagomarsino, tem obras na mostra “Prospect 4: The Lotus in Spit of the Swamp”, no Nasher Museum of Art, na Duke University, em Nova Orleans (EUA), entre 18/11/17 e 25/2/18.
|
A artista mineira Solange Pessoa ((Mendes Wood DM) participa do projeto “KölnSkulptur #9”, na cidade alemão de Köln, até 10/7/2019.
|

A artista carioca Anna Bella Geiger participa da mostra "Radical Women: Latin American Art, 1960-1985", no Hammer Museum, em Los Angeles. A mostra apresenta cerca de 260 obras (fotografias, vídeos, técnicas mistas e experimentações) produzidas por mais de cem artistas de 15 países. Entre as selecionadas estão ainda Iole de Freitas, Vera Chaves Barcellos, Neide Sá, Claudia Andujar, Carmela Gross, Martha Araújo, Regina Vater, Ana Vitória Mussi, Lygia Clark, Anna Bella Geiger, Leticia Parente, Regina Silveira, Anna Maria Maiolino, Lygia Pape, Ana Mendieta, Liliana Porter, Marta Minujín, Zilia Sánchez e Feliza Bursztyn, A mostra acontece no Brooklyn Museum, em Nova York, entre 13/4 e 29/7/2018.
|
Waldemar Cordeiro, (Luciana Brito Galeria de Arte) tem obras selecionadas na mostra “Thinking Machines: Art and Design in the Computer Age”, no MoMA de Nova York entre 13/11/2017 e 8/4/2018. Participam ainda John Cage, Lejaren Hiller, Stan VanDerBeek e Cedric Price, entre outros.



|
Geraldo de Barros (Luciana Brito Galeria de Arte) tem obras na mostra “A Tale of Two Worlds”, no Museum für Moderne Kunst, em Frankfurt, na Alemanha, entre 25/11 e 2/4/2018.
|
Artur Barrio (Galeria Millan) participa da mostra coletiva “A Tale of Two Worlds. Experimental Latin American Art in Dialogue with the MMK Collection 1940s-1980s”, no MMK - Museum of Modern Art, em Frankfurt, na Alemanha, entre 25/11 e 2/4/2018.
|
Cinthia Marcelle (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Lección de Arte”, no Museo Thyssen-Bornemisza, em Madri (Espanha), entre 7/11 e 28/1/2018. A artista mineira participa ainda da mostra “Working for the Future Past”, no Seoul Museum of Art, na Coréia do Sul, entre 12/12 e 4/3/18, e da mostra “Seventh Bi-City Biennale of Urbanism\Architecture: Cities, Grow in Difference”, em Shenzhen (Nantou Old Town), na China, entre 15/12 e 15/3/18. Junto com Tiago Mata Machado, Cinthia Marcelle participam da 5ª Biennale de Lubumbashi (“Rencontres Picha”), no Musée National de Lubumbashi, no Congo, entre 7/10 e 15/4/2018.
|
O artista plástico pernambucano Paulo Bruscky (Galeria Nara Roesler) participa do projeto “L’Oeil Écoute”, no Centro Georges Pompidou, em Paris, que propõe reflexões sobre a arte moderna a partir do diálogo entre obras do acervo permanente e de artistas convidados. Nesta edição, o projeto explora as relações entre arte, música e poesia, traçando um paralelo entre as produções de artistas como Picasso e Brancusi e a música de Erik Satie e os Balés Russos. Nas áreas dedicadas a Bruscky, serão exibidos trabalhos fundamentais de poesia visual e sonora, arte correio e performance desenvolvidos ao longo de sua carreira. Obras como Poema Processo, de 1970 e Silence - Homage to John Cage, de 1993, dividem ainda o espaço com trabalhos raros de Vicente do Rego Monteiro (de 18/10 a 9/4/2018).
|
A artista paulistana Lucia Koch (Galeria Vermelho) participa da mostra “Learning From Latin America: Art Architecture and Visions of Modernism”, na Los Angeles Municipal Art Gallery, entre 10/9 e 27/1/2018.
|
“José Leonilson: Empty Man”, em cartaz na Americas Society, em Nova York, até 3/2/2018, é a primeira mostra retrospectiva do artista cearense, ícone da produção brasileira de arte contemporânea a partir dos anos 80 e que morreu em 1993, vitimado pela Aids. A mostra exibe cerca de 50 pinturas, desenhos e bordados. A mostra tem curadoria de Cecilia Brunson, Gabriela Rangel e Susanna V. Temkin. O catálogo desenhado por Garrick Gott traz textos dos curadores e também de Jenni Sorkin (University of California at Santa Barbara), Luis Enrique Pérez Oramas (curador independente) e Yuji Kawasima (Universidad Complutense de Madrid).
|
Tamar Guimarães, Carla Zaccagnini e Runo Lagomarsino apresentam obras na mostra coletiva “A Universal History of Infamy”, no Los Angeles County Museum of Art (LACMA), e no 18th Street Arts Center, ambos em Los Angeles (EUA), entre 20/8 e 18/2/2018. |
|
Eduardo Abaroa, Jonathas de Andrade, Leonor Antunes, Alexander Apóstol, Alexandre Arrechea, Ramiro Chaves, Felipe Dulzaides, Carlos Garaicoa, Terence Gower, Tamar Guimarães, Lucia Koch, Runo Lagomarsino, Renata Lucas, Lais Myrrha, Manuel Piña, Mauro Restiffe, Beto Shwafaty, Melanie Smith, Tercerunquinto, Clarissa Tossin e Héctor Zamora participam da mostra “Condemned To Be Modern” no LAMAG (Los Angeles Municipal Art Gallery). A mostra tem curadoria de Clara Kim (que é uma das senior curators da Tate) e acontece entre 10/9 e 28/1/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. http://www.lamag.org/
|
Tamar Guimarães participa no LACMA (Los Angeles County Museum of Art) da mostra “A Universal History of Infamy”, em que apresenta um novo vídeo. A mostra segue até fevereiro de 2018. http://www.lacma.org/art/exhibition/universal-history-infamy
|
A artista amazonense Rodrigo Braga (Galeria Vermelho) participa da coletiva “Visions of Nature” no museu Kunst Haus Wuien, em Viena (Áustria), entre 13/9 e 18/2/2018.
|
Carmela Gross participa da mostra “On Anam. Where are We Going?”, no Es Baluard Museu d'Art Modern i Contemporani, em Palma de Mallorca, na Espanha, entre 10/11 e 1/4/2018. Nesta última participam ainda o cubano Félix-Gonzalez Torres e o brasileiro Paulo Nazareth.
|
Claudia Andujar e a dupla Gisela Motta & Leandro Lima participam da mostra “Simultaneous Eidos - Guangzhou Image Triennial 2017, no Guangdong Museum of Art, na China, entre 15/12 e 8/3/18.
|
A obra “Poema” (1979), da artista paulistana Lenora de Barros (Galeria Millan), ilustra a capa do catálogo da mostra "Radical Women: Latin American Art, 1960-1985" e também a fachada principal do Hammer Museum, em Los Angeles. A mostra apresenta cerca de 260 obras (fotografias, vídeos, técnicas mistas e experimentações) produzidas por mais de cem artistas de 15 países. Entre as selecionadas estão ainda Iole de Freitas, Vera Chaves Barcellos, Neide Sá, Claudia Andujar, Carmela Gross, Martha Araújo, Regina Vater, Ana Vitória Mussi, Lygia Clark, Anna Bella Geiger, Leticia Parente, Regina Silveira, Anna Maria Maiolino, Lygia Pape, Ana Mendieta, Liliana Porter, Marta Minujín, Zilia Sánchez e Feliza Bursztyn, A mostra acontece no Brooklyn Museum, em Nova York, entre 13/4 e 29/7/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana.
|
O artista carioca Ricardo Basbaum (A Gentil Carioca e Galeria Jaqueline Martins) figura na mostra coletiva “We Are Here - I Am You”, curadoria de José Esparza Chong Cuy, em cartaz no MCA - Museum of Contemporary Art Chicago, nos EUA, entre 19/8 e 1/4/2018.
|
A artista Regina Silveira (Galeria Luciana Brito) participa da mostra “Bienal Sur”, no Parque de la Memoria, em Buenos Aires (Argentina), Regina Silveira apresenta para a primeira edição da Bienal Sur, além de projeções do vídeo “Limiar”, versões exclusivas da obra “Touch” em três cidades argentinas. A artista participa ainda da mostra “Future Shock, Site Santa Fé”, nos EUA, entre 7/10 e 1/5/2018.
|
O artista alagoano-pernambucano Jonathas de Andrade (Galeria Vermelho) está na mostra coletiva “We Are Here: I Am You”, no Museum of Contemporary Art Chicago, nos EUA, entre 19/8 e 1/4/2018. A mostra faz parte das comemorações pelos 50 anos do Museu e dela também participa o artista carioca Ricardo Basbaum (Luciana Brito Galeria de Arte). O artista também está na mostra “La Vie Simple - Simplement La Vie”, na Fondation Vincent van Gogh Arles, na França, entre 7/10 e 2/4/2018.
|
Obras de Hélio Oiticica (Galeria Nara Roesler), Geraldo de Barros e Waldemar Cordeiro (Luciana Brito Galeria) foram selecionadas para a mostra “Making Art Concrete: Works from Argentina and Brazil”, no, Getty Center, em Los Angeles, entre 16/9 e 11/2/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana.

International Conference Artwork Expertise 2018 ocorre no Rio de Janeiro +

A segunda edição do International Conference Artwork Expertise 2018 (ICAE) ocorre em 24/03/18 no Windsor Barra Hotel, no Rio de Janeiro. A conferência visa atualização em estudos multidisciplinares para profissionais em peritagem de obras de arte, através de palestras de convidados brasileiros e estrangeiros. A programação traz ênfase em aspectos científicos para um público formado por peritos, restauradores, técnicos, químicos, físicos, historiadores e museólogos. Também tem como objetivo, oferecer oportunidade de treinamento aos profissionais iniciantes, através de programas de qualificação, capacitação e certificação no campo da peritagem, envolvendo aspectos dentro das áreas públicas e privadas.
Entre os convidados, participam a fundadora e diretora de Art Fraud Insights, em Washington D.C., Colette Loll; a diretora da área de estudo e interpretação de imagens técnicas Arte-Lab em Madrid, Sandra Asín Lozoya; a fundadora e diretora da Art Care Conservation Company, em Nova York, Miami e Los Angeles, Rustin Levenson; a professora da Universidade de São Paulo (USP) e coordenadora do Núcleo de Apoio a Pesquisa Física, Márcia de Almeida Rizzutto; o Doutor em química e professor efetivo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) na área de Química de Bens Culturais, João Cura D'ars De Figueiredo Junior; o Comissário Inspetor e Chefe do Dep. Proteção do Patrimônio Cultural de Buenos Aires, sob a Direcção-Geral de Coordenação Internacional-INTERPOL, Marcelo El Haibe; e o advogado formado pela PUC-RIO e especialista em direitos autorais, Gustavo Martins de Almeida; entre outros.

As inscrições podem ser feitas até 14/03/18, às 23h59. Após este prazo somente no local do evento (se as vagas estiverem disponíveis). Confira no link www.icae.com.ar/inscricao .
|
Confira a programação:

08h30 - Credenciamento/ Welcome Coffee
10h - Cerimônia de Abertura
10h10 - Palestra Internacional 1
11h10 - Palestra Internacional 2
12h10 - Intervalo Para Almoço / Lunch (Cash Bar)
13h30 - Palestra Internacional 3
14h30 - Palestra Nacional 4
15h30 - Palestra Internacional 5
16h30 - Coffee Break
17h10 - Palestra Nacional 6
18h10 - Palestra Nacional 7
19h - Cerimônia de Encerramento
19h30- Coquetel e Performances Artísticas
|
Mais informações:
Windsor Barra Hotel
Barra da Tijuca: av. Lúcio Costa, 2.630, Tel.: (21) 2195-5000. Rio de Janeiro - RJ
www.icaebrasil.com.br

Claudius Portugal lança livro de artistas contemporâneos na Galeria Paulo Darzé +

O escritor Claudius Portugal lança em 23/01/18, às 19h, na Galeria Paulo Darzé, em Salvador. O livro “Via E- mail / Encontro com Artistas Brasileiros” reúne entrevistas com mais de 40 artistas da cena contemporânea brasileira, que revelam aspectos importantes da arte produzida no país, englobando segmentos e linguagens nos campos da pintura, escultura, desenho e fotografia, entre outros gêneros. Estão presentes na publicação nomes como Mario Cravo Junior, Mestre Didi, Siron Franco, Tunga, Leda Catunda, Florival Oliveira, Bel Borba e outros. A publicação foi viabilizada através da Lei Rouanet, com patrocínio da Global Participações em Energia e apoio da Paulo Darzé Galeria de Arte.
|
Mais informações:
Galeria Paulo Darzé
Corredor da Vitória: r. Dr. Chrysippo de Aguiar, 8, tels. (71) 3267-0930 e (71) 9918-6205.
www.paulodarzegaleria.com.br

Renato De Cara assume direção do Museu da Cidade de São Paulo +

O jornalista paulista Renato De Cara é o novo diretor do Departamento de Museus da Cidade de São Paulo e estará a frente de uma equipe composta por trinta pessoas. Ele foi empossado em janeiro de 2018 pelo Secretário de Cultura do Município de São Paulo, André Sturm.

O Museu da Cidade é dedicado a promover a reflexão e a conscientização de espaços históricos no município e o acervo arquitetônico. Entre eles estão o Solar da Marquesa da Santos, Beco do Pinto, Casa Nº 1/Casa da Imagem, Casa Bandeirante, Casa Sertanista, Capela do Morumbi, Casa do Tatuapé, Sítio da Ressaca, Sítio Morrinhos, Casa do Grito, OCA, Monumento à Independência, Casa Modernista e Chácara Lane, além do acervo fotográfico sobre a cidade; acervo de bens móveis e um acervo de história oral.

Renato De Cara (1963) vive e trabalha em São Paulo, formado em Jornalismo pela PUC/SP; interessado em arte, cultura e moda, especializou-se em estética contemporânea, produzindo, escrevendo, editando e fotografando para marcas e veículos de comunicação. Colaborou para jornais como Folha de S.Paulo e O Estado de São Paulo; revistas como Vogue, World Fashion, Select e Bravo.

Desde 2006, dirige a Galeria Mezanino, produzindo e curando exposições individuais e coletivas, apresentando novos nomes e resgatando artistas em meio de carreira, cruzando linguagens e propondo novas abordagens no mercado de arte contemporâneo. Já realizou mais de cem exposições, entre individuais e coletivas, incluindo artistas como Giselle Beiguelman, Ulysses Bôscolo, Felipe Cidade, Edith Derdyk, Daniel Malva, Francisco Maringelli, Thiago Navas, Sergio Niculitcheff, Leo Sombra e Thelma Vilas Boas.

Prêmio Hugo Boss de 2018 anuncia seis finalistas +

O Prêmio Hugo Boss de 2018 anuncia seus seis finalistas, cujas origens e práticas variam desde a África Ocidental e Central à América do Norte. A diretora artística e curadora chefe do Museu Solomon R. Guggenheim (NY), Nancy Spector, anunciou os indicados, exaltando-os por “explorar questões sociais urgentes e fornecer novo vocabulário artístico para examinar temas pessoais e universais”.

São eles: Bouchra Khalili, de Casablanca (Marrocos) e vive e trabalha em Berlim e Oslo; Simone Leighm, de Chicago e reside no Brooklyn; Teresa Margolles, de Sinaloa (México) e vive na Cidade do México; Emeka Ogboh, nascida em Enugu (Nigéria) e atualmente mora em Lagos e Berlim; Frances Stark, de Newport Beach (Califórnia) e reside em Los Angeles; e Wu Tsang, de Worcester (Massachusetts) e também vive em Los Angeles.

O prêmio bienal, administrado pela Fundação Solomon R. Guggenheim, foi lançado em 1996 para “reconhecer a excelência nas artes visuais”. A premiação é uma das maiores em espécie (US $ 100 mil) oferecido a artistas que trabalham no campo da arte contemporânea. Os vencedores do passado incluíram Tacita Dean, Emily Jacir, Hans-Peter Feldmann, Danh Vo, Paul Chan e Anicka Yi.

O vencedor, que ainda será anunciado este ano, também terá destaque com uma exposição individual no museu em 2019. O júri internacional é composto por Nancy Spector, Dan Fox, co-editor da revista Frieze; Sofía Hernández Chong Cuy, curadora da Colección Patricia Phelps de Cisneros; Bisi Silva, diretora artística do Centro de Arte Contemporânea de Lagos; Susan Thompson, curadora associada do Guggenheim; e Joan Young, diretora de assuntos curatoriais do Guggenheim.

A seleção dos artistas indicados ao Hugo Boss Prize e a escolha final do vencedor parece ser influenciada pela turbulência política do momento. Em um comunicado, os jurados disseram que estão atentos a como cada artista “persegue inquéritos profundamente existenciais nas lutas individuais, bem como aqueles com ressonâncias sociais mais amplas e demonstram um compromisso de trazer a arte para o centro dos debates oportunos na sociedade”.

Ron Mueck escala e empilha crânios esculpidos na Trienal da National Gallery +

A inauguração da Trienal da National Gallery of Victoria, em Melbourne,na Austrália, abre suas portas para o trabalho de mais de 100 criativos de 32 países. Entre os artistas, designers, tecnólogos, arquitetos e animadores, está o escultor hiperrealista australiano Ron Mueck, que apresenta seu maior trabalho até agora. A "massa" é uma instalação de 100 formas de crânios humanos empilhados no chão da galeria, onde cada um que se envolve com a arquitetura do espaço. Um estudo sombrio da mortalidade e uma extensão da prática escultórica hiperrealista, onde Mueck desenha a estrutura biológica do crânio considerada por ele como uma das extraordinárias facetas da humanidade. A instalação traz à mente os restos nas catacumbas de Paris, um imponente muro de cabeças humanas que ressoa com um sentimento simultâneo e estranho de impermanência e eternidade. A obra comemora a forma que une toda a humanidade e presta uma homenagem a um símbolo que se inseriu na arte de todas as culturas e religiões. Cercado por caveiras e cobrindo quase todas as paredes das paredes, os visitantes são lembrados da transitoriedade da vida. A Trienal da National Gallery of Victoria começa a partir de 18 de abril de 2018 e é uma exposição gratuita.

Mostra de Performance Arte Verbo 2018 recebe inscrições +

A Mostra de Performance Arte - Verbo 2018 recebe inscrições entre 01/12/17 e 01/03/18 para envio de projetos para sua 14ª edição, que ocorrerá em julho de 2018, na Galeria Vermelho em São Paulo.

Desde sua criação, a Verbo procura apresentar um panorama abrangente da arte da performance com programação de ações de artistas brasileiros e estrangeiros, com diferentes formações e idades, atuantes em campos distintos da arte. Para esta edição, o conceito pode definir um terreno conceitual que crie uma reflexão focada no atual momento de conflito ético que caracteriza a vida no Brasil e no mundo. Hoje, a arte é uma potente ferramenta de resistência contra a crescente onda de obscurantismo que permeia o cotidiano.

Tendo isso em mente, poderão participar da seleção de projetos da Verbo 2018 artistas ligados ao campo das artes visuais, das artes cênicas, da dança, da literatura, da música, e da moda, mas também aqueles que se dedicam a pesquisas que se materializam no formato de fotografias, vídeos ou textos. A seleção de projetos ficará a cargo da artista da dança, professora universitária e pesquisadora, Doutora em Comunicação e Semiótica (PUC/SP) Ana Teixeira, e pelo diretor artístico da Verbo, Marcos Gallon.

Os interessados em participar da seleção podem encaminhar pelo e-mailverbo@galeriavermelho.com.br até três propostas inéditas, ou criadas a partir de 2016, acompanhadas dos documentos: CV, Portfolio atualizado, e bibliografia; links para visualização de registros em vídeo do projeto; e resumo do texto ou da publicação. (disponíveis no link https://we.tl/GCkNwCja1m).

Palavras chave: Censura, Corrupção Endêmica, Cultura, Desobediência Civil, Ditadura, Estado de Direito, Estado de Exceção, Ética, Etnia, Extremismo Religioso, Feminismo, Gênero, Gentrificação, Justiça, Levante, LGBTQ, Manipulação da notícia, Minorias, Patrulha Intelectual, Pobreza, Polícia, Populismo, Pós-verdade, Propriedade, Público/Privado, Raça, Racismo, Redes Sociais, Violência.
|
Mais informações:
www.galeriavermelho.com.br/verbo

Brasil divulga mostra e curadores para 16ª Bienal de Arquitetura de Veneza +

A participação do Brasil na 16ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza, que ocorre entre 26/05 e 25/11/18, conta com o projeto “Muros de Ar” com curadoria dos arquitetos Gabriel Kozlowski, Laura González Fierro, Marcelo Maia Rosa e Sol Camacho. A mostra, selecionada pela Fundação Bienal de São Paulo, ocupa o pavilhão em resposta ao título “Freespace”, uma reflexão sobre a essência espacial da arquitetura e a sua potencialidade de mediar, pela fruição do espaço vazio, a relação entre as pessoas e os edifícios. Por meio de uma pesquisa coletiva, o projeto propõe a tornar visível as formas de separação espacial e conceitual resultantes dos processos de urbanização do país, além de questionar as diferentes formas de muros que constroem, em diversas escalas, o território brasileiro.

Sobre os curadores:

Gabriel Kozlowski é arquiteto, formado pela PUC-Rio (2011) e mestre em Urbanismo pelo MIT (2015). Atualmente leciona como Teaching Fellow no Departamento de Arquitetura do MIT e trabalha como pesquisador associado no Leventhal Center for Advanced Urbanism. Anteriormente, foi líder de projeto no SENSEable City Lab; pesquisador para o pavilhão dos EUA na 14ª Bienal de Veneza; e co-fundador do coletivo ENTRE. Recebeu entre outros reconhecimentos o Department of Architecture Graduate Fellowship no MIT (2013), o prêmio de melhor tese de mestrado pela mesma Universidade (2015), o MIT-Brazil TVML Seed Fund (2016), e foi selecionado para o Buckminster Fuller Institute’s Catalyst Program (2017).

Laura González Fierro é arquiteta pela Universidade Iberoamericana da Cidade do México (2002) e mestre em Arquitetura pela Universidade de Columbia GSAPP (2008). Em 2010, fundou +ADD, atuando em Cidade do México, São Paulo e Nova York na área de projetos de arquitetura, urbanismo, design e consultoria. Seu trabalho foi publicado pela Braun Publishing, LEAF Review, PIN-UP entre outros. Paralelamente à prática fundou o LED [Laboratório Experimental a Distância], uma plataforma dedicada a pesquisa multidisciplinar sobre o ambiente construído e as dinâmicas urbanas. Com a gênese que as soluções podem ser encontradas em diversas disciplinas, cria um nexo de fontes conectadas pela tecnologia.

Marcelo Maia Rosa é arquiteto e sócio do escritório Andrade Morettin Arquitetos Associados (2007) vencedor do concurso para nova sede do IMPA-RJ (2015). Marcelo foi responsável pela coordenação do novo museu do Instituto Moreira Salles (2017), em São Paulo. Graduado em arquitetura e urbanismo pela Universidade Mackenzie em São Paulo e TU/e, Eindhoven Holanda (2005), com cursos complementares pela Université Paris Sorbonne (2012) e pós graduado pela Escola da Cidade (2017) onde é professor atualmente. Foi curador em 2015 do Global Shapers Community hub São Paulo, iniciativa do World Economic Forum.

Sol Camacho é arquiteta pela Universidade Iberoamericana da Cidade do México e Paris Val de Seine (2004) mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Harvard (2008). Fundou o escritório RADDAR em São Paulo em 2011, onde desenvolve projetos focados no entorno urbano. Recebeu o Premio Lafarge Holcim Awards (2017) pelo projeto PIPA – Conjunto cultural e comercial em Paraisopolis onde tem uma sede do RADDAR desenvolvendo pesquisa sobre o entorno. Entre outros reconhecimentos Sol foi candidata ao Rolex Mentor and Protege Arts Initiative (2016) ganhou duas vezes a bolsa de Pesquisa FONCA (2012, 2014). Hoje Sol também é diretora Cultural do Instituto Bardi / Casa de Vidro.
|
Pavilhão do Brasil
16ª Mostra Internazionale di Architettura – la Biennale di Venezia
Giardini Castello, Padiglione Brasile, 30122 - Veneza, Itália.

Bill Gates oferece o Codex Leicester, de Da Vinci, para Florença +

O bilionário rei da tecnologia e amante das artes, da cultura e da filantropia Bill Gates ofereceu o manuscrito de Leonardo da Vinci “Codex Leicester” para que seja exibido em Florença (Itália) pela primeira vez em 35 anos. O manuscrito científico escrito entre 1504 e 1508 ficaria na Galleria Uffizi entre 29/10/2018 e 20/1/2019 para as comemorações de 500 anos de morte de Da Vinci. O manuscrito é composto por Apresenta-se na forma de 18 folhas duplas ou em 72 páginas no formato de 21,8 x 29,5 cm e está conservado no Museu Britânico, em Londres. Inclui estudos de Astronomia, Meteorologia, Hidráulica, Cosmologia, Geologia, Paleontologia e outros estudos cientificos e técnicos. Gates adquiriu o manuscrito em um leilão da Christie´s em Nova York em 11/11/1994 por US$ 30,8 milhões.

Tableau divulga datas de leilões em 2018 +

Em janeiro, o recebimento das obras ocorre entre 01/12 a 08/12; e 08/01 e 12/01. A exposição ocorre nos dias 26, 27 e 28/01; e o leilão entre 29 e 30/01/18. Em fevereiro o recebimento ocorre entre 30/01 e 09/02; exposição nos dias 23,24 e 25/02/18; e leilão em 26 e 27/02/18. Em março as obras são recebidas entre 28/02 e 09/03; exposição entre 23 e 25/03/18; e leilão nos dias 26 e 27/03/18. O leilão de abril recebe as obras entre 28/03 e 24/04, exposição entre 20 e 22/04/17, e leilão nos dias 23 e 24/04/18. Em maio, o recebimento ocorre entre 25/04 e 04/05; exposição de 18 a 20/05; e leilão entre 21 e 22/05/18. Junho, entre 23 e 01/06 o recebimento da sobras; exposição nos dias 25, 16 e 17/06; e leilão entre 18 e 19/06. Em julho, o recebimento ocorre entre 20 e 29/06; a exposição em 13, 14 e 15/07; e leilão nos dias 16 e 17/07/18. Em agosto, recebimento entre 18/07 e 27/07; exposição entre 10 e 12/08; e leilão nos dias 13 e 14/08/18. O leilão de setembro recebe obras entre 15 e 24/08; exposição entre 07, 08 e 09/09; e leilão nos dias 10 e 11/09/18. Outubro recebe obras entre 12 e 21/09; exposição em 05, 06, e 07/10; e leilão em 08 e 09/10/18. O leilão de novembro recebe entre 10 e 19/10; exposição em 02, 03 e 04/11; e leilão em 05 e 06/11/18. Dezembro recebe obras entre 07 e 16/11; exposição em 30/11 e 01 e 02/12; e leilão em 03 e 04/12/18.

O recebimento de obras ocorre de segunda-feira a sexta-feira, das 10h às 19h. A exposição: das 10h às 19h e o leilão sempre às 20h.
|
Mais informações:
Tableau Leilão de Arte
Jardins: r. da Consolação, 2.925, tels. (11) 3061-2200 e 5096-0875.
www.tableau.art.br

Prêmio PIPA divulga nome dos artistas vencedores da edição 2017 +

O Prêmio PIPA 2017 divulga o nome do artista vencedor do Júri de Premiação 2017, composto por Luiz Camillo Osorio, Fernando Cocchiarale, Consuelo Bassanesi, Leda Catunda e Marcelo Campos, e o artista escolhido pelos visitantes da exposição para receber o PIPA Voto Popular Exposição. O evento foi realizado em 18/11 no MAM-Rio, onde também acontece a Exposição dos Finalistas, em cartaz até 26/11/17.

A grande vencedora do Prêmio PIPA 2017 é a artista brasiliense Bárbara Wagner. Ela receberá uma doação financeira e uma participação de três meses em um programa de residência artística da Residency Unlimited, em Nova York, em 2018, em torno do valor do prêmio R$130 mil. Como vencedora, a artista também doará uma obra para o Instituto PIPA.

Bárbara apresenta trabalhos que repensam duas danças típicas do Carnaval pernambucano, o frevo e o maracatu nação. Realizada em parceria com Benjamin de Burca, “Faz que Vai” mostra em vídeo e fotografias a combinação de movimentos do frevo e de danças pop nas performances de quatro bailarinos. E em “A Corte”, retrata integrantes de um grupo de maracatu de Recife momentos antes de desfilarem no Carnaval.

Bárbara Wagner nasceu em Brasília em 1980 e vive e trabalha em Recife. Desde 2011, trabalha em colaboração com o artista Benjamin de Burca (Munique, 1975), com quem participou do 33º e 35º Panorama de Arte Brasileira (São Paulo, Brasil), da 4ª Bienal do Oceano Índico (La Réunion, França), da 36ª EVA International (Limerick, Irlanda), da 5ª edição do Prêmio Marcantonio Vilaça, da 32ª Bienal de São Paulo (São Paulo, Brasil), do 5º Skulptur Projekte Münster e do 20º Festival de Arte Contemporânea Sesc Videobrasil.

Já o Vencedor Pipa Voto Popular Exposição é o artista paraense Éder Oliveira. Como o mais votado pelo público ao longo da exposição dos finalistas do Prêmio PIPA, Éder recebeu 643 votos de um total de 1.807 durante o período de votação entre 23/09/17 e 05/1117. O artista receberá uma doação financeira totalizando R$ 24 mil e doará uma obra para o Instituto PIPA.

Éder Oliveira nasceu em Timboteua (Pará), em 1983. Licenciado em Educação Artística, desenvolve sua produção na relação entre os temas retrato, identidade, marginalização e violência na Amazônia, tendo como fonte primária de pesquisa a observação social e as páginas policiais de jornais impressos em Belém. Trabalha em suportes como óleos, intervenções, site-specific e objetos. Suas exposições individuais recentes foram “Pintura – ou a Fotografia como Violência” (Fundação Clóvis Salgado, Belo Horizonte, 2017; Kunsthalle Lingen, Alemanha, 2016), “Você é a Seta” (Periscópio, Belo Horizonte, 2016) e “Páginas Vermelhas” (Blau Projects, São Paulo, 2015).

Morre o artista polonês Frans Krajcberg aos 96 anos +

Morre o artista plástico polonês Frans Krajcberg, aos 96 anos, no Hospital Samaritano, em Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro. A causa da morte não foi divulgada. Seu corpo foi cremado nesta quinta-feira (16/11) e suas cinzas serão enviadas para o sul da Bahia, para o Sítio Natura, em Nova Viçosa onde o artista plástico morava.

Escultor, pintor, gravador e fotógrafo, Krajcberg estudou engenharia na Universidade de Leningrado. Na Segunda Guerra Mundial, perdeu toda sua família no Holocausto e se mudou para Alemanha, onde foi aluno da Academia de Belas Artes de Stuttgart.

Em 1948 chegou ao Brasil e morou no Paraná e no Rio, onde passou a dividir um ateliê com o escultor Franz Weissmann (1911-2005), a partir de 1956. Na década de 1970, escolheu a Bahia para morar. Engajado ao longo de toda a carreira, ele denunciou os crimes ambientais no país, as devastações das florestas brasileiras, queimadas, exploração de minérios e o desmatamento da Amazônia.

Krajcberg ficou conhecido por suas esculturas feitas de troncos de árvores e raízes queimadas por incêndios destrutivos. “Há, evidentemente, no meu trabalho reminiscências culturais, reminiscências de guerra, que emergem do meu subconsciente”, disse o artista.

Morre a artista Amélia Toledo aos 90 anos +

Morre a artista plástica Amélia Toledo aos 90 anos noite desta terça-feira (07/11) em sua residência em São Paulo. Amélia morreu enquanto dormia. Ela deixa filhos e netos. O velório será realizado nesta quinta-feira (09/11) das 8h às 14h no Cemitério Parque do Morumbi, em São Paulo.

Nascida em São Paulo e ícone da contracultura brasileira, Toledo era escultora, pintora, desenhista e designer, e esteve entre artistas de sua geração, como Anita Malfatti, Waldemar da Costa e Vilanova Artigas; e nos anos 1960 inicia uma carreira de professora na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie e na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) e também no Rio de Janeiro.

Adepta do construtivismo faz sua obra se aproximar da arquitetura e realiza diversos trabalhos para espaços públicos, como o projeto cromático 1996/1998, para a estação Arcoverde do metrô do Rio. Desde a década de 1970, realizou produção baseada nas formas da natureza.

O Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo sedia a mostra “Lembrei que Esqueci” que celebra os seus 60 anos de carreira, em cartaz 08/01/18 e curadoria de Marcus Lontra.

33ª Bienal de São Paulo divulga lista de curadores e tema +

A 33ª Bienal de São Paulo divulga os nomes dos artistas que integram a equipe curatorial, a convite do curador-geral o espanhol Gabriel Pérez-Barreiro. Cada artista deve conceber uma exposição coletiva diferente, da qual participe a acontecer durante o evento previsto para começar em setembro de 2018. Simultaneamente às sete coletivas, a Bienal terá também exposições individuais, a cargo do curador-geral. A lista final dos artistas participantes será divulgada no primeiro semestre de 2018.

Os artistas chamados são Waltercio Caldas (Rio de Janeiro, 1946), Claudia Fontes (Argentina, 1964, residente na Inglaterra), Mamma Andersson (Suécia, 1964), Wura-Natasha Ogunji (EUA, 1970, vive na Nigéria), Alejandro Cesarco (Uruguai, 1975, vive em Nova York), Antonio Ballester Moreno (Espanha, 1977) e Sofia Borges (Ribeirão Preto, 1984, vive em São Paulo).

A ideia é que Waltercio faça uma reflexão histórica sobre a forma e a abstração; Fontes pesquisa relações entre arte e narrativa; Andersson elabora temas de figuração na tradição da pintura, da arte popular até a arte contemporânea; Ogunji reúne um grupo de artistas que compartilham questões sobre a identidade e a diáspora africana; Cesarco pesquisa artistas que trabalham sobre tradução e imagem; Moreno propõe diálogo de sua obra com referenciais que tratam da história da abstração e a relação com a natureza, a pedagogia e a espiritualidade; e Borges pesquisa a tragédia e a forma ambígua.

A edição já tem o tema “Afinidades Afetivas”, inspirado nos títulos de Goethe (Afinidades Eletivas, de 1809) e de uma tese de Mário Pedrosa (Da Natureza Afetiva da Forma na Obra de Arte, de 1949).

Outros nomes da equipe da Bienal são de Alvaro Razuk (arquitetura), Raul Loureiro (identidade visual), Lilian L’Abbate Kelian e Helena Freire Weffort (educativo) e Fabiana Werneck (editorial).

Itaú Cultural lança o edital Rumos 2017-2018 +

O Itaú Cultural recebe inscrições entre 29/08/17 a 03/11/17 para a edição do programa Rumos 2017-2018. Podem participar trabalhos que apontam a diversidade da atual produção artística brasileira e, cada um à sua maneira multimídia, ecoam vozes de resistência à dita normalidade, ao esquecimento de lugares, grupos sociais ou questões distantes dos olhos excludentes da nossa sociedade. Nesta edição a acessibilidade é destaque, com site é compatível com todos os softwares para cegos e pessoas de baixa visão, o regulamento ainda vem acompanhado por vídeos com interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras) e os deficientes auditivos não alfabetizados em português podem enviar suas propostas e projetos em Libras.
Para divulgar o edital, o Itaú Cultural visitará todas as regiões do Brasil na Caminhada Rumos, entre 04/09/17 a 26/10/17, passando pelas 27 capitais do país. Neste ano, em algumas cidades – aquelas em que o número de proponentes inscritos costuma ser menor – será realizada uma versão estendida do encontro, a Caminhada Rumos Escuta, que lança um olhar mais apurado para a região.
|
Mais informações e inscrições:
www.rumositaucultural.org.br

Obra de Lenora de Barros é capa de catálogo norte-americano +

A obra "Poema" (1979), da artista paulistana Lenora de Barros (Galeria Millan), ilustra a capa do catálogo da mostra "Radical Women: Latin American Art, 1960-1985" e também a fachada principal do Hammer Museum, em Los Angeles. A mostra apresenta cerca de 260 obras (fotografias, vídeos, técnicas mistas e experimentações) produzidas por mais de cem artistas de 15 países. Entre as selecionadas estão ainda Vera Chaves Barcellos, Neide Sá, Ana Vitória Mussi, Claudia Andujar, Carmela Gross, Martha Araújo, Regina Vater, Lygia Clark, Anna Bella Geiger, Leticia Parente, Regina Silveira, Anna Maria Maiolino, Lygia Pape, Ana Mendieta, Liliana Porter, Marta Minujín, Zilia Sánchez e Feliza Bursztyn, A mostra acontece no Hammer Museum, em Los Angeles, entre 15/9 e 31/12/17, e depois segue para o Brooklyn Museum, em Nova York, entre 13/4 e 29/7/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana.

Bienal do Mercosul anuncia curador, novo presidente e datas de sua 11ª edição +

A Bienal do Mercosul, que tradicionalmente ocorre nos anos ímpares, confirmou o adiamento da sua 11ª edição para 2018. O anuncio foi feito em uma coletiva de imprensa realizada em 15/12/16, em Porto Alegre (RS), onde a Fundação anunciou também Gilberto Schwartsmann como presidente da próxima gestão e Alfons Hug como curador geral da edição, que terá como título “O Triângulo do Atlântico”.
Adiada por efeitos da crise econômica que assola o Brasil, a 11ª edição da Bienal do Mercusul vai ocorrer entre 05/04 e 04/06/18 em espaços culturais da capital gaúcha, como no MARGS, o MAC-RS e no Santander Cultural, além de ocupar espaços públicos.
O crítico de arte e curador Alfons Hug, que já atuou nas Bienais de Veneza, São Paulo, Curitiba, Montevideo, Dakar e na Bienal do Fim do Mundo (no sul da Argentina), comentou que o projeto da mostra fundamenta-se nas influências culturais dos três vértices históricos da América Latina - as matrizes europeia, americana e africana.
Gilberto Schwartsmann, presidente da gestão, declarou que a 11ª Bienal vai trabalhar com um valor orçamentário inicial de R$ 3 Milhões: "um orçamento modesto, porém, realista. Se houver a confirmação de fundos extras no decorrer da captação de recursos, poderemos expandir alguns componentes da Bienal e ampliar o orçamento".
Outro ponto dessa edição será o aprofundamento das discussões dos conteúdos programáticos da 11ª Bienal em áreas afins do conhecimento, como por exemplo, a criação de uma programação musical ou literário com base na temática “O Triângulo do Atlântico” e seus desdobramentos na música e na literatura contemporâneas. "Uma vez que um dos vértices do projeto é a contribuição artística do continente Africano à arte contemporânea, o tema 'arte africana contemporânea' será trabalhado em maior profundidade em seminários, palestras e debates", explica Schwartsmann.