destaques
conteúdo
publicidade
curtas

Heleno Bernardi exibe projeto no Cassino da Urca +

O artista Heleno Bernardi exibe em 29/06/17, às 19h, o Projeto Cassino, uma intervenção que ocorre no teatro do Cassino da Urca. De forma metafórica e poética, o projeto faz alusão aos dias de glória do cassino, recuperando a memória afetiva de um período de sonhos e glamour da noite carioca, através de um múltiplo com tiragem de 45 exemplares. A construção, considerada um ícone cultural da cidade do Rio de Janeiro, será em breve restaurada pelo Instituto Europeodi Design, que ocupa o edifício desde 2006. Além de patrocinar a realização deste projeto, os interessados em adquirir uma obra de arte podem reservar uma quota pelo email galeria@janainatorres.com.br.
|
Mais informações:
Cassino da Urca
Urca: Av. João Luiz Alves, 13 - Rio de Janeiro – RJ.

Centro Cultural Vale Maranhão recebe inscrições de editais de ocupação +

O Centro Cultural Vale Maranhão recebe inscrições até 14/07/17 para editais de ocupação de seus espaços. O Ocupa CCVM seleciona projetos de todo o Maranhão, que tenham interesse em ser exibidos nos espaços do Centro Cultural Vale Maranhão nos meses de agosto e setembro de 2017. Já o Pátio Aberto oferece programação gratuita ao público do centro histórico nos finais de semana, abrindo oportunidade de exibição para artistas da cultura popular, música, teatro, performance, dança e audiovisual. Serão selecionados 24 projetos para realização aos sábados de apresentações ou oficinas no Pátio. O regulamento e o formulário estão disponíveis pelo site oficial e a inscrição deve ser enviada por email, pelo correio ou entregue na recepção do CCVM, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h, para o endereço Av. Henrique Leal, 149- Praia Grande, São Luís/MA- CEP: 6510-160.
|
Mais informações
www.ccv-ma.org.br.

Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental chega à sua 19ª edição +

O 19º Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA) ocorre entre 20 e 25/06/17 e traz programação de filmes de 11 países, além de obras que serão exibidas em mostras paralelas com temáticas sobre a água e radioatividade, na cidade de Goiás. Também estão previstos minicursos e oficinas de cinema e meio ambiente para os frequentadores do festival, além de variada programação cultural. Uma das principais atrações será o cineteatro São Joaquim, que estava fechado há dois anos para reformas, e foi reinaugurado no início do mês, justamente para sediar o festival.
Este ano o artista goiano Pitágoras Lopes Gonçalves assina a ilustração do festival.

Mostra competitiva
Os filmes selecionados para o FICA 2017 lançam luz sobre problemáticas atuais através de documentários brasileiros, como a sustentabilidade “Contagem regressiva” (RJ); o genocídio contra os índios Guarani Kaiowá em “Martírio” (PE), e a epidemia da depressão, do “Tarja Preta” (PE). O júri da mostra competitiva é composto por Ilda Santiago, Marília Rocha, Sandra Kogut, Dora Jobim e a norte-americana Michelle Stethenson.

Inédito
A abertura do FICA este ano contará com a exibição do filme “Caminho do Mar”, do diretor Bebeto Abrantes. Bebeto tem extensa passagem por canais como Globo, Futura, Discovery; e recebeu prêmios no New York Film Festival, além de ter sido finalista do Emmy Awards 2000 e 2005. O documentário, que será exibido pela primeira vez durante o FICA, conta a história do Rio Paraíba do Sul, que abastece a região metropolitana do município do Rio de Janeiro.
|
Mais informações:
www.fica.art.br

Eduardo Kac, Marilá Dardot e outros brasileiros no exterior +

A mineira Marilá Dardot (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Unanimous Night”, no Contemporary Art Centre (CAC), em Vilna, na Lituânia, entre 16/6 e 30/8.
|
O Museu Serralves, em Lisboa, recebe a itinerância da 32ª Bienal de Arte de São Paulo entre 30/6 e 29/10.
|
O artista plástico Eduardo Kac, representado pela galeria carioca Luciana Caravello, se prepara para uma impressionante maratona de exposições individuais e coletivas em 2017, seja no Brasil quanto no exterior. Sua mais recente produção, a série “Inner Telescope”, será apresentada em 2017 em mostras individuais em Paris (Galerie Charlot, de 8/6 a 27/7) e no Rio de Janeiro (Luciana Caravello, de 20/7 19/8). As obras participam ainda de coletivas em Linz, na Áustria (Arts Electronica Festival, de 7 a 11/9) e em Seoul, na Coréia do Sul, no evento Da Vinci Creative 2017, no Seoul Art Space Geumcheon (de 1/9 a 30/12). A obra “Inner Telescope” já ganhou uma página inteira no jornal “New York Times” e destaque em veículos como “ArtPress”, “Beaux Arts”, “Le Figaro”, “Huffington Post”, “La Nación” e “Connaissance des Arts”. O filme-documentário “Inner Telescope, A Space Artwork by Eduardo Kac”, dirigido por Virgile Novarina, estreou em Paris no último dia 2/6. A trajetória das obras de Kac no exterior prossegue com a exibição de obras da série “Minitel” na mostra “Electronic Superhigheway”, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia de Lisboa (entre 1 e 30/9), na mostra online “Net Art Anthology - Rhizome”, organizada pelo New Museum de Nova York, e na mostra “Shadow & Space”, em cartaz neste verão norte-americano na Thoma Foundation, em Chicago. Para completar, os trabalhos de Kac realizados em xerox e fax, no início da década de 80, terão espaço no Pacific Standard Time Festival da Getty Foundation e serão exibidos na mostra “Copyart: Experimental Printmaking 1970-1990”, na Hoehn Family Galleries (Universidade de San Diego, entre 1/9 e 30/12).
|
Jarbas Lopes (Galeria Luisa Strina) realiza a mostra individual “Eau”, com curadoria de Elfi Turpin, no CRAC Alsace, em Altkirch, na França, entre 15/6 e 17/9.
|
O paulista, de Ourinhos, Henrique Oliveira (Galeria Millan) realiza sua tem primeira individual em Nova York. A mostra acontece na Van de Weghe Gallery até 30/6.
|
Entre 1/6 e 22/10, a Milwaukee Avenue, em Milwaukee, cidade mais populosa do Estado do Wiscosin, nos EUA, receberá a escultura “Vortex”, do artista gaúcho Saint Clair Cemin (Galeria Bolsa de Arte de Porto Alegre). Trabalho de 2012, essa obra monumental é uma espécie de torre de aço de 12 metros por três metros de largura, que espelha as nuvens ao mesmo tempo que aparenta mover-se em direção a elas.
|
A dupla Dias & Riedweg (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Nuestro Deseo es Una Revolución. Imágenes de la Diversidad Sexual en el Estado Español (1977-2017)”, em cartaz no CentroCentro, em Madri, entre 22/6 e 1/10/17.


|
Individual no Palazzo Cini, em Veneza, recebe fotocolagens de Vik Muniz. A mostra “Afterglow: Pictures of Ruins” apresenta fotografias em grandes formatos de colagens que o artista compôs a partir de pinturas de lugares antigos de artistas como Hubert Robert e Caspar David Friedrich. À distância, elas se assemelham às pinceladas descontroladamente expressionistas dos Antigos Mestres, mas vistas de perto evidenciam cada pequeno pedaço de papel, fotografia e texto utilizados por Vik Muniz. Com curadoria de Luca Massimo Barbero, diretor do Institute of Art History, a exposição apresenta fotografias e uma escultura em vidro produzidas pelo artista em um processo que envolve a recriação de obras familiares no imaginário coletivo através de um processo bastante pessoal do artista. Em cartaqz até 24/7.
|
O carioca Daniel Lannes (Luciana Caravello Galeria de Arte) realiza sua primeira individual em Berlim, na Alemanha. A mostra “A Luz do Fogo” apresenta oito telas e acontece na galeria Magic Beans entre 1/6 e 2/8/17.
|
O artista Daniel Lie (Casa Triângulo) apresenta suas obras nas mostras coletivas “Kompakt? (World Compact) - Out of Brazil”, com curadoria de Ursula Maria Probst, no Museumsquartier, em Viena (Áustria), entre 23/6 e 3/9. Ainda em Viena, Lie mostra suas obras em duas outras mostras: “Du Oder Ich? Collective Soul. Ethik des Miteinanders (You or I? Collective Soul. Ethics of Togetherness)”, também curada por Ursula Maria Probst, no Wachauarena Melk, em Melk, entre 16/6 e 20/8.
|
Albano Afonso (Casa Triângulo) apresenta suas obras na mostra “Sobreexposición”, uma curadoria de Juan José Santos em cartaz no Espacio de Arte Contemporáneo, em Montevidéo, no Uruguai, entre 8/6 e 27/8.

|
O pintor catarinense, radicado no Paraná, Sérgio F. Rolim apresenta suas obras na Galeria 32, na Embaixada do Brasil, em Londres, entre 6 e 30/6.
|
A pintora carioca Gisele Camargo (Luciana Caravello Galeria de Arte) apresenta suas obras na mostra coletiva “Gray Matters”, no Wexner Center for the Arts, na Ohio State University, em Columbus, nos EUA. A exposição reúne cerca 50 obras de diferentes mídias de 37 artistas mulheres contemporâneas, que exploram a técnica grisaille (termo francês para trabalhar em tons de cinza). “Gray Matters” é a primeira exposição organizada por Michael Goodson desde que assumiu o papel de curador sênior de exposições no Wex, e fica em cartaz até 30/7.
|
Carla Zaccagnini (Galeria Vermelho) apresenta suas obras na mostra coletiva “Nordic Delight”, no Finnish Museum of Photography, em Helsinque, na Finlândia, até 13/8.
|
O fotógrafo paulistano Julio Bittencourt (Galeria Lume) foi um dos selecionados pelo Aesthetica Art Prize, prêmio promovido pela Aesthetica Magazine, revista inglesa de arte, cultura e design, e com isso participa de mostra coletiva na York Art Gallery, em York, na Inglaterra. A mostra fica em cartaz até 10/9.
|
Vivian Cacuri (Galeria Leme) participa da mostra “The Future Generation Art Prize”, em cartaz no Palazzo Contarini Polignac Dorsoduro, em Veneza, entre 12/5 e 13/8/17. A artista participa também da feira ArteBA, em Buenos Aires, entre 24 e 27/5, com o projeto “Dixit”, em parceria com Arto Lindsay.
|
Jaime Lauriano (Galeria Leme) participa da mostra “Welt Kompakt?”, no Museum Quartier, em Viena (Áustria), entre 21/6 e 3/9/17.
|
A galeria da Cité Internationel des Arts, em Paris, inaugura em 31/5 mostra “Tender Constructions”, de Carolina Ponte e Pedro Varela, ambos da Galeria Zipper. Carolina, artista residente na instituição, exibe desenhos elaborados por arabescos e ornamentos; Pedro exibe paisagens urbanas utópicas e florestas lisérgicas.
|
A mineira Janaina Mello Landini (Galeria Zipper) participa a partir de 16/5 da Textile Biennial de Rijswilk, na Holanda. Na Itália, a artista realiza individual na Galleria Macca, em Cagliari, a partir de 25/5. Nas duas mostras, exibe obras da série “Ciclotramas”.
|
A artista Regina Silveira (Galeria Luciana Brito) participa com a obra “Touch” da mostera “Planet 9”, no Kunsthalle Darmstat, na Alemanha. A mostra fica em cartaz entre 30/5 e 27/8/17.
|
O artista alagoano-pernambucano Jonathas de Andrade (Galeria Vermelho) está em cartaz desde março em mostra coletiva no MoMA de Nova York com seu filme “Levante”, recentemente adquirido pela instituição. “Unfinished Conversations: New Work from the Collection” acontece entre 10/3 e 30/7 e apresenta ainda obras de John Akomfrah, Anna Boghiguian, Samuel Fosso, Iman Issa, Cameron Rowland, Wolfgang Tillmans, Kara Walker, Lynette Yiadom-Boakye e outros. Ainda nos EUA, Jonatas de Andrade apresenta o filme “O Peixe” (visto na última Bienal de São Paulo), no New Museum (www.newmuseum.org). E junto com Eduardo Srur e Marcelo Moschetta, o artista está na coletiva “Aqua - Les Artistes Contemporains et l’Enjeu de l’Eau”, uma curadoria de Adelina Von Fürstenberg para o projeto Art for the World. A mostra acontece entre 22/3 e 2/7 no Château de Penthes, na Île Rousseau, em Pregny-Chambésy, em Genebra, na Suíça.
|
Sonia Gomes (Mendes Wood DM) e A.R. Penck realizam mostra conjunta nas sedes da galeria paulistana em Nova York e também na Michael Werner Gallery entre 2/5 e 29/6.

|
Clarissa Tossin (Galeria Luisa Strina) participa da coletiva “99 Cents or Less”, com curadoria de Jens Hoffmann, no Museum of Contemporary Art, em Detroit (EUA), entre 19/5 e 6/8/17.
|
A fotógrafa Claudia Andujar e a dupla de artistas multimídia Gisela Motta
e Leandro Lima, ambos da Galeria Vermelho, participam da mostra “Amazonie - Le Chamane et la Pensée de la Forêt”, que acontece no Muséum of Pointe-à-Callière, em Montreal, no Canadá, entre 20/4 e 22/10/17.
|
A carioca Rosângela Rennó (Galeria Vermelho) participa da coletiva “Autophoto”, em cartaz na Fondation Cartier pu l'Art Contemporain, em Paris, entre 20/4 e 24/9/17.
|
Geraldo de Barros e Waldemar Cordeiro protagonizam a mostra “The Revolution is Dead. Long Live the Revolution!”, em cartaz no Zentrum Paul Klee e no Kunstmuseum Bern, em Berna, na Suíça, de 13/4 a 9/7. A curadoria é de Bühler, Michael Baumgartner e Fabienne Eggelhöfer.
|
O carioca Jarbas Lopes (A Gentil Carioca) participa da mostra “Boa Sorte”, em cartaz no FORUM - Fundacao Eugenio de Almeida, em Évora (Portugal), entre 6/5 e 1/10/17. A curadoria é de Elfi Turpin e Filipa Oliveira.
|
A mostra Retrospectiva “Lygia Pape - A Multitude of Forms” é a primeira exposição monográfica dedicada à artista brasileira Lygia Pape (1927-2004) nos EUA. Figura significante no desenvolvimento da arte moderna brasileira, Pape combinou abstração geométrica com noções de corpo, tempo e espaço de formas únicas que transformaram radicalmente a natureza do objeto de arte no final dos anos 1950 e início dos anos 1960. Abrangendo uma carreira prolífica e inclassificável que se estendeu por cinco décadas, esta exposição examina a obra extraordinariamente rica de Pape que se manifesta através de meios variados – desde escultura, gravura e pintura até instalação, fotografia, performance e cinema. Em cartaz no Metropolitan Breuer, em Nova York, entre 21/3 e 23/7.
|
O artista mineiro Pedro Motta (Galeria Luisa Strina) foi selecionado para a mostra “Soulèvements”, com curadoria de Georges Didi-Huberman, no Museu Nacional d’Art de Catalunha, em Barcelona, na Espanha, entre 23/3 e 25/6/17.
|
Clara Ianni (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Utopia/Dustopia”, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, entre 21/3 e 14/8/17.
|
Marcelo Cidade (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Monumentos, Anti-Monumentos y Nueva Escultura Pública”, no Museo de Arte de Zapopan (MAZ), em Zapopan, no México, entre 30/3 e 30/7/17.
|
A mostra “Claudia Andujar. Tomorrow Must Not Be Yesterday” fica em cartaz no
Museum für Moderne Kunst, em Frankfurt, na Alemanha, entre 18/2 e 25/6.
|
A artista mineira radicada no Rio de Janeiro Laura Lima participa da mostra “Illusion and Revelation”, curadoria de Ernst Caramelle, em cartaz no Bonnefanten Museum, em Maastricht, na Holanda, até 27/11/17. www.bonnefantren.nl

|
O fotógrafo paraense Guy Veloso (Escritório de Arte Rosa Barbosa) foi convidado com seu projeto “Penitentes: Dos Ritos de Sangue à Fascinação do Fim do Mundo” para a Bienal de las Américas, em Denver, no Colorado (EUA), em junho de 2017. Trata-se de um trabalho de cunho antropológico de Veloso, que retrata grupos laicos de Encomendadores das Almas (Penitentes), que durante certas épocas do ano, saem noite adentro rezando pelos “espíritos sofredores”, geralmente cobrindo rostos com panos ou capuzes, em alguns casos mais dramáticos, praticando autoflagelação. Curadoria de Maluca Salazar.
|
A Rubell Family Collection – Contemporary Art Foundation, em Miami, apresenta a mostra “New Shamans - Novos Xamãs: Brazilian Artists” até 25/8/17. A mostra apresenta obras nas mais diversas mídias dos artistas AVAF, Lucas Arruda, Thiago Martins de Melo, Sonia Gomes, Andre Komatsu, Daniel Steegmann Mangrané, Paulo Nazareth, Maria Nepomuceno, Solange Pessoa, Paulo Nimer Pjota, Marina Rheingantz, Eli Sudbrack e Erika Verzutti.

Fundação Conrado Wessel anuncia vencedores da sua 15ª edição +

O Prêmio FCW de Arte (Fotografia), um dos mais importantes prêmios na área da fotografia do Brasil, anuncia os vencedores da sua 15ª edição, selecionados por comissão julgadora. Os 15 melhores trabalhos integrarão um livro comemorativo da premiação. Desses finalistas foram escolhidos três vencedores, que receberão prêmios nos valores de R$ 114,3 mil (1.º colocado) e R$ 42,8 mil (2.º e 3.º colocados).
O prêmio recebeu a inscrição de 510 ensaios fotográficos para a sua 15.ª edição, originários de 23 estados brasileiros, além do Distrito Federal, que teve 22 trabalhos encaminhados. A comissão julgadora seleciona os 15 melhores trabalhos, que integrarão um livro comemorativo da premiação. A cerimônia de premiação ocorrerá em 20 de setembro, em São Paulo, juntamente com a entrega do Prêmio FCW de Ciência e Cultura.

Confira a lista:

1° Lugar - Rodrigo Zeferino com o ensaio “O Grande Vizinho”;

2° Lugar - Wagner Almeida, com ensaio “Luz Vermelha”;

3° Lugar - Lalo de Almeida, com o ensaio “Microcefalia as Vitimas do Zika Virus’.

Finalistas:
Alexandre Furcolin Filho e Jazzie Moyssiadis em “Br Motels” ;
Andre Penteado em “Missão Francesa”;
Avener Prado em “Ainda Lama”;
Brunno Covello em “Retratos Para O Haiti”;
Daniel Pinho em “Retratos de Família”;
Davilym Dourado em “Monster”;
Edu Simoes em “59 Jovens Negros são Assassinados no Brasil Todos os Dias”;
Eustaquio Neves em “Cartas Ao Mar”;
Felipe Russo em “Garagem Automática”;
Gustavo Minas em “Rodoviária”;
Ilana Bar em “Transparências de Lar”;
Márcio Vasconcelos em “Visões de um Poema Sujo’;
Thiele Elissa em “Estranhos Íntimos”.
|
www.fcw.org.br

Caverna etíope abriga estúdio de arte rupestre mais antigo do mundo +

Quando os povos pré-históricos da Etiópia, na África, queriam fazer uma nova pintura em uma caverna, parecia que eles sabiam exatamente para onde ir: a Caverna do Porco-espinho (Porc-Epic Cave), que por 4.500 anos foi usada para produzir o ocre, um pigmento amarelo-acastanhado, frequentemente usado na arte pré-histórica.

A caverna Porco Espinho foi descoberta por Pierre Teilhard de Chardin e Henry de Monfreid, em 1929, e pode ser datada por cerca de 43 mil a 42 mil anos atrás, durante a Idade da Pedra Média. No local, os arqueólogos encontraram um conjunto de 4.213 peças, ou quase 90 quilos, de ocre, a maior coleção já descoberta já descoberta em um local pré-histórico na África Oriental.

Em maio deste ano, os pesquisadores Daniela Eugenia Rosso, da Universidade de Barcelona e Francesco d'Errico e Alain Queffelec, da Universidade de Bordéus, na França, publicaram um artigo intitulado "Padrões de mudança e continuidade no uso de ocre no final da Idade da Pedra Média no Chifre da África: o Recorde da Caverna Porco Espinho", no jornal “Plos One”.

Eles descobriram que os visitantes antigos do local processavam as pedras de ocre ricas em ferro ao espalhar e moer as matérias-primas "para produzir um granulado fino ou pó vermelho e brilhante". As pedras ocres podem ser usadas para produzir pós de diferentes variações, em tons de amarelo, laranja, vermelho, marrom e cinza. (Uma descoberta semelhante foi descoberta em uma caverna de 100 mil anos na África do Sul em 2011).

Embora o papel permita que o pó ocre possa ser usado medicinalmente ou para outros fins, sua produção é "mais consistente com atividades simbólicas, como a pintura de corpo, a produção de padrões em diferentes mídias ou para sinalização". Um cascalho meio revestido em ocre, por exemplo, poderia ter sido usado como uma estampa para aplicar o pigmento em superfícies macias. Os pesquisadores também compararam essas peças como longas pontas de giz de cera ocre.

De acordo com o artigo, a comunidade local confia que a caverna Porco Espinho por milênios era essencialmente servida como um estúdio para artistas.

Festival Performe-se no Espírito Santo recebe inscrições +

A segunda edição do Festival Performe-se: Fronteiras Borradas | Fronteiras Rrguidas ocorre entre 27 e 30/09/17, evento voltado para a arte da performance com uma programação diversificada com oficinas, debates, performances, mostra de vídeo-performances e encontros em Vitória, Espírito Santo. Neste ano, com apoio da Universidade Federal do Espírito Santo e financiamento por meio do Funcultura, o festival convoca artistas locais e de todo o Brasil para inscrição de seus projetos de performances e vídeo-performances; com ajuda de custo no valor de R$ 600 para residentes no estado e R$1.200 para outros estados. Até 30/06/17.
O festival surgiu do desejo de artistas e estudantes do Curso de Artes da UFES de incentivar a produção e o desenvolvimento de processos de criação em performance assim como de estabelecer redes e espaços de compartilhamento de experiências voltadas para as poéticas do corpo. Questões que envolvem as facetas sociais brasileiras, como também a condição mundial inflamada pelos conflitos e política, discussões que tratam das fronteiras do eu e da relação com o outro, assim como dos limites entre performer e público e suas possíveis dimensões participativas. Concepção de Geovanni Lima e Natalie Mirêdia, e produção e organização de Carla Borba, Geovanni Lima e Natalie Mirêdia.
|
Mais informações:
www.performese.wixsite.com/performe-se

Concretos e neoconcretos ganham mostras em Nova York +

Lygia Pape, Lygia Clark, Hélio Oiticica, Judith Lauand e o grupo carioca Frente invadem Nova York nos próximos meses. A retrospectiva “Lygia Pape - A Multitude of Forms” fica em cartaz no Metropolitan Breuer, até 23/7. A galeria Luhring Augustine mantém a antologia “Lygia Clark - Modulated Space” em cartaz até 17/6. Dois dias antes do encerramento, em 15/6, a Driscoll Babcock Galleries realiza sua segunda mostra individual de Judith Lauand, novamente com curadoria de Aliza Edelman. A primeira mostra foi em 2015. O grupo carioca Frente, liderado por Ivan Serpa, ganha mostra na Galerie Lelong entre 22/6 e 5/8. Além de obras de Serpa, serão apresentados trabalhos de João José Silva Costa, Rubem Ludolf, Aluísio Carvão, Décio Vieira e outros. Em 14/7, chega ao Whitney Museum a mostra retrospectiva “Helio Oiticica: To Organize Delirium”, que já passou por Pittsburgh e Chicago. A mostra ficará em cartaz até 1/10.

Obra de Paulo Leminski é exibida simultaneamente na Polônia e no Paraná +

As obras de Paulo Leminski (1944 - 1989) são apresentadas em exposições simultâneas na Polônia e no Paraná. Intitulada "Meu Coração de Polaco Voltou - Origem e Influência Polonesa na Obra de Paulo Leminski", a mostra abre em 04/06 no Museu da História do Movimento Popular Polonês, em Varsóvia, e depois será levada para Cracóvia. Já no Brasil, a “Múltiplo Leminski” retoma a itinerância em 08/06/17, às 19h, após um intervalo de um ano, no Museu de História e Artes Hélenton Borba Côrtes, em Maringá (PR). A exposição sobre a vida do escritor e poeta paranaense reúne aspectos culturais da multifacetada mente efervescente do artista, através de cerca de mil objetos pessoais que vão desde manuscritos em guardanapos, quadros, a coleção de dicionários, entre outras curiosidades que recompõem sua atmosfera cultural. A exibição foi criada em 2012 com o objetivo de ampliar o conhecimento da obra de Leminski que, apesar de um ícone da poesia, caminhou com desenvoltura por diversas expressões artísticas. A exposição tem a curadoria de Alice Ruiz, Aurea Leminski e Estrela Ruiz Leminski.
Paralelamente à mostra ocorre extensa programação de atividades, com show Leminskações, com participação de José Miguel Wisnik, que também fará uma palestra, visita guiada com Alice Ruiz e ciclo de palestras e mostra de filmes. Confira o cronograma:
|
09/07, às 14h - Visita guiada com Aurea Leminski;
24/08, às 15h - Visita guiada com Alice Ruiz;
Às 17h - Palestra de José Miguel Wisnik
Casa da Cultura AlcidioRegini ;
Às 20h30 - Show Leminskanções - com Estrela Leminski, Téo Ruiz e banda -participação especial de José Miguel Wisnik.
-
13 a 14/09, 19h às 21h - Mostra de Filmes e Vídeos
Local: Casa da Cultura AlcidioRegini
-
Setembro - Ciclo de Palestras com Aurea Leminski em escolas públicas
|
Mais informações:
Museu de História e Artes Hélenton Borba Côrtes
Zona5: av. Dr. Luiz Teixeira Mendes, 2.500 – Maringá - PR
-
Casa da Cultura AlcidioRegini
Jd. Alvorada: av. Sophia Rasgulaeff, 693.
-
Teatro Calil Haddad
Zona 5: av. Dr. Luiz Teixeira Mendes, 2.500.
www.multiploleminski.com.br

Anel de esmeralda do casal Rockefeller é a estrela da Christies +

Um espetacular anel de esmeralda colombiana e diamantes de 18,04 quilates, que pertenceu ao casal norte-americano Peggy e David Rockefeller é a estrela do leilão “Magnificent Jewels & the Rockefeller Emerald”, que vai acontecer na Christies, no Rockefeller Center, em Nova York, em 20/6/17. A peça está avaliada entre US$ 4 e US$ 6 mihões e foi confeccionada pelo designer norte-americano de jóias Raymond Carter Yard. Rockefeller sempre foi um entusiasta da carreira de Yard e o apresentou às mais poderosas famílias de Nova York, como os Vanderbilts, os DuPonts e os Woolworths. A esmeralda fazia parte de um broche adquirido em 1930 por John D. Rockfelles para sua esposa Abby Aldrich Rockefeller, que o manteve até sua morte, em 1948, quando então foi levado para Yard para desmembrá-lo. Cada uma das esmeraldas do broche foi dada a seus filhos e coube a David a maior delas, que então solicitou a Yard que fizesse o anel com a esmeralda no centro, ladeada por diamantes e montada em platina. A esmeralda colombiana de Rockefeller foi qualificada como “excepcional” pelo American Gemological Laboratories por sua “incomum combinação de tamanho, proveniência, ausência de tratamentos e qualidades que favorecem sua raridade e desejo”.

Frestas Trienal de Artes do Sesc anuncia artistas da 2ª edição em Sorocaba +

O Sesc acaba de anunciar a lista dos artistas que participarão da 2ª edição de “Frestas – Trienal de Artes”, que será realizada entre os meses de agosto e dezembro de 2017, na cidade de Sorocaba, a 90 km da capital paulista. A trienal, idealizada pela equipe do Sesc, busca promover o intercâmbio entre artistas locais, regionais e internacionais, estimular pesquisas e estudos sobre a arte contemporânea e ainda proporcionar o acesso a variadas formas de manifestação cultural no interior de São Paulo, em um movimento de descentralização dos polos de arte contemporânea.

Tendo como prerrogativa o tema “Entre Pós-Verdades e Acontecimentos”, o projeto da curadora e crítica de arte Daniela Labra selecionou, até o momento, 58 artistas contemporâneos, de diferentes gerações, cujos trabalhos nos levam a refletir sobre as ambiguidades e indefinições nas artes e as duvidosas verdades dos discursos midiáticos cotidianos.

Ao olharmos para o contexto de nosso tempo, saturado de informações incompletas e estímulos de consumo ininterruptos, a proposta curatorial aponta caminhos para refletir acerca da impossibilidade de definir Verdade e Real, tanto nas narrativas políticas globais, sustentadas por redes de memes, falsos profetas e populismos midiáticos, como também na arte, cujas certezas sobre sua natureza academicamente regrada começa a ruir nas primeiras vanguardas Modernas no final do Século XIX”, diz a curadora geral, que tem Yudi Rafael como curador assistente desta edição de Frestas.

Durante os quatro meses da Trienal, serão apresentadas cerca de 160 obras, entre projetos comissionados, performances, memes-obras (feitas exclusivamente para a internet), residências artísticas e intervenções urbanas. A programação traz também conferências internacionais, debates, oficinas, vivências, espetáculo de teatro e show musical.

Explorando premissas como: ambiguidades formais e transdisciplinaridade, temporalidades e registros, performatividade, questões de gênero e sexualidade, artisticidade e crítica social, a exposição acontece em uma área de 2.300 m2 que será construída no estacionamento do Sesc Sorocaba especialmente para a mostra. Frestas ocupará ainda outros espaços da cidade, com instalações e intervenções em ruínas históricas, estabelecimentos comerciais, outras instituições, terrenos e espaços públicos de grande circulação.

O projeto educativo de Frestas 2017 terá curadoria de Fabio Tremonte e a curadoria editorial é de Ana Maria Maia e Júlia Ayerbe. O projeto gráfico é de autoria de Julia Masagão e o projeto expográfico do Estúdio Gru.

Artistas Participantes

A seleção de artistas da 2ª edição da Trienal de Artes do Sesc traz cerca de 40 artistas nacionais e 18 artistas internacionais de 12 países: Alemanha, Argentina, Áustria, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Guatemala, Japão, México e Peru.

Entre os brasileiros, estão Daniel Senise, que apresenta um projeto inédito com fotografias e impressões do piso do antigo refeitório dos funcionários da estação da Estrada de Ferro Sorocabana; Wanda Pimentel, com telas e relevos pouco conhecidos de temas urbanos e femininos, pertencentes à coleção Sattamini/MAC Niterói; Dias & Riedweg, que fazem uma instalação a partir do trabalho fotográfico de Charles Hovland; e Panmela Castro, jovem grafiteira e ativista feminista, que utilizará o muro do Palacete Scarpa, sede do Secretaria de Cultura de Sorocaba, para realizar uma intervenção artística.

Da lista internacional, destaque para a fotógrafa norte-americana Francesca Woodman (1958-1981), com um conjunto de imagens de diversas coleções particulares do Brasil, que revelam força e urgência em seus sujeitos (muitas vezes ela própria) retratados de forma indefinida e esfumaçada; a mexicana Teresa Margolles, que criou uma coleção de joias em ouro 18 quilates com estilhaços de bala ou vidro retirados de corpos de vítimas da guerra do narcotráfico em seu país; e o coletivo de artistas feministas Guerrilla Girls, criado há mais de 30 anos nos Estados Unidos, que levam à Sorocaba o “Departamento de Reclamações” (apresentado pela primeira vez na Tate Modern, em Londres, em 2016), convidando o público a entrar no local e registrar qualquer tipo de reclamação.
Desde a inauguração de sua sede, em 2012, o Sesc Sorocaba buscava estruturar um projeto capaz de retomar as atividades desenvolvidas em colaboração com os artistas da cidade na década de 1990, no projeto Terra Rasgada, realizado em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura.

A partir dessa experiência, surgiu o Frestas, que também carrega no título o sentido do nome Sorocaba, que, traduzido do tupi-guarani, significa o “lugar da rasgadura”. Intitulada “O que seria do mundo sem as coisas que não existem?”, a 1ª edição de Trienal de Artes foi realizada entre outubro de 2014 e maio de 2015, com curadoria geral de Josué Mattos.

Confira a lista de artistas confirmados do 2º Frestas – Trienal de Artes:
André Komatsu (São Paulo, Brasil)
Angélica Freitas (Pelotas, Brasil)
Bruno Baptistelli (São Paulo, Brasil/Budapeste, Hungria)
Bruno Mendonça (São Paulo, Brasil)
Celina Portella (Rio de Janeiro, Brasil)
Cleverson Salvaro (Belo Horizonte, Brasil)
Daniel Caballero (São Paulo, Brasil)
Daniel Escobar (Porto Alegre, Brasil)
Daniel Lie (São Paulo, Brasil)
Daniel Senise (Rio de Janeiro, Brasil)
Daria Martin (Londres, Grã- Bretanha)
Deborah Engel (São Paulo, Brasil)
Denis Darzacq (Paris, França)
Diango Hernández (Sancti Spíritus, Cuba)
Dias & Riedweg (Rio de Janeiro, Brasil/ Lucerna, Suíça)
Edson Barrus (Carnaubeira da Penha, PE, Brasil)
Fabiano Marques (São Paulo, Brasil)
Fabio Noronha (Curitiba, Brasil)
Francesca Woodman (Denver, EUA - 1958-1981)
Gala Berger (Villa Gesell, Argentina)
Georges Rousse (Paris, França)
Gervane de Paula (Cuiabá, Brasil)
Graziela Kunsch (São Paulo, Brasil)
Guerrilla Girls (Nova Iorque - Los Angeles, EUA)
Gustavo Speridião (Rio de Janeiro, Brasil)
Héctor Zamora (Cidade do México, México)
Hito Steyerl (Munique, Alemanha)
Irene de Andrés (Ibiza, Espanha)
Letícia Ramos (São Paulo, Brasil)
Lina Kim (São Paulo, Brasil/ Berlim, Alemanha)
Marcius Galán (São Paulo, Brasil)
Maria Thereza Alves (São Paulo, Brasil/ Berlim, Alemanha)
Marko Lulic (Viena, Áustria)
Matheus Rocha-Pitta (Tiradentes, Brasil)
Michael Wesely (Berlim, Alemanha)
Miro Spinelli (Nova Friburgo, RJ, Brasil)
NUNCA (São Paulo, Brasil)
O Nome do Boi (Várias cidades, Brasil)
On Kawara (Kariya, Japão - 1932-2014)
Panmela Castro (Rio de Janeiro, Brasil)
Pedro França (Rio de Janeiro, Brasil)
Rafael Alonso (Rio de Janeiro, Brasil)
Rafael RG (São Paulo, Brasil)
Raul Mourão (Rio de Janeiro, Brasil)
Reynier Leyva Novo (Havana, Cuba)
Ricardo Cástro (Rio de Janeiro, Brasil)
Rivane Neuenschwander (Belo Horizonte, Brasil)
Sandra Monterroso (Cidade de Guatemala, Guatemala)
Sergio Zevallos (Lima, Peru/ Berlim, Alemanha)
Simone Cupello (Rio de Janeiro, Brasil)
Susan Hiller (Londres, Grã Bretanha)
Teresa Margolles (Culiacán, México)
Thiago Honório (São Paulo, Brasil)
Traplev (Caçador, SC, Brasil)
Wanda Pimentel (Rio de Janeiro, Brasil)
Yara Pina (Goiânia, Brasil)
Yvon Chabrowski (Berlim, Alemanha)
Zé Carlos Garcia (Rio de Janeiro, Brasil).

Museu Casa da Xilogravura recebe inscrições de xilógrafos para mostra e prêmio +

O Museu Casa da Xilogravura, em Campos do Jordão (SP), recebe até 30/06/17 inscrições de xilógrafos brasileiros estejam produzindo gravuras impressas com matrizes de madeira para compor a exposição comemorativa “Museu Casa da Xilogravura 30 anos (1987-2017)”. Os interessados podem enviar currículo e duas xilogravuras de sua autoria (sem moldura) por correio, e concorrem a um dos seguintes prêmios:

-Prêmio Descoberta (para um artista ainda não constante do acervo da Casa da Xilogravura);
-Prêmio Reencontro (para um artista já pertencente ao acervo da Casa da Xilogravura);
-Grande Prêmio Casa da Xilogravura (para um artista de ambas as categorias anteriores, cujo trabalho venha a destacar-se especialmente).
-Prêmio Mantiqueira (para um artista residente em Campos do Jordão ou no Vale do Paraíba);

Cada um dos artistas premiados receberá a quantia de R$ 1.000,00 (um mil reais), além de Diploma de Premiação. As xilogravuras recebidas, tanto as premiadas quanto as não premiadas, não serão devolvidas e passarão a integrar o acervo do Museu Casa da Xilogravura, o qual se transferirá à propriedade da Universidade de São Paulo (USP) e será incluído no Catálogo do Museu, a ser publicado em 2017.
|
Museu Casa da Xilogravura
Centro: av. Eduardo Moreira da Cruz, 295, Caixa Postal 42 - 12460-000 – Campos do Jordão – SP. Tel.: (12) 3662 1832 ou contato@casadaxilogravura.com.br
www.casadaxilogravura.com.br

Lisson Gallery fecha sua sede em Milão após seis anos +

A Lisson Gallery - uma das galerias mais importantes da cena artística de Londres, que representa artistas renomados como Marina Abramović, Ai Weiwei e Anish Kapoor - fecha sua sede em Milão, inaugurada em 2011. Sua exposição final, dedicada ao artista americano Spencer Finch, terminou no último19 de maio.

A galeria celebra seu 50º aniversário este ano, um marco que levou algumas mudanças importantes à sua estrutura. Em março passado, foi lançado um segundo espaço em Nova York, que complementa a primeira galeria aberta em maio de 2016 perto da High Line, bem como suas duas galerias de Londres.

Com a expansão de Nova York bem encaminhada, a filial de Milão, seu primeiro posto, não parecia ser mais uma prioridade.

Galeria de Arte Gaia Unicamp recebe inscrições de propostas artísticas +

A Galeria de Arte do Instituto de Artes da Unicamp, (GAIA) em Campinas recebe inscrições até 08/06/17 para projetos de exposições de arte contemporânea e demais eventos culturais, a serem realizados nos anos de 2018 e 2019. A seleção de projetos é feita pelo Conselho da Gaia/Unicamp e o resultado será disponibilizado em setembro de 2017 no site do Instituto (www.iar.unicamp.br). Os arquivos estão disponíveis no link : http://migre.me/wKqjC . Entrega da documentação impressa pode ser feitas diretamente na Gaia Unicamp, das 09h às 17h, ou encaminhadas por Correios para o endereço abaixo.
|
Maiores informações:
Galeria do Instituto de Artes - GAIA/UNICAMP
Rua Sérgio Buarque de Holanda, s/nº - Térreo da Biblioteca Central “Cesar Lattes” - UNICAMP. Cidade Universitária Zeferino Vaz, Barão Geraldo – Campinas - SP. CEP: 13083-859.
www.iar.unicamp.br/galeria

Festival Sesc_Videobrasil divulga lista dos selecionados +

A Associação Cultural Videobrasil e o Sesc São Paulo anunciam a lista de artistas participantes do 20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil, que ocorre entre outubro de 2017 e janeiro de 2018, em São Paulo. Ao todo, 1.922 artistas de 109 países inscreveram obras no Open Call. Os brasileiros Ana Pato, Beatriz Lemos e Diego Matos e o português João Laia trabalharam ao lado da curadora geral, Solange Farkas, e foram responsáveis pela seleção dos 50 artistas de 25 países que apresentarão seus trabalhos nesta nova edição.
|
Confira a lista:
Alia Farid, Kuwait / Porto Rico
Alyona Larionova, Rússia / Reino Unido
Ana Elisa Egreja, Brasil
Ana Mazzei, Brasil
Ana Vaz, Brasil / França
Andrés Padilla Domene, México / França
Bárbara Wagner e Benjamin de Búrca, Brasil e Alemanha
Cristiano Lenhardt, Brasil
Daniel Monroy Cuevas, México
DÉbora Mazloum, Brasil
Elizabeth Vásquez Arbulú, Peru
Elvis Almeida, Brasil
Emo de Medeiros, França / Benim
Engel Leonardo, República Dominicana
Felipe Esparza Pérez, Peru
Filipa César, Portugal / Alemanha
Graziela Kunsch, Brasil
Haig Aivazian, Líbano
Hellen Ascoli, Guatemala
Ícaro Lira, Brasil
Jaime Lauriano, Brasil
Jiwon Choi, Coréia do Sul / Estados Unidos
Karo Akpokiere, Nigéria
Kavich Neang, Camboja
Köken Ergun, Turquia
La Decanatura, Colômbia
Louise Botkay, Brasil
Mabe Bethônico, Brasil
Manuela de Laborde, México
Mariana Portela Echeverri, Portugal / Reino Unido
Mariana RodrÍguez, Argentina / México
Miguel Penha, Brasil
Mona Vatamanu & Florin Tudor, Romênia
Monira Al Qadiri, Senegal / Kuwait
Natasha Mendonca, Índia
Pakui Hardware, Lituânia
Pedro Barateiro, Portugal
Quy Minh Truong, Vietnã
Rafael Pagatini, Brasil
Rodrigo Hernández, México
Roy Dib, Líbano
Sammy Baloji, República Democrática do Congo / Bélgica
Sasha Litvintseva, Rússia / Reino Unido
Seydou Cissé, Mali / França
Thando Mama, África do Sul
Tatewaki Nio, Japão / Brasil
Thiago Martins de Melo, Brasil
Viktorija Rybakova, Lituânia
Von Calhau!, Portugal
Ximena Garrido-Lecca,Peru / México
|
www.videobrasil.org.br

Semana de Arte divulga data e propõe um evento além da arte visual +

A Semana de Arte, evento conduzido pelos galeristas Luisa Strina e Thiago Gomide, pelo curador Ricardo Sardenberg e pelo empresário cultural Emilio Kalil, divulgou as datas do evento que ocorre no Hotel Unique, no bairro do Ibirapuera em São Paulo. Entre 14 e 20/08/17 a Semana propõe celebrar, discutir e ampliar o mercado em torno das artes visuais e também com uma série de espetáculos exclusivos de teatro, música, dança e literatura, além de ciclo de debates e passeios arquitetônicos espalhados por diversos espaços da cidade. O destaque está na feira de arte que reunirá um seleto time de 35 galerias do Brasil e do mundo. A ideia é oferecer um novo formato, em que os mercados primário e secundário serão dispostos sem hierarquia, focada na criação de um fluxo entre os espaços de cada expositor, sejam solos, diálogos entre dois artistas ou em torno de temas específicos.
Entre as confirmadas estão casas que não costumam frequentar o circuito brasileiro com assiduidade, como Luhring Augustine e Alexander and Bonin (ambas de Nova York). Sprovieri Gallery (Londres), Galleria Continua (San Gimignano - Itália) e Galería Elba Benitez (Madri). No rol nacional, figuram algumas das principais galerias do país (veja a lista completa abaixo). A curadoria é de Ricardo Sardenberg que também é responsável por ciclo de debates, tendo como ponto de partida duas exposições em 1989: “Magiciens de la terre”, que tomou o Centro Georges Pompidou e a Grande Halle de la Villete, em Paris, e a terceira edição da Bienal de Havana. No ano da queda do Muro de Berlim, ambas mergulharam em uma pesquisa profunda, e praticamente inédita até então, sobre a arte criada fora do eixo Europa-Estados Unidos.
A programação além-artes visuais está a cargo de Emilio Kalil, que organizou a série de apresentações de teatro, dança, música e literatura para abrir a Semana. Como destaque, Maria Bethânia prepara uma leitura de fragmentos e testemunhos selecionados a partir de obras literárias que documentam a Diáspora Negra, seguido de exibição do documentário “Maria – Não esqueça que eu venho dos trópicos”, que resgata a vida e a obra da escultora Maria Martins (1894-1973). Para o teatro, Hamilton Vaz Pereira comanda a leitura dramática da peça “Trate-me leão”, uma das mais emblemáticas do grupo teatral Asdrúbal Trouxe o Trombone. Entre os programas definidos está ainda um festival de vídeo-dança, centrado em obras de coreógrafos que flertaram com as artes visuais – caso de Trisha Brown, célebre parceira do artista Robert Rauschenberg, e Merce Cunningham, que também trabalhou com nomes como Jasper Johns e Andy Warhol.
A Semana de Arte se completa com quatro passeios por marcos arquitetônicos de São Paulo guiados pelo arquiteto Aieto Manetti, percorrendo edificações de Lina Bo Bardi e Paulo Mendes da Rocha, e regiões de Higienópolis e do Centro.
|
Confira as galerias confirmadas:

Nacionais
Almeida & Dale Galeria de Arte (SP)
Arte 57 (SP)
Pinakotheke (RJ)
Galeria A Gentil Carioca (RJ)
Galeria Bergamin & Gomide (SP)
Galeria Casa Triângulo (SP)
Celma Albuquerque (MG)
Galeria Estação (SP)
Folio (SP)
Galeria Itamar Musse (BA)
Galeria Jaqueline Martins (SP)
Galeria Leme (SP)
Galeria Luisa Strina (SP)
Lurixs (RJ)
Galeria Marilia Razuk (SP)
Galeria Mendes Wood (SP)
Galeria Millan (SP)
Galeria Nara Roesler (SP)
Galeria Vermelho (SP)
Luciana Brito Galeria (SP)
Paulo Kuczynski Escritório de Arte (SP)
Rafael Moraes (SP)
Resplendor Antiguidades (SP)
Ronnie Mesquita (RJ)
Simões de Assis (PR)
Superfície (SP)
Galeria Sé (SP);

Estrangeiras:
Alexander and Bonin (Nova York)
Galeria Elba Benitez (Madri)
Galleria Continua (San Gimignano)
Luhring Augustine Gallery (Nova York)
Sprovieri Gallery (Londres).
|
Mais informações:
Hotel Unique
Jardim Paulista: av. Brigadeiro Luís Antônio, 4.700.

The National Gallery of Canada recebe doação avaliada em US$ 12 milhões +

A The National Gallery of Canada ganhou nesta terça, 09/05/17, uma coleção com 197 obras de arte, avaliada em cerca de 12 milhões de dólares. O anuncio foi feito pelo colecionador e doador Bob Rennie na abertura da Bienal de Veneza em comemoração aos 150 anos do Canadá, como um presente à nação.
A coleção reúne trabalhos de alguns dos maiores nomes da arte contemporânea daquele país, além de artistas de grande renome internacional, como a colombiana Doris Salcedo, e os canadenses Brian Jungen, Damian Moppett, Rodney Graham, Ian Wallace e Geoffrey Farmer, que representa o país nesta 57ª edição da Bienal de Veneza.
Em forma de agradecimento ao gesto generoso, a The National Gallery of Canada vai nomear uma de suas salas como o nome de do colecionador, onde vai exibir obras de artistas contemporâneos.
"Há alguns anos, queremos dar um presente da nossa coleção para o Canadá, para a nação. Com as celebrações do 150º aniversário do país decidimos que este era o momento para fazê-lo”, disse Bob Rennie. “Uma das missões da Coleção Rennie é abranger a carreira de artistas com profundidade. O trabalho de Ian Wallace em nossa coleção é um excelente exemplo disso, e foi importante para garantir que seu corpo de trabalho permanecesse junto. Além disso, reconhecer a seleção deste ano de Geoffrey Farmer para representar o Canadá na Bienal de Venezia nos deixa muito felizes”, completou ele.
Bob Rennie é um comerciante do setor imobiliário e diretor da Fundação Rennie. Ele é um ex-presidente do Comitê de Aquisições da América do Norte da Tate Modern e membro do Conselho Internacional Tate e do Conselho de Curadores do Instituto de Arte de Chicago. Ele também faz parte do Conselho Consultivo da British Columbia. Em 2008, Bob foi reconhecido com um doutorado honorário pela Universidade Emily Carr, e em 2014 foi nomeado para a Ordem da Colúmbia Britânica por sua distinta liderança e excepcional dedicação ao fortalecimento e aperfeiçoamento das artes e da cultura na Colúmbia Britânica.
A Coleção Rennie é uma das maiores coleções de arte contemporânea do Canadá, tem evoluído ao longo de vários anos para se concentrar em trabalhos que abordam questões de identidade, comentários sociais, injustiça e os desafios da apropriação, da pintura, da fotografia e do cinema.

Homenageando Leonilson, 18º Prêmio Arte na Escola Cidadã recebe inscrições +

O Prêmio Arte na Escola Cidadã, realizado pelo Instituto Arte na Escola por meio da Lei de Incentivo à Cultura, recebe inscrições até 28/05/17, através do link: www.artenaescola.org.br/premio. Podem se inscrever professores de arte de todo o território nacional. Todos os inscritos receberão um material com proposta educativa a partir da obra "Puros e Duros" (1991), de Leonilson, artista homenageado nesta 18ª edição do Prêmio.
São cinco categorias de premiação: Educação Infantil, Ensino Fundamental 1, Ensino Fundamental 2, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Os participantes devem desenvolvido projetos em Artes Visuais, Dança, Música ou Teatro, entre 2015 e maio de 2017, em escolas de ensino regular, públicas ou particulares.
Os professores premiados recebem R$ 10 mil, publicações e certificado, além de participarem da cerimônia de premiação e de vivências culturais na cidade de São Paulo. As escolas nas quais os projetos foram desenvolvidos também recebem prêmios, como equipamentos e publicações para a biblioteca.
Cada professor vencedor tem ainda seu projeto registrado em um documentário produzido pelo Instituto Arte na Escola. Após a cerimônia de premiação, os cinco documentários produzidos se desdobram em materiais de formação para outros professores de Artes.
|
Mais informações: www.artenaescola.org.br/premio

6º Prêmio CNI Marcantonio Vilaça anuncia artistas e curadores finalistas +

A 6ª edição do Prêmio Marcantonio Vilaça CNI Sesi Senai anunciou a lista de artistas selecionados. Os 20 artistas vão receber premiação de R$ 50 mil, cada, além de participar de exposições itinerantes entre dezembro de 2017 e dezembro de 2018, por capitais brasileiras. Na categoria Curador, o vencedor receberá o valor de R$ 25 mil. Os finalistas são: Ana Avelar (Curitiba PR), Douglas de Freitas (São Paulo, SP) e Josué Mattos (Criciúma, SC). O premiado realizará um projeto de exposição premiado nas quatro cidades que receberão a itinerância do Prêmio (Rio de Janeiro, Fortaleza, Goiânia e Porto Alegre).
Em agosto, os artistas selecionados participam de uma exposição coletiva no Museu Brasileiro da Escultura (MuBE), em São Paulo. No evento de abertura, serão conhecidos os vencedores do Prêmio (5 artistas e 1 curador).
Além de Marcus Lontra, curador do Prêmio, o júri é composto pelos críticos Cauê Alves (São Paulo, SP), Jailton Moreira (Porto Alegre, RS), Marcelo Campos (Rio de Janeiro, RJ), Moacir dos Anjos (Recife, PE), além dos vencedores de edições anteriores: o curador vencedor do 5º Prêmio Marcantonio Vilaça, Divino Sobral (Goiânia, GO) e a artista vencedora do 2º Prêmio Marcantonio Vilaça, Lucia Laguna (Rio de Janeiro, RJ).
Artistas selecionados:
Alice Miceli (RJ), Bruno Vilela (PE), Camila Soato (DF), Dalton Paula (GO), Daniel Lannes (RJ), Éder Oliveira (PA), Edith Derdyk (SP), Fernando Lindote (SC), Jaime Lauriano (SP), João Angelini (DF), João Loureiro (SP), Marcelo Moscheta (SP), Mariana Manhães (RJ), Pablo Lobato (MG), Pedro Motta (MG), Rochelle Costi (SP), Rodrigo Sassi (SP), Suzana Queiroga (RJ), Thiago Martins de Mello (MA) e Tony Camargo (PR).

Santander Cultural realiza o seminário Curadoria em Artes Visuais +

O Santander Cultural realiza entre 18/05/17 a 13/07/17 o seminário “Curadoria em Artes Visuais – um Panorama Histórico e Prospectivo”, que propõe uma reflexão sobre a prática e o pensamento curatorial no mundo contemporâneo. O programa é gratuito e ocorre às quintas-feiras, das 18h30 às 21h30, com os oito encontros de três horas de duração cada, que proporcionam um espaço de fala ampliado tanto para os palestrantes quanto para os alunos. Participam Cauê Alves, André Venzon, Mônica Hoff, Marília Panitz, Suely Rolnik, Frederico Morais, Marta Mestre, Ceres Storchi, Nico Rocha, Moacir dos Anjos e José Augusto Ribeiro. O caráter político, perspectivas educativas e dimensões históricas da curadoria contemporânea estão no programa das aulas. Organizado por Fernanda Albuquerque e Gabriela Motta. Inscrições gratuitas pelo e-mail: ecult03@santander.com.br ou pelo telefone (51) 3287 - 5941.
|
Confira a programação:
18/05 – Abertura - Curadoria em diálogo – A prática curatorial e suas relações com a história da arte, a educação e os processos artísticos
Com Cauê Alves – Curadoria e história da arte;
André Venzon – Curadoria e prática artística;
Mônica Hoff – Curadoria e educação.

25/05 - Afinal, o que é curadoria?, com Marília Panitz
Um possível mapeamento da atividade na segunda metade do século XX: curadoria como organização; curadoria como sintaxe; curadoria como discurso autoral; curadoria, acompanhamento crítico e crítica; curadoria e parceria.

01/06 - O saber-do-corpo nas práticas curatoriais, com Suely Rolnik
Driblando o inconsciente colonial-capitalístico. A nova versão do capitalismo, financeirizado, passa a ter como sua principal fonte de exploração e acumulação. A figura do curador nasce neste contexto como mediador de tal negociação, do que resultam perspectivas divergentes que materializam-se em suas práticas.

08/06 - Curadoria como mediação – Sobre a dimensão educativa da prática curatorial, com Frederico Morais.
A mediação como instrumento de aproximação entre obra e espectador. A relação entre projetos educativos e projetos curatoriais. De que maneira projetos expositivos podem contribuir para a formação humanista e plural da sociedade como um todo?

22/06 - A curadoria como crítica – Imaginários institucionais e instituintes de uma prática, com Marta Mestre.
Imaginários em disputa e subjetividades em construção nas práticas críticas e curatoriais, desde os anos 1970 até hoje. Se o "institucional" se refere à sociedade e aos seus instrumentos políticos e econômicos operando de forma “harmoniosa”, o "instituinte" implica uma abertura às dinâmicas conflitivas da sociedade civil e seus diversos capitais simbólicos.

29/06 - Curadoria e percursos museográficos, com Ceres Storchi e Nico Rocha
Desenho interpretativo e desenho de exposições de arte: questões da construção de um pensamento para uma narrativa museográfica. Autoralidade, autonomia, compartilhamento e subordinação. Visualidade, raciocínio, percepção e interpretação.

06/07 - Pensamento curatorial como prática social – Curadoria em diálogo com o contexto, com Moacir dos Anjos.
De que maneira a organização de mostras de arte pode se vincular ao ambiente social e político no qual está inserida ou sobre o qual se debruça? Como proposições expositivas podem agregar ou agredir contextos sociais?

13/07 - A arte contemporânea desde a globalização, com José Augusto Ribeiro
Este encontro aborda a expansão do circuito de arte para regiões até então negligenciadas, África, América Latina, Ásia e leste europeu, a partir de 1980, e discute a posição que a arte brasileira assume nesta reconfiguração do mapa cultural do mundo.
|
Santander Cultural
Centro: r. Sete de Setembro, 1.028, tel. (51) 3287-5500. Porto alegre – RS.
scultura@santander.com.br | www.santandercultural.com.br

Mural Anti-Brexit criado por Banksy aparece em Dover +

O enigmático artista de rua Banksy criou um mural em Dover, sudoeste da Inglatrerra, para tratar da saída do Reino Unido da União Europeia. A obra, que retrata um pintor removendo uma das estrelas da bandeira da União Europeia, simboliza claramente a saída do Reino Unido da UE, programada para acontecer oficialmente em abril 2019.
Os representantes de Banksy confirmaram que o trabalho foi feito pelo artista, que também postou algumas imagens da obra em sua conta Instagram.
A localização do trabalho é altamente significativa. O mural apareceu durante a noite no edifício “Castle Amusements”, perto do terminal de balsas que conecta o Reino Unido com a Europa continental. Além disso, Dover está localizada em frente ao Canal de Calais, antigo local de um vasto campo de refugiados, onde Bansky criou uma série de obras no final de 2015. As obras incluem um trabalho que representa o fundador da Apple, Steve Jobs, o filho de um migrante sírio, e um outro baseado na icônica pintura do século XIX de Théodore Géricault, “Raft of the Medusa”, o qual retrata os refugiados acenando para um iate de luxo.
O momento também é relevante. O Reino Unido está se preparando para uma eleição geral em 8 de junho, convocada pela primeira-ministra Theresa May, que está buscando um mandato mais forte para enfrentar a oposição ao Brexit no Parlamento. Enquanto isso, na França, o centrista pró-UE Emmanuel Macron ganhou uma vitória esmagadora sobre o euro-cética Marine Le Pen nas eleições gerais realizadas no domingo. Le Pen prometeu realizar um referendo para a França deixar a EU se ela ganhasse.
|
Com informações de matéria de Lorena Moñoz-Alonso publicada no site Artnet | 08/05/17

Art Fund Museum of the Year 2017 anuncia finalistas +

O prêmio de maior prestígio destinado a museus no Reino Unido, Art Fund Museum of the Year 2017, anuncia os cinco finalistas. O vencedor recebe o prêmio de £ 100 mil e será anunciado em uma cerimônia no British Museum em 05/07/17. Pela primeira vez, os outros museus indicados receberão £ 10 mil, em reconhecimento pelas suas realizações. Cada um desses museus teve um ano notável, com demonstrações de um verdadeiro compromisso com a inovação e experimentação de novas perspectivas de ver e compreender suas coleções.
Nos últimos seis anos, os vencedores do prêmio foram o V&A (2016), Whitworth (2015), Yorkshire Sculpture Park (2014), William Morris Gallery (2013), Royal Albert Memorial Museum (2012) e o British Museum (2011).
|
Confira a lista dos museus indicados ao prêmio deste ano:

Lapworth Museum of Geology, em Birmingham

Fundado em 1880, o Lapworth é um dos principais museus geológicos do Reino Unido. O museu que reabriu recentemente, em 2016, trouxe de volta coleções científicas significativas, com 250 mil espécimes que vão desde esqueletos de dinossauros a rochas vulcânicas.

National Heritage Centre for Horseracing & Sporting Art, em Newmarket

O complexo com três atrações em uma: o National Horseracing Museum, o Fred Packard Museum e as Galerias do British Sporting Art. O projeto combina história, ciência, arte esportiva britânica e a cultura das corridas de cavalo, com estábulos restaurados e a arena recém-construída.

Sir John Soane’s Museum, em Londres

Projetado pelo grande arquiteto neo-classical Sir John Soane (1753-1837), foi doado à nação após sua morte, de acordo com seus desejos como uma “academia das artes”, que tem recebido visitantes gratuitamente há dois séculos. Um terceiro espaço foi aberto ao público, e parte da coleção foi reposta em exposição e a totalidade de sua coleção de 40 mil itens está agora disponível online.


Tate Modern, em Londres

A galeria nacional de arte moderna e contemporânea inaugurou o novo prédio Switch House, em 2016, que já recebeu seis milhões de visitantes desde então. As exposições incluem desde escultura e instalação até performance e trabalho colaborativo, refletindo a evolução radical da coleção Tate.

Hepworth Wakefield

Situado em um prédio projetado por David Chipperfield e com vista para o River Calder, o Hepworth Wakefield criou, em 2016, o Prêmio Hepworth de Escultura, lançado para inflamar o debate e o envolvimento com a escultura contemporânea e reafirmar a posição de Yorkshire como o lar da escultura britânica moderna.
|
Mais informações:
British Museum
Great Russell St, Bloomsbury, London WC1B 3DG, Reino Unido
www.artfund.org

Mapa das Artes completa quinze anos e inaugura nova seção nas redes sociais +

Há quinze anos surgia a primeira edição do Mapa das Artes São Paulo, um guia cultural com o objetivo de mapear as artes plásticas na cidade no período da 25ª Bienal de São Paulo, que ia de 23 de março a 02 de junho de 2002. Foram listados 105 espaços, como museus, espaços institucionais, galerias, ateliês, serviços e eventos. Já em sua primeira edição contou com a colaboração dos seguintes anunciantes: Luisa Strina, Casa Triângulo, Marília Razuk, Dan, Mônica Filgueiras, Fortes Vilaça (agora mudou de nome), Brito Cimino (se separaram), Baró Senna (se separaram), Rosa Barbosa (virou escritório de arte), Valu Ória (virou consultora), Adriana Penteado (fechou), Portal (fechou), Thoms Cohn (fechou), Galeria São Paulo (fechou), além do Centro Brasileiro Britânico, do site brasileiro de arte Artenet (criado pelos irmãos gêmeos Eduardo e Elias Rezende, que fechou) e do Pix Studio (das ex- sócias Yael Steiner e Leslie Markus, que também fechou). O Mapa das Artes agradece aos anunciantes, artistas, curadores, críticos, jornalistas, curadores, diretores de museus e público em geral o interesse e o apoio durante esses 15 anos. Para celebrar essa data histórica, o Mapa das Artes inaugura hoje uma nova sessão, que vai ilustrar curiosidades e assuntos que marcaram a história da arte no Brasil nas redes sociais (www.facebook.com/mapadasartesbrasil/ e @mapadasartesoficial).

CCSP divulga lista de selecionados no Programa de Exposições 2017 +

O Centro Cultural São Paulo divulgou a lista de artistas selecionados Programa de Exposições 2017. O júri, formado por Celso Ramiro de Andrade, Ivo Costa Mesquita, Monica Panizza Nador, Nathalie Schreckenberg e Maria Adelaide Nascimento Ponte, selecionou 15 projetos artísticos, sendo 12 Exposições Individuais (R$10.000,00, cada), uma Proposta Curatorial (R$50.000,00) e dois Prêmios de Pesquisa (R$ 15.000, cada). Os projetos selecionados nas categorias Exposição e Proposta Curatorial ganham exposições no decorrer do ano; já os selecionados na categoria Prêmio Pesquisa, terão seus projetos integrados ao acervo do Arquivo Multimeios do CCSP. O programa recebeu 550 inscrições de artistas, curadores e pesquisadores de todo o país.
Confira a lista de selecionados:

Exposições individuais
Selecionados:
Affonso Uchoa e Warley Desali
Alex Topini
Aline Dias
André Luiz Costa De Souza
Andréa Tavares
Bruno Brito
Bruno Ferreira
Cristiane Mohallem
Felipe Fittipaldi
Filipe Miguel dos Santos Barrocas
Gabriela Ferreira Sellan
Thalita Constantinesco Hamaoui
Suplentes (em ordem de classificação)
Thaieny Dias
Bruno Bernardi

Prêmio Pesquisador
Selecionadas (em ordem alfabética)
Janaina Barros Silva Viana
Marcela Antunes de Souza
Suplentes (em ordem de classificação)
Leonardo de Araujo Beserra
Renata Aparecida Felinto dos Santos

Proposta curatorial
Selecionado
Raphael Fonseca
|
Mais informações:
Centro Cultural São Paulo
Paraíso: r. Vergueiro, 1.000, tel. (11) 3397-4002. Ter. a sex., 10h/20h; sáb. e dom., 10h/18h. www.centrocultural.sp.gov.br

“I Love You Baby” de Leda Catunda vence o Prêmio Bravo de Artes Visuais +

A Artista Leda Catunda levou para casa um troféu criado pelo artista Iran do Espírito Santo. Ela foi a vencedora do Prêmio de Cultura Bravo!, que teve cerimônia realizada na noite de quarta-feira, 29/03/17, no Sesc Pinheiros. A visão de Leda Catunda sobre o mundo atual, com seus encantos, fantasias, ilusões e mentiras, foram traduzidos na exposição “I Love You Baby”, exibida em 2016, Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.
Nas palavras do curador da mostra, Paulo Miyada, a sensibilidade da artista nasce do convívio constante com a pintura, sua história e seus desdobramentos contemporâneos,  e se expande em choque apaixonado pela abundância de imagens, marcas e estilos que rege o cotidiano de quase todo cidadão atual, dentro e fora das grandes cidades. Observadora sagaz do chamado consumo afetivo, a artista investiga as padronizações de comportamento ao mesmo tempo em que há uma busca pela diferenciação. “É uma característica muito curiosa do nosso tempo. Considerando que somos 7 bilhões de habitantes no planeta, a possibilidade de ser um ser original é muito pequena.”